Publicidade

02 de Março de 2014 - 06:00

Por Tribuna

Compartilhar
 

O aumento de mortes por afogamento ocorridas em Juiz de Fora e cidades onde o 4º Batalhão de Bombeiros Militar (4º BBM) atua tem preocupado a corporação neste carnaval. Em 2013, quatro pessoas perderam a vida na região nos meses de janeiro e fevereiro, contra 14 no mesmo período deste ano, sendo duas em Juiz de Fora. "A ausência de chuvas e as altas temperaturas têm estimulado a procura por rios, lagoas, cachoeiras e piscinas como forma de lazer. As pessoas precisam ter cuidado, inclusive, com as crianças", ressalta o tenente Júlio César Gomes da Silva (ver quadro).

Segundo o tenente, a ingestão de bebida alcoólica está ligada a maioria dos casos de afogamento registrados na região, ocorridos em locais onde não havia presença de guarda-vidas ou Corpo de Bombeiros. Neste feriado, o 4º BBM vai disponibilizar reforço, por meio de viaturas e moto aquática, em cinco localidades da região. Parque Estadual do Ibitipoca, em Lima Duarte; Cachoeira do Grilo, em Tombos; Cachoeira do Parque São João, em Pedra Dourada, região de Carangola; Cachoeira de Itamarati de Minas, em Ubá; e Cachoeira da Usina da Fumaça, em Muriaé.

Festas

Enquanto uma parcela da população busca pelo descanso, outra aproveita a folia em festas. No caso delas, Júlio orienta que as pessoas verifiquem se foram autorizadas. A utilização de confetes e serpentinas é liberada, exceto as serpentinas metálicas, conforme a lei 20.374 de 09/08/2012, que proíbe a produção, a distribuição, a comercialização e a utilização em Minas Gerais de serpentinas metalizadas destinadas e produtos similares. "Mesmo com a diminuição, ainda há comércio clandestino destes objetos. Em contato com a rede elétrica, carros alegóricos e trios elétricos, as serpentinas podem causar choques, chegando a eletrocussão."

Publicidade

Publicidade

Mais comentários

Ainda não é assinante?

Compartilhe

Publicidade

Encontre um tema na

Pesquisa

Edição impressa

Enquete

Você acha que o subsídio do Governo vai alavancar a aviação regional?