Publicidade

23 de Dezembro de 2013 - 15:09

Estragos também em Matias, Ewbank e Santos Dumont. Instabilidade deve permanecer até quinta-feira

Por Tribuna

Compartilhar
 

Atualizada às 20h23

O aumento do nível do Rio Paraibuna devido à chuva contínua causou alagamentos ontem no Bairro Industrial, na Zona Norte de Juiz de Fora, e no município de Matias Barbosa. O mau tempo ainda provocou inundações na cidade de Ewbank da Câmara e um deslizamento de terra em Santos Dumont, onde 19 pessoas ficaram desalojadas. De acordo com o Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet), a instabilidade deve permanecer, pelo menos, até quinta-feira. 

Em Juiz de Fora, a inundação aconteceu na Avenida Lúcio Bittencourt, onde houve o transbordamento do Córrego Humaitá. A água tomou conta de parte do asfalto, próximo ao entroncamento com a Avenida Brasil, impedindo o tráfego de veículos em um trecho, mas não chegou a invadir casas. A mesma situação aconteceu na Rua Henrique Simões, que fica abaixo do nível do rio. Segundo moradores, o local começou a ficar alagado durante a madrugada.

Além da inundação no Industrial, a Defesa Civil atendeu outras 58 ocorrências entre meia noite de sábado e 17h de ontem. A região Sudeste concentrou 15 registros, seguida da Leste (14), Sul (11), Nordeste (10), Norte (6) e Centro (2). Na Rua Goiás 553, Bairro São Bernardo, houve um escorregamento de talude, seguido pela queda de uma árvore, que atingiu uma rede elétrica da Cemig. Deslizamentos de barrancos também foram registrados na Rua Abílio Gomes 305, Francisco Bernardino, e na Avenida Santa Luzia 1.521, bairro homônimo. Em ambos os casos, residências foram atingidas, ocasionando, ao todo, 11 desalojados. Os moradores estão nas casas de parentes. No Bairro Novo Horizonte, a Rua das Petúnias precisou ser interditada após o asfalto ceder.

 

Inundações e deslizamentos

Em Matias Barbosa, moradores do Bairro Nossa Senhora da Penha estão em situação de alerta. Pelo menos quatro vias às margens do Paraibuna ficaram inundadas. Residente na esquina das ruas Flaviano Valadares e Oswaldo Cruz, Alessandra da Conceição Gomes, 35 anos, teve a casa cercada pela água. Segundo ela, o transbordamento do rio aconteceu no início da manhã. Com um filho de 1 ano e 5 meses, Alessandra teme que a situação piore. "Já suspendemos os móveis, mas não temos para onde ir." 

De acordo com o secretário de Obras e Serviços Públicos e coordenador da Defesa Civil de Matias, Luiz Fernando Sirimarco, essa já é a terceira vez, neste fim de ano, em que acontecem alagamentos na área. "A chuva da região causa impacto aqui. O rio (Paraibuna) está cheio em Juiz de Fora, e isso reflete no Bairro Nossa Senhora da Penha. Por enquanto, estamos em estado de alerta, porque a água não invadiu casas. Por precaução, os moradores receberam materiais para levantarem os móveis e kits de limpeza, com água sanitária e desinfetante." Ainda conforme o secretário, caso o nível do Paraibuna continue a subir, a população da área afetada será orientada a deixar as residências.

Na antiga Estrada União e Indústria, que liga Juiz de Fora a Matias, também houve alagamento pela manhã no trecho próximo a Cedofeita. Ônibus da linha intermunicipal chegaram a fazer o trajeto pela BR-040, já que veículos ficaram impedidos de passar pelo local. A situação foi normalizada no final da manhã. 

As chuvas dos últimos dias também provocaram estragos em Santos Dumont. O coordenador da Defesa Civil, capitão Antônio Fernandes Sobrinho, destacou que às 2h30 de ontem a pasta recebeu um alerta do Centro Nacional de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais (Cemaden) comunicando que a cidade está em risco alto de movimentação de terra e moderado para alagamentos. Na ocorrência mais grave, registrada ontem às 7h, um deslizamento de terra deixou 19 pessoas desalojadas. Segundo o capitão, parte de um barranco nos fundos de um prédio de três andares, que fica na Rua Padre Adalberto, cedeu e atingiu o imóvel. Ninguém ficou ferido. "A sustentação do prédio ficou bastante danificada. Nossa orientação é que as seis famílias só retornem após o período chuvoso."

De acordo com o coordenador da Defesa Civil, parte da terra e algumas pedras desceram e atingiram também uma loja situada na via abaixo, a Rua Doutor Guilherme de Castro. "O telhado do comércio ficou destruído, e alguns materiais foram danificados." Quedas de barrancos e alagamentos também foram registrados nos bairros Flores e Córrego do Ouro, e ruas ficaram interditadas entre a madrugada de domingo e a manhã de ontem. A Secretaria de Obras já fez a liberação das pistas. 

Em Ewbank da Câmara, a chuva da madrugada de domingo provocou alguns pontos de alagamento. Segundo moradores, a Avenida Santo Antônio, principal via da cidade, chegou a acumular um metro de água acima do nível da rua. A prefeitura e algumas residências que ficam no nível mais baixo da via não chegaram a ser atingidas, uma vez que existe uma espécie de barreira nas portas para impedir que a água entre. Já no Bairro Vila Esperança, a água chegou a entrar em algumas casas, causando prejuízos aos moradores.

 

Chuvas de dezembro superam média histórica

Chove em Juiz de Fora ininterruptamente desde as 16h de domingo. Neste período, o Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet) registrou um acumulado de 63,2 milímetros de precipitações, conforme a estação automática instalada no Campus da UFJF. O pico foi observado durante a madrugada, por volta das 3h, quando em apenas uma hora choveu 13,8 milímetros. Com isso, o volume total de precipitações em dezembro, que até a manhã de ontem chegava a 358 milímetros, já supera a média histórica aguardada para dezembro, que são 327 milímetros. Para se ter ideia, na mesma época, em 2012, o acumulado de chuvas foi de apenas 199,2 milímetros. Segundo os institutos meteorológicos, a instabilidade continua pelo menos até a quinta-feira. Até este dia, de acordo com o Centro de Previsão do Tempo e Estudos Climáticos (Cptec), as temperaturas tendem a oscilar de 18 a 25 graus.

Córrego Humaitá transbordou mais um vez deixando ruas cobertas de água no Bairro Industrial em JF
Avenida Flaviano Valadares com Rua Oswaldo Cruz, em Matias Barbosa
Santos Dumont está em risco alto de movimentação de terra e moderado para alagamentos
Deslizamento de terra em Santos Dumont deixou 19 pessoas desalojadas
A Avenida Santo Antônio, principal via de Ewbank, chegou a acumular um metro de água
Publicidade

Publicidade

Mais comentários

Ainda não é assinante?

Compartilhe

Publicidade

Encontre um tema na

Pesquisa

Edição impressa

Enquete

Você concorda com a multa para o consumidor que desperdiçar água, conforme anunciou o Governo de São Paulo?