Publicidade

23 de Abril de 2014 - 19:32

Por Tribuna

Compartilhar
 
Fiéis foram agradecer bênçãos e pedir a proteção do santo guerreiro
Fiéis foram agradecer bênçãos e pedir a proteção do santo guerreiro

São Jorge, o mártir cristão, foi celebrado nesta quarta-feira (23) pelos católicos na Igreja Melquita. Centenas de fiéis se aglomeraram, tomando o interior e a área externa do templo. Todos queriam tocar na imagem do santo guerreiro, que ficou repleta de flores e pedidos. A maior parte dos homens e mulheres presentes na missa das 15h vestia a cor vermelha, que simboliza o sangue do santo.

"O vermelho é a cor do martírio. São Jorge representa um modelo de santidade sempre atual, até porque, sua imagem é sugestiva: um soldado romano, com a armadura do cristão, o capacete da salvação, o cinturão da verdade e a espada do espírito, que é a palavra de Deus. A popularidade do santo é grande, pois o cristão se identifica a ele, em função da luta de vida e do uso da palavra de Deus para vencer os dragões diários, os males que se opõem à vida humana", explica o monsenhor João Carlos Teodoro, sacerdote da Melquita.

Entre as pessoas que estiveram na missa, muitas foram agradecer pelas graças alcançadas. O vigia Luiz Batista Rosa, 54 anos, por exemplo, é devoto há mais de 20 anos, quando recorreu à São Jorge para conseguir um emprego. "Desde então, nunca mais fiquei desempregado. Todos os anos, venho à missa para agradecer pela saúde e harmonia em casa. Além disso, há oito anos, graças ao santo, também consegui largar o cigarro e a bebida, vícios que cultivei por 25 anos."

A cozinheira Maria de Fátima Mattos Paiva, 58, faz homenagens ao guerreiro desde a infância, por influência de sua mãe. "Agradeço diariamente pelas graças que peço, como saúde e uma vida tranquila. Em São Jorge, renovo minha fé todos os dias." Ao final da cerimônia, os fiéis levantaram as chaves de suas casas e de seus automóveis, terços, medalhas do santo, fotos de pessoas, entre outros objetos, que receberam benção e proteção.

São Jorge nasceu na Ásia Menor, hoje Capadócia, e pertenceu a um grupo de militares do Império Romano Diocleciano, que perseguia os cristãos. Ao renunciar a esta vida, Jorge passou a dedicar-se a Jesus, sendo perseguido, preso, ameaçado e morto no ano 303. São Jorge é considerado padroeiro de muitos países pelo mundo, e no Brasil, é patrono dos escoteiros e da cavalaria do Exército Brasileiro.

Publicidade

Publicidade

Mais comentários

Ainda não é assinante?

Compartilhe

Publicidade

Encontre um tema na

Pesquisa

Edição impressa

Enquete

Você acha que o subsídio do Governo vai alavancar a aviação regional?