Publicidade

06 de Junho de 2014 - 16:17

Polícia Ambiental agiu em rede de supermercado após denúncia de venda do produto sem selo de origem

Por Tribuna

Compartilhar
 

Atualizada às 20h40

Policiais da 4ª Companhia Independente de Meio Ambiente e Trânsito da Polícia Militar (4ª Cia IndMat) apreenderam, na manhã desta sexta-feira (6), mais de dez mil quilos de carvão vegetal sem o selo de origem, que é regulado pelo Instituto Estadual de Florestas (IEF). Os produtos foram encontrados durante a operação "Diamante negro" em todos os nove supermercados da rede. Nove gerentes dos estabelecimentos foram presos por crime ambiental. 

De acordo com o tenente Aloísio Vargas, os militares chegaram aos locais após denúncia da Secretaria de Meio Ambiente. "Depois disso, começamos nossos levantamentos e hoje (sexta-feira) 20 militares, em sete viaturas, se deslocaram para os pontos. Em uma ação simultânea, constatamos as irregularidades. Em cinco estabelecimentos, encontramos o carvão já exposto para a venda e em depósito, e, nos outros quatro, o material estava somente no depósito."  

Segundo o militar, o carvão sem selo foi encontrado em quatro lojas do Centro, em uma no Bairro São Pedro, na Cidade Alta, e em outra no Cascatinha, Zona Sul. O material irregular também estava em um estabelecimento no Bairro Santa Terezinha, Zona Nordeste, e em dois na região Norte, nos bairros São Dimas e Nova Era. 

Conforme o oficial, os produtos apreendidos eram de uma mesma marca e tinham origem paulista. No total, a PM encontrou 10.637kg do produto, e a empresa foi multada em R$ 25.256, 98. Os responsáveis por cada loja foram conduzidos para a delegacia, onde assinaram termo circunstanciado de ocorrência (TCO) e foram liberados. Os sacos de carvão ficaram depositados nas lojas, já que o IEF não possui um local para armazenar o material. 

Em nota, a assessoria de comunicação da rede de supermercado informou que "está tomando todas as providências necessárias para atender a legislação local para que sua mercadoria possa ser comercializada legalmente na cidade. Informamos que está suspensa a comercialização dos produtos deste fornecedor em nossas lojas na cidade, sem mercadoria disponível em nossos salões de vendas, até que seja comprovada a regularização perante os órgãos competentes".

Publicidade

Publicidade

Mais comentários

Ainda não é assinante?

Compartilhe

Publicidade

Encontre um tema na

Pesquisa

Edição impressa

Enquete

Você concorda com a retirada das pinturas de Lucio Rodrigues dos pontos de ônibus?