Publicidade

21 de Maio de 2014 - 20:13

Por Tribuna

Compartilhar
 

A Comissão de Saúde da Câmara Municipal foi impedida de realizar uma visita ao almoxarifado da empresa responsável pelo estoque de medicamentos da Secretaria de Saúde, que assumirá também a distribuição dos itens às diversas unidades do SUS no município. A vistoria aconteceria na manhã desta quarta-feira (21) por conta da falta de medicamentos na Unidade de Atenção Primária à Saúde (Uaps) do Nossa Senhora das Graças, constatada pelo vereador Noraldino Junior (PSC) na última terça-feira.

Na data, o parlamentar chegou a ir à sede da empresa, localizada no Bairro Santa Luzia, Zona Sul. Contudo, a entrada dele não foi autorizada, sob a alegação de se tratar de um estabelecimento privado. O vereador acionou a Polícia Militar e registrou um boletim de ocorrência. Em seguida, comunicou o caso aos demais vereadores. À Comissão de Saúde do Legislativo, ele também relatou a existência de denúncia de que os medicamentos estariam sendo acondicionados de forma irregular na empresa.

Diante das informações, os vereadores José Mansueto Fiorilo (PDT), Wanderson Castelar (PT), Antônio Aguiar (PMDB) e Noraldino, que integram a comissão, tentaram visitar o local, mas a entrada do grupo também não foi consentida. Castelar classificou o episódio como "constrangedor". Presidente da comissão, ele argumentou que, apesar de a empresa ser privada, os medicamentos são bens públicos. A informação é de que, após os vereadores saírem do local, a entrada foi autorizada. Contudo, no período da tarde, eles não tiveram como retornar devido a outros compromissos. Castelar assegura que será realizada uma reunião a fim de definir um posicionamento oficial da Câmara em relação ao episódio.

O subsecretário de Gestão da Secretaria de Saúde, Mariano Miranda, argumenta que a autorização para entrada na empresa é facultada pelos proprietários da mesma, já que ela é uma prestadora de serviços da Prefeitura. Ele esclarece que a empresa ainda não faz as entregas dos medicamentos. A informação é de que o estabelecimento já recebeu os itens, mas ainda trabalha na contabilização e no cadastrado em um novo sistema. Segundo Mariano, os proprietários abriram uma exceção ao autorizar a entrada dos vereadores. Ele acrescenta que a Secretaria de Saúde acompanhará o trabalho da empresa.

Publicidade

Publicidade

Mais comentários

Ainda não é assinante?

Compartilhe

Publicidade

Encontre um tema na

Pesquisa

Edição impressa

Enquete

Você acha que alertas em cardápios e panfletos de festas sobre os riscos de dirigir sob efeito de álcool contribuem para reduzir o consumo de bebidas por motoristas?