Publicidade

14 de Fevereiro de 2014 - 20:58

Por Tribuna

Compartilhar
 

O verão favorece a prática de exercícios físicos e a ingestão de uma alimentação mais leve e saudável, no entanto, também resulta no aumento de moléstias como micoses, rotavírus, conjuntivite, desidratação e intoxicação alimentar. As doenças da estação já implicam em aumento na procura por atendimento nos consultórios, hospitais e outras unidades de saúde de Juiz de Fora. Porém, especialistas alertam que cuidados simples no dia a dia podem evitar o agravamento desses casos e as internações.

"O clima quente e seco na estiagem e úmido nos dias de chuva favorece a dispersão de vírus, o que resulta em casos de gastrenterite. A doença se manifesta por vômitos e diarreias e pode durar até sete dias", afirma a pediatra Márcia Mizrahy. Segundo ela, entre as chamadas doenças de verão, a mais grave é o rotavírus, que causa febre e pode levar à necessidade de cuidados hospitalares. "A hidratação é o melhor remédio para combater esses sintomas, e não é indicado medicar o paciente com remédios que prendam o intestino. O organismo precisa eliminar o vírus por meio das fezes." Márcia observa que a vacina contra rotavírus fornecida pelo SUS para as crianças tem diminuído o número de internações e óbitos.

Hábitos básicos de higiene, como lavar bem as mãos e manter a casa sempre limpa e arejada, ajudam a evitar o contágio. "É importante que as mães procurem se higienizar após cuidarem dos filhos doentes, para que não contraiam o vírus. Não deixar as fezes expostas e outros objetos que podem estar contaminados também é uma ótima profilaxia." Os alimentos precisam de atenção especial, pois se não forem armazenados de maneira correta, podem acarretar em intoxicação alimentar.

No caso de doenças causadas por bactérias, como as micoses, a médica recomenda a observação de mudanças na pele. Se for notado o surgimento de manchas, a orientação é procurar um dermatologista. Outra dica é fazer uma avaliação médica antes de frequentar clubes e piscinas. É válido também evitar ficar com roupas molhadas por muito tempo.

Medicamentos

O calor excessivo também pode alterar a eficácia dos medicamentos. Cuidados na hora de acondicionar os remédios podem garantir as propriedades, principalmente se estiverem de acordo com as instruções do fabricante presentes na caixa ou na bula do remédio. Na última semana, a Secretaria de Saúde divulgou algumas dicas sobre a melhor forma de armazená-los com segurança.

Segundo a farmacêutica do Departamento de Vigilância Sanitária da Secretaria de Saúde, Denise Campos Pereira, a temperatura precisa estar entre 15 e 30 graus, desde que estejam longe da umidade e do calor. Ambientes como banheiro devem ser evitados. Aqueles que necessitam de refrigeração, entre 2 a 8 graus, a especialista alerta para serem guardados na geladeira. Se for necessário o transporte dos mesmos, fazê-lo por meio de bolsas ou caixas térmicas, evitando contato direto com o gelo.

Outros itens propensos a sofrerem alterações são os supositórios e os cremes, podendo apresentar aparência ou consistência diferente da habitual. Caso precise utilizá-los, o indicado é consultar um farmacêutico.

Publicidade

Publicidade

Mais comentários

Ainda não é assinante?

Compartilhe

Publicidade

Encontre um tema na

Pesquisa

Edição impressa

Enquete

Você acha que o Rio vai conseguir controlar a violência até a Copa do Mundo?