Publicidade

20 de Fevereiro de 2014 - 18:06

Por Tribuna

Compartilhar
 
Alegria e crítica à homofobia no Bloco das Barbies
Alegria e crítica à homofobia no Bloco das Barbies

Com muita alegria, irreverência e samba no pé, teve início nesta quinta-feira (20) a quarta edição do Corredor da Folia em Juiz de Fora. O pré-carnaval da cidade, promovido pela Funalfa, segue até o dia 1º de março com blocos, shows, bailes e desfiles. Por volta das 19h, as fantasias já tomavam conta do Parque Halfeld para o desfile do Bloco das Barbies, que desceu o Calçadão da Halfeld até a Rua Batista de Oliveira. Segundo um dos organizadores do evento, Oswaldo Braga, o objetivo era reafirmar a presença da comunidade homossexual na cidade, promovendo a tolerância. "Levantamos as bandeiras da prevenção e do combate à homofobia", explicou o folião, que também é um dos fundadores do Movimento Gay de Minas (MGM).

Orgulhosa do título, a rainha do bloco Letícia Lippiany disse que a ideia dos participantes é chamar a atenção para a causa e combater o preconceito. "Queremos um carnaval sem violência, com muita música e glamour." De acordo com Oswaldo, cerca de 300 pessoas participaram da festividade, que terminou com shows na Praça Antônio Carlos.

Ainda nesta quarta, houve o desfile do bloco Unidos pela Vida, que reuniu foliões no Parque Halfeld pela manhã. À noite, aconteceram shows com os grupos Samba D'Loko e Bangalafumenga (Rio de Janeiro), no Alto dos Passos, e Alessandra Crispim, na Praça Alfredo Lage, no Manoel Honório. Nesta sexta, desfilam os blocos do Peixe e Carnavalesco Bola da Vez e as escolas de samba mirins. Além disso, haverá show com Bacharéis do Samba e com a bateria da Escola de Samba Império Serrano (Rio), e o tradicional baile pré-carnavalesco Noite Borbulhante. A programação completa pode ser conferida no site da PJF (www.pjf.mg.gov.br).

Publicidade

Publicidade

Mais comentários

Ainda não é assinante?

Compartilhe

Publicidade

Encontre um tema na

Pesquisa

Edição impressa

Enquete

Você acha que os resultados do programa "Olho vivo" vão inibir crimes nos locais onde estão as câmeras?