Publicidade

04 de Janeiro de 2014 - 07:00

Rachaduras e buracos impedem passagens de ônibus e caminhões de lixo

Por Eduardo Valente

Compartilhar
 
Asfalto está cedendo na Rua Tereza Nogueira dos Santos, no Ipiranga
Asfalto está cedendo na Rua Tereza Nogueira dos Santos, no Ipiranga
Na Rua Bráulio Lodron, no Fontesville, rachadura prejudica passagem de veículos
Na Rua Bráulio Lodron, no Fontesville, rachadura prejudica passagem de veículos
Rua Maria Florice dos Santos, no Três Moinhos, está fechada para o tráfego
Rua Maria Florice dos Santos, no Três Moinhos, está fechada para o tráfego

As fortes chuvas que atingiram Juiz de Fora em dezembro ainda causam reflexos em diversas regiões, onde ruas foram danificadas porque não suportaram a força das águas. Em alguns locais, o trânsito precisou ser interditado, embora parcialmente, comprometendo o funcionamento de serviços essenciais, como coleta de lixo e transporte público. Na tarde desta sexta-feira (3), a Tribuna visitou sete vias, das regiões Norte, Leste e Sul, e constatou a preocupação e indignação de moradores, principalmente porque os problemas existem há pelo menos dez dias, sem que solução tenha sido apresentada para as correções.

Um dos casos que mais chama atenção é o da Rua Maria Florice dos Santos, no Bairro Três Moinhos, Zona Leste, onde pelo menos 18 famílias temem que o restante da pavimentação caia sobre o barranco e atinja casas da Rua Diva Garcia, no Linhares, que fica abaixo. No local, parte da via, que já é estreita, está rachada e, em certo ponto, vazando água de esgoto de uma tubulação que teria se rompido há três dias, infiltrando o talude. "Está cada dia pior. Tudo começou há cerca de cinco anos, com algumas trincas, e agora o asfalto está cedendo", disse o porteiro Luciano Freitas, 30 anos. Por causa do problema, alguns moradores estão com dificuldade em estacionar os carros em suas garagens. De acordo com a assessoria de comunicação da Secretaria de Obras, aquele local está incluído no pacote de construções de muros de contenção, que está sendo executado desde abril de 2013. Além disso, a Cesama vai enviar uma equipe ao local para avaliar os outros danos. Ainda na Zona Leste, na Rua Belisário de Castro, no Grajaú, o asfalto que cedeu no final de dezembro ainda causa transtornos. A via permanece interditada para passagem de qualquer veículo. No entanto, a coleta de lixo é feita normalmente, de acordo com o aposentado Diomedes Dias, 76.

Já na Zona Norte, os transtornos são observados nas ruas Victório Justo Turola e Bráulio Lodron, no Fontesville. Nestes locais, verdadeiras crateras se formaram na pavimentação, dificultando a passagem de veículos leves e pesados. Por conta disso, o caminhão de lixo e o ônibus que atendem a região não estão cumprindo todo o itinerário, conforme os moradores. Segundo o contador Eduardo Moreira, 53, apesar dos buracos, é possível transitar nas vias. "O problema maior está no caminhão de lixo, que está descumprindo a rota em alguns dias. Fico sem saber se posso ou não colocar os sacos para fora de casa." A Empav garantiu que vai fazer uma vistoria na área na segunda-feira. Sobre a coleta de lixo, o Demlurb informou que o serviço está regular, e os coletores são orientados a entrar na rua a pé para promover o recolhimento dos detritos.

No Jardim Natal, também na região Norte, onde uma mulher morreu soterrada na Rua Miguel Marcos Peres, apenas nesta sexta a faixa de segurança foi retirada da via, que estava parcialmente interditada. No entanto, o entulho permanece no terreno atingido e também sobre a calçada. O ônibus urbano, que desviava a rota, voltou a circular nesta sexta. Entulhos também prejudicam o fluxo de automóveis na Rua Antônio Carlos da Silva, no mesmo bairro, onde montes de areia estão sendo despejados pelos moradores no asfalto. Segundo o Demlurb, uma equipe irá ao bairro neste sábado definir um cronograma para voltar a retirar o entulho na próxima semana. A atividade, que havia sido iniciada no dia seguinte do acidente, precisou ser interrompida para ações em bairros com situações mais urgentes. O departamento ainda pede que o material não seja despejado em via pública.

 

Zona Sul

No Bairro Ipiranga, região Sul, um pedaço da pavimentação afundou, causando rachaduras na pista e na calçada da Rua Tereza Nogueira dos Santos. "O asfalto está cedendo cada vez mais. A preocupação agora é com a rede de esgoto, que ficou obstruída após o asfalto afundar. Se demorarem a resolver o problema, a água vai começar a voltar pelo cano para dentro de nossas casas", lamentou o aposentado Vicente Siqueira, 70. Segundo a Cesama, uma vistoria será feita no local.

De acordo com o subsecretário de Operação Urbana da Secretaria de Obras, José Walter Ávila, durante o período chuvoso, 99% dos trabalhos realizados são voltados para emergências e apenas 1% para o planejamento. Ele informou que as atividades são realizadas a partir de uma definição de prioridades, com objetivo de interferir primeiro nas áreas onde é possível minimizar os riscos e os transtornos à população. Além disso, algumas intervenções devem ser realizadas em períodos de estiagem. "Pode acontecer de ter caído um barranco e não ser seguro tirar toda a terra do local, e por isso demoram alguns dias para que as soluções apareçam. É necessário avaliar cada caso."

Publicidade

Publicidade

Mais comentários

Ainda não é assinante?

Compartilhe

Publicidade

Encontre um tema na

Pesquisa

Edição impressa

Enquete

Você acha que o Rio vai conseguir controlar a violência até a Copa do Mundo?