Publicidade

14 de Julho de 2011 - 07:00

Chinesa SAIC usa a tradição da britânica MG para marcar presença no mercado brasileiro

Por RODRIGO MACHADO - AUTO PRESS

Compartilhar
 

O atual bom momento da indústria automotiva brasileira parece atrair todo mundo. Com um mercado que deve dobrar de tamanho até a próxima década, as montadoras olham para cá com apetite, na espera de conseguir a sua fatia de mercado - por menor que ela seja. É o caso da SAIC - Shanghai Automotive Industry Corporation - que chega ao Brasil. Mas de uma maneira incomum. A maior fabricante chinesa começa a vender os carros da antiga inglesa MG, marca adquirida em 2005. A estratégia é usar a fama e a tradição da fabricante britânica para vender automóveis feitos na China.

Por enquanto, serão comercializados apenas dois modelos. O sedã médio 550 e o fastback médio MG6, ambos feitos na unidade de Shanghai, mas com produção supervisionada pelos ingleses. E o primeiro problema aparece logo de cara. O primeiro será vendido por R$ 94.789, enquanto que o segundo será ainda mais caro, R$ 99.789. Valores muito acima da faixa dos sedãs médios de topo, que geralmente ficam perto dos R$ 80 mil. A tentativa, portanto, é oferecer algo diferente e original, que salte aos olhos diante da atual "frota" de Toyota Corolla e Honda Civic que invade as ruas brasileiras.

Os dois modelos têm propostas diferentes. O MG6 chega para ser uma opção esportiva, ao menos no design e no acerto da suspensão. A frente com grade em formato de colmeia se destaca, enquanto que os faróis têm máscara negra. Mas é de perfil que ele chama mesmo a atenção. O caimento do teto bastante alongado faz do MG 6 um cupê de quatro portas. A traseira tem lanternas que escapam para as laterais com acabamento no estilo "tunning".

O MG 550 é mais contido, no nível da concorrência. A dianteira é a parte mais vistosa, com sua grade cromada com formato irregular e os faróis com duas seções circulares interligadas pela área dos piscas. A lateral conta com uma linha de cintura elevada, passando um aspecto mais robusto ao sedã. Já a traseira é mais discreta. O terceiro volume fica em posição alta e as lanternas têm formato irregular.

Apesar de propostas estéticas e mercadológicas distintas, o conjunto mecânico é o mesmo nos dois modelos. Ambos são dotados de um propulsor 1.8 l com turbocompressor capaz de render 170 cv de potência e 22 kgfm de torque, além de uma transmissão automática de cinco velocidades com opção de trocas sequenciais. As dimensões também são próximas. A distância entre-eixos é de 2,70 metros, exatamente a mesma de um Renault Fluence e apenas dois cm menor que a do médio-grande Ford Fusion.

Como já é de praxe entre os veículos provenientes da China vendidos no Brasil, os MG tem uma vasta lista de equipamentos de série como atrativo. De fábrica, ambos vêm com airbags frontais, laterais e de cortina, ABS, EBD, BAS, sensores de chuva e luminosidade, controle de estabilidade e de tração, ar-condicionado dual zone, bancos de couro com ajustes elétricos, câmara de ré, sensores de estacionamento, GPS e sistema de multimídia com tela de 6,5 polegadas no painel. Itens comuns aos sedãs médios completos.

Agora sob controle da SAIC, a MG tenta, pela primeira vez nos seus 87 anos, alcançar grande escala em vendas. Nem quando foi controlada pela BMW, entre 1994 e 2005, a marca conseguiu isso. É um típico exemplo dos produtos "made in China" se espalhando pelo globo. A diferença é que a estirpe inglesa chega para dar uma ajuda.

Galeria de Imagens

Publicidade

Publicidade

Mais comentários

Ainda não é assinante?

Compartilhe

Publicidade

Encontre um tema na

Pesquisa

Edição impressa

Enquete

Você acha que os resultados do programa "Olho vivo" vão inibir crimes nos locais onde estão as câmeras?