Publicidade

02 de Abril de 2014 - 07:00

Em um único dia, oito pessoas morreram em 2 acidentes na via

Por Cíntia Charlene e Sandra Zanella

Compartilhar
 

Mais dois acidentes que deixaram oito mortos, no último sábado, foram registrados na BR-267. Trata-se de uma via perigosa, que vem sendo chamada de rodovia da morte, diante de tantos óbitos ocorridos recentemente. De acordo com a Polícia Rodoviária Federal (PRF), para tentar reduzir o perigo da via, duas lombadas eletrônicas serão instaladas no km 123, em Igrejinha, nos dois sentidos. Uma reunião com o Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit) foi marcada para o próximo dia 9. "Vamos intermediar o diálogo com a comunidade, por meio das lideranças que irão apresentar suas queixas e discutir com o Dnit o que pode ser feito", esclarece o inspetor da PRF Flávio Loures.

Os acidentes registrados no final de semana ocorreram por volta das 11h e 19h. Na primeira ocorrência, duas pessoas morreram e uma ficou ferida. De acordo com a PRF, a batida foi registrada no km 133 da estrada, no sentido Caxambu, no trecho entre as localidades de Valadares e Penido. O segundo caso, no trecho da BR-267 entre Bicas e Juiz de Fora, próximo ao Bairro Floresta, deixou seis mortos, quatro deles da mesma família.

A instalação de radares é uma reivindicação antiga dos moradores do Bairro Igrejinha e das comunidades de Vila São José e Cachoeira que dependem da via para ter acesso a comércios, farmácias, unidades de saúde e escola. Alguns protestos realizados pela comunidade no mês passado culminaram no fechamento da estrada. Na última manifestação, em 20 de março, moradores deram um prazo de 30 dias para que o Dnit tomasse providências.

Segundo o presidente da Associação de Moradores de Igrejinha, Luiz Cachoeira, por enquanto nada foi feito. "Fomos informados que os redutores de velocidade foram autorizados e seriam instalados entre Igrejinha e a Vila São José até 15 de abril. Estamos esperando. Se o Dnit não fizer a instalação, vamos reunir os moradores e decidir quais caminhos iremos seguir." A Tribuna entrou em contato com a assessoria do órgão por telefone e e-mail, mas não houve resposta até o fechamento desta edição.

Atenção redobrada

De acordo com o inspetor da PRF Flávio Loures, a estrada possui pavimentação em ótimo estado, porém é uma rodovia de pista simples e sem acostamento, com fluxo de veículos grande. No sentido Bicas, os pontos mais críticos estão nos kms 82, 74 e 64. São trechos que permitem a visualização da faixa oposta, mas não necessariamente é permitido fazer ultrapassagens. No sentido Caxambu, os pontos que merecem atenção redobrada estão perto da área urbana: em Igrejinha (km 123) e em Lima Duarte (km 162). "Estamos usando radares móveis com o objetivo de flagrar e coibir veículos que trafegam em alta velocidade. A melhor forma de reduzir os acidentes é o condutor respeitar os limites de velocidade e fazer as ultrapassagens em locais permitidos."


Tragédia no trecho Bicas-JF

Seis pessoas, quatro da mesma família, morreram em um grave acidente, na noite de sábado, no trecho da BR-267 entre Bicas e Juiz de Fora, próximo ao Floresta. Apesar da gravidade do caso, a ocorrência não foi divulgada pela Polícia Rodoviária Federal (PRF), e a Tribuna teve acesso às informações nesta terça-feira (1º), por meio de um parente das vítimas. Os familiares eram moradores da região do Santa Luzia, Zona Sul, e entre os mortos está o menino Israel Costa Fernandes, 8 anos. Segundo a tia da vítima Juliana Costa Pereira, 33, que seguia logo atrás em outro carro, a mãe da criança, Vera Lúcia Costa Fernandes, 59, também faleceu, junto com os irmãos Maria Helena Costa Gomes, 60, e Hermano de Oliveira Costa, 65.

Ainda de acordo com Juliana, os parentes voltavam de uma festa familiar em Bicas, em dois veículos Gol, quando houve uma batida por volta das 19h. Segundo ela, o automóvel em que estavam seus parentes foi atingindo lateral e frontalmente por outro carro que trafegava na direção oposta. Os dois ocupantes do segundo veículo seriam de Bicas e morreram na hora, mas a Tribuna não obteve informações sobre eles, porque até esta terça a ocorrência não havia sido concluída pela PRF.

Já o Gol da família transportava cinco pessoas. O motorista, 56, foi o único sobrevivente. Conforme Juliana, seu tio foi socorrido e, nesta terça, permanecia no CTI do Hospital Maternidade Therezinha de Jesus. No momento, ele se encontra lúcido, estado geral regular e evolução estável. A esposa dele, Maria Helena, que estava no carona, chegou a ser levada até a unidade, mas não resistiu e foi a óbito minutos após dar entrada no hospital. Vera, seu único filho Israel e seu irmão Hermano estavam no banco traseiro e morreram na hora. Os corpos foram encaminhados para necropsia no IML.

Na hora do acidente, Juliana seguia pela BR-267 dirigindo outro Gol e viu de perto a tragédia que resultou na morte de três tios e um sobrinho. "Eles estavam no veículo da frente e, quase chegando no Floresta, veio outro carro na nossa direção. Joguei para a contramão para não bater também, por sorte não vinha ninguém", contou a mulher, que levava no automóvel sua filha de 4 anos, uma irmã, 26, com o bebê de 3 meses, e a mãe delas, 54. "Sou enfermeira e ainda tentei socorrê-los, mas pensei que estivessem todos mortos, porque estavam desacordados", lamentou.

Publicidade

Publicidade

Mais comentários

Ainda não é assinante?

Compartilhe

Publicidade

Encontre um tema na

Pesquisa

Edição impressa

Enquete

Você escolhe seu candidato através de: