Publicidade

11 de Março de 2014 - 06:00

Policiais revidaram e conseguiram deter os dois jovens

Por Sandra Zanella (colaborou Marcos Araújo)

Compartilhar
 

Dois jovens, de 19 e 20 anos, furaram um bloqueio montado pela Polícia Militar e ainda dispararam contra os policiais, na madrugada desta segunda-feira (10), na Avenida Presidente Costa e Silva, no São Pedro, Cidade Alta. Militares que faziam a barreira para interceptar o Fiat Palio suspeito não chegaram a ser alvejados e revidaram os tiros, acertando os pneus do veículo ocupado pela dupla, que acabou presa, cerca de 300m depois, na Rua José Lourenço Kelmer. A ocorrência chamou atenção pela ousadia dos rapazes que, além de ultrapassarem o cerco em alta velocidade, usaram um revólver calibre 38 contra os PMs. Ao lado de outras situações vivenciadas no município no último mês, o caso traz à tona a questão do destemor de bandidos diante da polícia.

No dia 21 de fevereiro, a PM foi surpreendida com paus, pedras e tiros e precisou usar bomba de efeito moral, munições de borracha e bastões para conter a agressividade de moradores da Vila Bejani, no Jardim Natal, Zona Norte. Três dias depois, a corporação encontrou ambiente hostil na Vila Esperança II, na mesma região. A população fechou dois acessos ao bairro com barricadas para protestar pelo fato de um morador, 19, ter sido ferido pela PM com tiro de borracha após desobedecer e tentar atacar os policiais a socos e chutes.

Os casos de enfrentamento à polícia têm se tornado mais frequentes e, desta vez, aconteceu em uma das principais vias da Cidade Alta. Segundo o boletim de ocorrência, por volta das 3h30, militares em patrulhamento receberam denúncia de que dois homens haviam deixado uma casa noturna exibindo armas e embarcado no Palio azul, seguindo pela Costa e Silva no sentido bairro/Centro. Imediatamente, a PM fez o cerco com viaturas e giroflex ligados próximo ao número 1.533. Quando o carro procurado se aproximou, o condutor recebeu voz de parada, mas não obedeceu, furou o bloqueio em alta velocidade, enquanto o carona atirou contra dois militares do Tático Móvel. A PM revidou, alvejando a lataria e os pneus do veículo. Um dos disparos feitos pelos suspeitos atingiu a parede de um curso de inglês. Na perseguição, o revólver calibre 38 usado pela dupla foi dispensado pela janela. Depois de apreender a arma, os policiais viram que, além da munição deflagrada e três intactas, duas estavam picotadas, levantando indícios de que o atirador teria tentado disparar mais duas vezes.

Ao ser abordada, a dupla resistiu à prisão e precisou ser algemada. O carona ainda fez ameaças de morte aos militares. Os suspeitos foram levados para a 1ª Delegacia Regional de Polícia Civil. Em depoimento, confirmaram o disparo, mas alegaram que o mesmo havia sido feito para o alto. Os jovens, moradores de bairros da Zona Leste, ainda disseram que estavam armados porque haviam ido a uma festa onde haveria integrantes de gangue rival. Os dois tiveram o flagrante confirmado por tentativa de homicídio e por porte ilegal de arma. O motorista, 19, que era inabilitado, ainda foi autuado por direção perigosa, e o comparsa pelo crime de ameaça. A dupla foi encaminhada ao Ceresp, onde ficou à disposição da Justiça.


Mulher baleada e policiais agredidos

Em outra ocorrência registrada no domingo no Bairro Santa Rita, Zona Leste, uma mulher de 45 anos foi baleada, e policiais acabaram agredidos a socos e chutes depois de localizarem suspeitos do crime. A Polícia Militar ainda teve uma viatura danificada ao atender o caso, que envolveu mais de dez disparos em via pública. A confusão foi mais um exemplo de enfrentamento a militares e aconteceu por volta das 12h30, na Rua Otávio Pereira Torres. Segundo o boletim de ocorrência, a vítima foi alvejada ao tentar impedir que um jovem, 20, e um adolescente, 17, fossem baleados por dois homens, ambos armados com revólveres. Os dois rapazes que seriam alvos dos tiros escaparam ilesos. Já a mulher foi ferida na mão e na coxa direita. Ela foi socorrida pelo Samu e encaminhada ao Hospital e Maternidade Therezinha de Jesus, onde permaneceu internada.

A PM foi acionada e, em rastreamento no Nossa Senhora Aparecida, na mesma região, encontrou dois suspeitos, de 25 e 33 anos, na Rua Antônio Meurer. A dupla resistiu à prisão, xingou os policiais e acabou detida por desobediência e desacato. Em seguida, surgiu uma jovem, 19, na companhia de outro rapaz. O casal desferiu socos e chutes contra os policiais e a viatura, que ficou amassada. O agressor escapou em meio ao tumulto. Já a mulher foi contida e presa por dano e desacato. Antes de ser levada à 1ª Delegacia Regional de Polícia Civil, ela foi medicada no HPS por ter sofrido um corte no lábio. A viatura danificada passou por perícia.

O assessor de comunicação da 4ª Região da Polícia Militar (4ª RPM), major Edmar Pires, informou que os três fatos de confrontos envolvendo a PM na cidade, citados acima, tratam-se de questões sem conexões. Em nota, ele afirmou que "tais fatos não estão relacionados ao desrespeito à instituição, mas a motivos peculiares e imprevisíveis. Neste contexto, a Polícia Militar continua adotando e intensificando, cada vez mais, suas medidas preventivas e repressivas, com prontas respostas à sociedade a fim de garantir a ordem pública e coibir tais delitos. Relembramos que a população tem que possuir respeito pela Polícia Militar e não medo.Reforçamos ainda que o indivíduo que vive às margens da lei pode ter a certeza de que a Polícia Militar está pronta para coibir as ações criminosas e realizar as intervenções necessárias."

Publicidade

Publicidade

Mais comentários

Ainda não é assinante?

Compartilhe

Publicidade

Encontre um tema na

Pesquisa

Edição impressa

Enquete

Você está evitando contrair dívidas maiores em função da situação econômica do país?