Publicidade

31 de Dezembro de 2013 - 12:17

Vinte e duas mortes foram contabilizadas até agora no estado, que tem ainda dez mil desalojados

Por Tribuna

Compartilhar
 

Sessenta cidades de Minas Gerais decretaram situação de emergência em decorrência das destruições provocadas pelas chuvas no estado neste período. Os últimos municípios a entrarem neste quadro foram Ipaba, Pirapora, Central de Minas, Francisco Badaró, Simonésia, Resplendor, Mantena, Chapada do Norte e Angelândia. Apesar dos estragos em várias regiões de Juiz de Fora e de uma morte registrada, o município não está entre eles. Além do estado de emergência, há outras cidades que já estão em situação de alerta, mesmo com a chuva tendo dado uma trégua nos últimos dias. No entanto, a previsão é de que a umidade permaneça na maior parte do estado.

Até agora, segundo balanço da Defesa Civil do Estado, já foram contabilizadas 22 mortes, um número mais alto do que os últimos períodos chuvosos. Segundo o portal Uai, a última morte registrada foi a do mecânico Elias Rodrigo Gandes de Souza, 31 anos. O corpo da vítima estava desaparecido desde a última quinta-feira no município de Virgolândia, na região do Vale do Rio Doce. A cidade foi uma das mais afetadas pelos temporais. Elias Souza foi encontrado nesta terça-feira (31). Ele havia saído para ajudar ocupantes de um veículo que estava na correnteza, mas acabou sendo levado pela forte enxurrada.

Quase dez mil pessoas estão desalojadas e outras sete mil tiveram as casas danificadas pelas fortes precipitações. Por causa dos estragos, o governador Antonio Anastasia (PSDB) esteve reunido na última segunda-feira com equipes de trabalho para fazer um balanço do quadro nas cidades afetadas.

 

Estradas

De acordo com o levantamento do Governo de Minas, os prejuízos já chegam a R$ 40 milhões para recuperação das estradas estaduais. Na região de Juiz de Fora, uma rodovia que já tinha um trecho em péssimas condições é a MG-353, entre os municípios de Rio Novo e Guarani. Com as chuvas, as crateras se abriram ainda mais na via, dificultando o tráfego.

 

Orientações

Para quem mora às margens de cursos d'água, uma das dicas do Governo de Minas é manter um membro da família atento ao nível de subida das águas, mesmo à noite. Em caso de elevação súbita das águas, os vizinhos devem ser avisados. Lanternas e pilhas em condições de uso devem estar sempre à mão. Armazenar água potável é outra recomendação. Objetos de maior valor, como móveis e aparelhos, devem ficar na parte mais elevada da casa. Equipamentos elétricos quando molhados ou úmidos tornam-se perigosos. Assim, é preciso desligá-los da tomada. As águas de enchentes são pesadas e violentas, então, mesmo quem sabe nadar não deve se arriscar em travessias ou brincadeiras. Em caso de estar dirigindo um veículo, a orientação é nunca atravessar uma rua onde está se formando ou se formou uma forte enxurrada devido ao excesso de chuva.

Publicidade

Publicidade

Mais comentários

Ainda não é assinante?

Compartilhe

Publicidade

Encontre um tema na

Pesquisa

Edição impressa

Enquete

Você concorda com o TJ, que definiu que táxi não pode ser repassado como herança?