Publicidade

11 de Janeiro de 2014 - 07:00

Curso mais concorrido é a fisioterapia, mas nota de corte mais alta está na medicina

Por Kelly Diniz

Compartilhar
 
Isabella Cristina Aquino de Souza tem como primeira opção o curso de artes e design
Isabella Cristina Aquino de Souza tem como primeira opção o curso de artes e design

O número de inscritos no Sistema de Seleção Unificada (Sisu) do Ministério da Educação (MEC) desse ano já havia ultrapassado a primeira edição de 2013, às 18h desta sexta-feira (10), quando 2.444.853 candidatos buscavam uma vaga em um dos 4.723 cursos de 115 instituições públicas de educação superior que aderiram ao programa. Em 2013, foram 1.949.958 inscritos. Na UFJF havia, até a noite desta sexta, 40.123 inscritos disputando uma das 1.733 vagas disponibilizadas. Desses candidatos, 30.383 eram para o campus de Juiz de Fora e 9.740 para o campus da UFJF em Governador Valadares.

Os pontos de cortes mais elevados são para o curso de medicina. Para o campus de Juiz de Fora, a pontuação mínima é de 798,96. Já para o campus de Governador Valadares, o candidato precisa de 787,68. Em terceiro lugar está o curso de direito diurno com o ponto de corte de 768,56 (ver quadro). Já na relação candidato/vaga, o curso mais disputado na UFJF é fisioterapia (campus JF), com 77 candidatos/vaga. Em segundo está o curso de direito noturno com 71,2, seguido por medicina, campus Governador Valadares, com 65,3.

O cronograma do Sisu prevê a primeira chamada para segunda-feira. Já a segunda chamada está marcada para o dia 27. Os candidatos que não forem selecionados nas duas chamadas poderão se inscrever, até 7 de fevereiro, na lista de espera (ver quadro).

Durante a semana, os candidatos acessaram todos os dias a página do Sisu. A partir da sua nota, do ponto de corte e da sua colocação, o aluno podia decidir por manter a escolha ou trocar por outro curso ou instituição com o ponto de corte mais baixo. A estudante Isabella Cristina Aquino de Souza, 16 anos, havia escolhido como primeira opção o curso de artes e design da UFJF e, como segunda, arquitetura e urbanismo na Universidade Federal de São João del-Rei (UFSJ). No entanto, na quinta-feira, ela optou por trocar a segunda opção. "O ponto de corte aumentou muito para o curso de arquitetura, e a minha nota não dava. Então, troquei a segunda opção para nutrição na UFJF." Até esta sexta, ela estava na 44ª colocação para artes e design. "São 43 vagas. Eu acho que estou muito perto e espero entrar na segunda chamada." Além dos dois cursos a que concorre pelo Sisu, Isabella realizou a prova do Programa de Ingresso Seletivo Misto (Pism), no qual também tenta uma vaga para artes e está participando da prova de habilidade da UFJF para o curso de arquitetura, que não entra nos cursos oferecidos pelo sistema.

 

Direito

O curso de direito para o campus de Governador Valadares não está disponível pelo Sisu. A UFJF lançou nesta sexta edital específico para a graduação, no qual será utilizada a nota do Enem para o processo seletivo. De acordo com a assessoria de Comunicação da instituição, não houve tempo hábil para incluir o curso.

 

Nacional

A nota de corte mais alta no Sisu, até o momento, é para medicina na Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Os candidatos precisam ter, no mínimo, 822,9 pontos para ingressar na graduação. A segunda maior nota de corte é da Universidade de Brasília (UnB), também para o curso de medicina, com 819,45 pontos. Já em terceiro lugar está engenharia aeronáutica, da Universidade Federal de Uberlândia (UFU), com 817,15. Medicina tem 13 dos 20 cursos com as maiores notas de corte da primeira edição de 2014 do Sisu.

A instituição que liderava a lista das universidades mais procuradas na quinta-feira era a Universidade Federal do Ceará (UFC) com 211.804 inscritos. A Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) estava em segundo lugar, com 156.571, seguida da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), com 138.857.

Publicidade

Publicidade

Mais comentários

Ainda não é assinante?

Compartilhe

Publicidade

Encontre um tema na

Pesquisa

Edição impressa

Enquete

Você leva em consideração a escolaridade do candidato na hora de votar?