Publicidade

16 de Maio de 2014 - 17:39

Por Tribuna

Compartilhar
 
Rodrigo Santiago Sebastião está sumido desde 3 de abril
Rodrigo Santiago Sebastião está sumido desde 3 de abril

O inquérito policial que investiga o desaparecimento do vendedor Rodrigo Santiago Sebastião, 22 anos, vai passar a tratar o caso como homicídio. A mudança na linha de investigação foi divulgada nesta sexta-feira (16) pelo delegado Rodrigo Rolli, que é responsável pela apuração. O rapaz, morador do Bairro Vila Ideal, na Zona Sudeste, está sumido desde o último dia 3 de abril. O carro dele, um Gol de cor azul, foi localizado pela Polícia Militar, na madrugada do dia 11 do mesmo mês, por volta das 5h, na Estrada União e Indústria, na altura do número 3.205. Segundo o boletim de ocorrência, o automóvel estava abandonado e aberto, e teria permanecido naquele local, após ter se chocado contra uma cerca, pois o condutor teria perdido o controle direcional em uma curva.

Ainda conforme o documento policial, foi realizado rastreamento para localização do motorista, mas não houve êxito, e, até esta sexta, a polícia não tinha informações sobre o paradeiro do vendedor. Nessa semana, conforme Rodrigo Rolli, mais duas pessoas foram ouvidas no inquérito. Uma delas é o vigia de um posto de combustível, onde Rodrigo teria deixado os outros ocupantes do veículo antes de sumir. Também foi ouvido um homem que reside a cerca de 50 metros do local onde o carro foi encontrado. Conforme o delegado, ele disse não ter escutado barulho de batida de veículo ou de pedido de socorro. "Também solicitamos à perícia o exame chamado de luminol, a fim de verificar vestígios de sangue dentro do carro que possam ser da vítima ou de terceiros, com o objetivo de direcionar melhor nossa investigação", afirmou Rolli.

Ao longo do inquérito, já foram ouvidos os três amigos de infância da vítima, que estavam com ela no carro. "Eles contaram que Rodrigo tinha recebido dinheiro de uma rescisão contratual e, naquela noite, teriam saído a fim de gastar o dinheiro. Os rapazes foram as três últimas pessoas que tiveram contato com a vítima", relatou o policial, explicando que, a partir de agora, o direcionamento da investigação é de crime de homicídio, deixando para trás linha de desaparecimento, em função do tempo do sumiço e pelo motivo de Rodrigo ser um rapaz que tinha bom relacionamento com os parentes. "Com tudo o que temos até agora, não há indícios de que ele estivesse insatisfeito com a família ou quisesse desaparecer".

No dia em que o automóvel do vendedor foi localizado, a mãe dele, Núbia de Fátima Santiago Sebastião, 39, relatou que o filho saiu de casa, no dia 3 de abril, por volta das 19h. "Ele avisou que iria sair de novo, para ir até a academia de musculação onde malhava, no Centro. Foi de carro e, desde então, está desaparecido", contou a mulher na época.

Publicidade

Publicidade

Mais comentários

Ainda não é assinante?

Compartilhe

Publicidade

Encontre um tema na

Pesquisa

Edição impressa

Enquete

Você acha que alertas em cardápios e panfletos de festas sobre os riscos de dirigir sob efeito de álcool contribuem para reduzir o consumo de bebidas por motoristas?