Publicidade

13 de Maio de 2014 - 18:24

Padaria em São Mateus e joalheria no Centro foram assaltadas hoje. No primeiro caso, câmeras flagraram a ação

Por Tribuna

Compartilhar
 

Uma joalheria no Centro de Juiz de Fora foi assaltada pela segunda vez em quatro dias. Ainda nesta terça-feira (13), um jovem de 22 anos fugiu de táxi após assaltar uma padaria em São Mateus, na Zona Sul (ver vídeo abaixo). Os casos chamam a atenção por terem sido cometidos em locais e horários de grande movimento de clientes no comércio dessas duas regiões da cidade. No caso da joalheria, o estabelecimento da Galeria General Roberto Neves já havia sido alvo de bandidos armados no último sábado (10). Na ação desta terça-feira, ocorrida por volta das 12h30, um homem entrou no estabelecimento pedindo para ver alianças. Quando a funcionária de 34 anos pegou a bandeja com alguns modelos, o suspeito tomou o objeto da mão da mulher e fugiu correndo em direção à Avenida Rio Branco. A Polícia Militar foi chamada, mas não conseguiu localizar o suspeito.

Já na Zona Sul, um rapaz de 22 anos foi preso nesta terça-feira após assaltar uma padaria na Rua São Mateus, bairro homônimo. O suspeito fugiu de táxi, mas foi pego pela Polícia Militar logo após a ação. De acordo com a PM, o homem armado entrou na padaria por volta das 14h, rendeu uma funcionária de 48 anos e anunciou o assalto, levando quantia de dinheiro ainda não informada. Depois do assalto, um funcionário anotou as informações do táxi que o suspeito pegou para fugir. De posse das informações, a PM iniciou o rastreamento e localizou o táxi na Avenida Rio Branco, na altura do Bairro Bom Pastor, ainda na Zona Sul. A arma não foi encontrada com o suspeito. Ele informou aos policiais que teria repassado o revólver para um segundo homem, que não foi encontrado. O jovem de 22 anos foi levado para a delegacia, onde seria ouvido até o início da noite.

Publicidade

Publicidade

Mais comentários

Ainda não é assinante?

Compartilhe

Publicidade

Encontre um tema na

Pesquisa

Edição impressa

Enquete

Você acha que campanha corpo-a-corpo ainda dá voto?