Publicidade

10 de Dezembro de 2013 - 14:45

Por Tribuna

Compartilhar
 
Estudantes protestaram a partir do meio-dia
Estudantes protestaram a partir do meio-dia

Atualizada às 20h59

O Diretório Central dos Estudantes (DCE) da UFJF promoveu nesta terça-feira (10) um "roletaço" no Restaurante Universitário (RU) do campus. No horário do almoço, vários estudantes entraram no estabelecimento sem pagar o tíquete no valor de R$ 1,40. A manifestação tinha como intuito protestar contra o laudo pericial que apontou que a carne oferecida no local, no último dia 28 de novembro, estava em condições sanitárias satisfatórias. De acordo com a coordenadora do DCE, Laiz Perrut Marendino, cerca de dois mil universitários entraram na unidade sem pagar, entre 11h30 e 13h30. Ela critica o fato de o laudo da carne deixar dúvidas, uma vez que não consta o horário em que o produto foi recolhido para análise. Além disso, a perícia teria sido realizada a pedido da Denjud, empresa responsável por servir o almoço no estabelecimento.

Por causa do protesto, uma reunião foi realizada durante a tarde com a direção da federal e os estudantes. No encontro, segundo Laiz, houve a promessa de que haverá uma melhoria imediata na qualidade da comida. O DCE deverá organizar uma assembleia para debater o assunto. Segundo a assessoria da UFJF, ainda não há definição se o contrato com a empresa, que vence no dia 28 de fevereiro de 2014, será prorrogado ou se haverá nova licitação. O assunto deverá ser discutido nos próximos dias. A universidade também informou que, durante a reunião, ficou decidido que empresa irá apresentar um plano de ação com prazos e medidas a serem tomadas para melhorar o serviço prestado, conforme as reclamações dos estudantes. O conteúdo da proposta ainda não foi concluído. Será estudada, ainda, a criação de uma comissão pela UFJF para fiscalizar o funcionamento do RU. 

 

 

Luta por melhores condições

 

Sobre a manifestação, a coordenadora do DCE, Laiz Perrut, acrescentou que o ato serviu para reivindicar melhores condições dos alimentos e de trabalho dos funcionários da empresa. "Lutamos pelo fim da terceirização e pela imediata quebra do contrato com a Denjud e abertura de nova licitação para contratação de outra empresa. Esperamos ainda que os alunos possam participar desse processo por meio do DCE", destacou Laiz. 

A universitária do curso de ciências exatas Wescla Andrade acha válida a luta por melhorias da qualidade do serviço no Restaurante Universitário (RU). "Se não tivermos o DCE à frente, não teremos ninguém para resolver a situação. Eu considero que, de modo geral, a comida servida é boa, mas houve esses episódios negativos e precisam ser investigados. Também acho que é preciso melhorar as condições do serviço prestado."

No dia 28 de novembro, o RU do Campus da UFJF ficou fechado por 50 minutos para que a carne servida pudesse ser substituída. No último dia 5, um estudante de 20 anos disse ter encontrado um objeto estranho em seu prato durante o almoço servido no estabelecimento. O material de cor preta e com dois prolongamentos semelhantes a antenas chamou a atenção por destoar do restante da refeição servida: arroz, feijão, macarrão, filé de frango e salada. No entanto, este material não foi recolhido e nem encaminhado para a análise, por ter sido considerado tempero pela nutricionista.

Na última segunda-feira, foi divulgado o resultado da análise macrobiológica feita na carne servida pelo RU, no dia 28 de novembro, que apontou que a refeição estava em condições sanitárias satisfatórias. O exame feito pelo laboratório Silo - Controle de Qualidade em Alimentos e Produtos, do Rio de Janeiro, atestou que as condições sanitárias do produto coletado atendem às exigências da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), conforme a Resolução da Diretoria Colegiada (RDC) nº12, de 02/01/2001.

Publicidade

Publicidade

Mais comentários

Ainda não é assinante?

Compartilhe

Publicidade

Encontre um tema na

Pesquisa

Edição impressa

Enquete

Você acha que o Rio vai conseguir controlar a violência até a Copa do Mundo?