JF. sábado 25 fev 2017
OUÇA AGORA
Publicidade
16 de fevereiro de 2017 - 07:00

Câmeras de trânsito vão ser usadas para monitorar crimes

Ideia é que integrantes da Guarda Municipal estejam presentes na Settra para acompanhar as imagens geradas no controle do tráfego da cidade e tentar identificar ações suspeitas
Por Eduardo Valente
Entre os pontos que terão vigilância redobrada com o uso das câmeras da Settra está o cruzamento das avenidas Itamar Franco com Rio Branco (Foto: Marcelo Ribeiro)

Entre os pontos que terão vigilância redobrada com o uso das câmeras da Settra está o cruzamento das avenidas Itamar Franco com Rio Branco (Foto: Marcelo Ribeiro)

A vigilância eletrônica nas ruas de Juiz de Fora vai ganhar reforço na área central, com o uso das 12 câmeras do Infotrans da Settra, que monitoram o tráfego. A informação foi dada pelo prefeito Bruno Siqueira (PMDB) em entrevista à Tribuna e confirmada pelo secretário de Transporte e Trânsito, Rodrigo Tortoriello. A ideia, ainda em fase embrionária, consiste em utilizar guardas municipais no Centro de Controle e Monitoramento da Settra para observar atos criminosos por meio das imagens. Quando algum fato que fuja da normalidade for constatado, a Polícia Militar poderá ser comunicada.

Segundo Tortoriello, ainda não há um prazo para a atividade ter início. Isso porque algumas questões legais e operacionais ainda são estudadas. “Aparentemente é algo simples, mas existem atribuições de cada função que precisam ser estudadas. Ainda precisamos de mais um tempo para divulgar algo concreto, até mesmo porque é uma iniciativa que envolve mais de uma secretaria. O titular da pasta de Segurança e Cidadania, José Armando Pinheiro da Silveira, preferiu não comentar o fato. De acordo com sua assessoria, ainda não há outras informações além daquelas divulgadas pelo prefeito e a Settra.

Juiz de Fora já é monitorada por câmeras desde 2014. Os 54 dispositivos do programa Olho Vivo, da Polícia Militar, estão presentes no Centro e nos bairros Alto dos Passos, São Mateus e Santa Luzia, na Zona Sul; Manoel Honório, na Zona Leste; Benfica e Santa Cruz, na Zona Norte, além de São Pedro, na Cidade Alta. Trata-se de uma parceria com a Prefeitura que, de contrapartida, é a responsável pela contratação e custeio da empresa de monitoramento das imagens. O uso das imagens da Settra não é iniciativa da PM, mas pode ser considerada uma expansão indireta do Olho Vivo, que já tem 54 cãmeras na cidade.

Em nota, a PM informou que a medida ainda não foi formalmente oficiada, contudo salientou que “qualquer iniciativa que some esforços em melhoria da segurança pública é bem-vinda”.

Câmeras ajudam, mas não resolvem problema

Não há consenso a respeito da medida entre os especialistas. A advogada Letícia Paiva, que é professora de direito penal e doutoranda em políticas de segurança pública, chama atenção para o fato positivo de a Guarda Municipal ter mais esta atribuição, embora reforce que sua presença não diminui a importância da Polícia Militar, muito menos supre sua falta. “A guarda precisa ser mais valorizada e melhor utilizada para a questão da segurança pública. A iniciativa da Prefeitura chama atenção, também, porque potencializa o uso dos recursos já disponíveis. Ou seja, se está lá para fiscalizar o trânsito, porque não fiscalizar também a criminalidade?” No entanto, reitera que não são as câmeras que vão resolver o problema da segurança pública.

Para a professora de direito penal Cíntia Toledo, esta nova atribuição da guarda pode até surtir algum efeito preventivo, mas não resolve a questão. “O retorno disso é muito pequeno. Estudos mostram que, quando há um política puramente repressiva, a criminalidade migra de local. Estamos falando de uma falsa sensação de segurança. Ou seja, não reduz a criminalidade, apenas transfere o problema.” Na sua avaliação, a iniciativa é pequena a ponto de poder comemorar. “Para resolver, o problema deve ser pensado de forma macro, envolvendo educação e questões sociais. Enquanto o poder público não ficar atento a isso, não teremos redução dos crimes”, avaliou.

Publicidade


9 comentários

  1. Eduardo Resende disse:

    Então agora vou gritar. POR ISSO QUE NÃO TEM POLICIAL NAS RUAS, PORQUE ELES FICAM NOS QUARTEIS VIGIANDO PELAS CÂMERAS E QUANDO TEM FICAM EM DUPLAS OU TRIOS , QUANDO NÃO ESTÃO NOS CELULARES, ESTÃO EM CONVERSAS, aos risos, DOS MAIS VARIADOS ASSUNTOS. OBSERVEM E VERÃO O QUE DIGO. Saudações. Acorda Juiz de Fora.

  2. WILLIAM BOY disse:

    SENHOR JOSÉ CARLOS E SENHOR MATHEUS…
    SEI QUE QUANDO SE ESCREVE EM CAIXA ALTA, O ENTENDIMENTO SERIA QUE O MESMO ESTEJA “GRITANDO”!
    MAS É MEU MODO DE DIGITAR!
    RESPEITO A OSERVAÇÃO DOS SENHORES, E AGRADEÇO, MAS VOU CONTINUAR DIGITANDO ASSIM… ESPERO QUE ENTENDAM!
    OBRIGADO!

  3. José Carlos S. Botelho Pinto disse:

    Sr. leitor do JTM, William “Boy”, por favor pare de escrever em maiúsculas/caixa alta, pois a sua opinião é dita aos gritos, berros, você sabia? Pra que se expressar gritando? Grato pela compreensão e por poder ensinar-lhe.

  4. Matheus L disse:

    Nunca funcionaram para proteger nem nada, esta em funcionamento o “olho SEMI vivo” que nada ve.

    william boy por fav, par de escrever em caixa alta

  5. A. Coelho disse:

    O que Juiz de Fora precisa é de uma Polícia Militar que esteja PRESENTE nas ruas. O que falta é policiamento ostensivo, preventivo, que iniba e se antecipe às ações dos bandidos. Recursos tecnológicos, novas viaturas etc sem dúvida ajudam, mas não é o principal. Para realizar um policiamento tradicional a pé em dupla, não é preciso nada, apenas disposição para andar e suar, coisa cada vez mais rara. Policiamento exclusivamente em viaturas é bom para a PM apenas, mas não para a cidade.

  6. WILLIAM BOY disse:

    SE NO CONJUNTO DESSAS AÇÕES UMA ESTRATÉGIA FOR BEM PLANEJADA, ACREDITO QUE PODEREMOS TER UMA RESPOSTA MAIS RÁPIDA COM RELAÇÃO AOS DELITOS COMETIDOS… TEMOS QUE USAR A NOSSO FAVOR A TECNOLOGIA EXISTENTE!

  7. Cidadâ disse:

    Poderiam instalar Câmeras de Olho Vivo na Oswaldo Aranha, São Mateus, Romualdo.

  8. Afonso disse:

    A doutoranda se esquece ou finge se esquecer de algo bem básico quanto à criminalidade: bandido rouba, porque quer ganhar dinheiro fácil em vez de trabalhar ou estudar. E hoje o que tem de bolsa social e assistencialismo não está no gibi, então só não estuda quem não quer. Ou seja, falta é prender mesmo e deixar bastante tempo enjaulado para mostrar a eles que o crime não compensa e que ser honesto e trabalhador é melhor.

  9. JOSE RONALDO FILGUEIRAS disse:

    Apesar dos custos e dos objetivos os dispositivos do olho vivo bem que poderiam ser expandidos para outros pontos da cidade como por exemplo os escadões onde dia e noite se verifica comércio e uso de drogas e a polícia não pode estar presente em todos eles devido ao pouco efetivo.

*

Restam 500 digitos

 

Top