Publicidade

20 de Março de 2014 - 19:26

Por Tribuna

Compartilhar
 

A falta de acessibilidade no espaço urbano, as dificuldades no avanço de políticas públicas, os diretos conquistados e o repasse de investimentos para o município foram alguns dos pontos discutidos nesta quinta-feira (20) durante encontro que reuniu lideranças populares e representantes do Conselho Municipal da Pessoa com Deficiência. O debate foi presidido pelo secretário Nacional de Promoção dos Direitos Humanos da Pessoa com Deficiência, Antônio José Ferreira.

O secretário falou sobre a implementação do programa "Viver sem limites - Plano Nacional dos Direitos da Pessoa com Deficiência", lançado pelo governo Federal em 2011, que traz um conjunto de políticas públicas estruturadas em quatro eixos: acesso à educação, inclusão social, atenção à saúde e acessibilidade. No ano passado, 1.500 municípios foram incorporados ao projeto, mas a relação não inclui Juiz de Fora.

Conforme Antônio José, em torno de R$ 7 bilhões já foram investidos. "Para 2015, estamos planejando um aporte maior de verba, com o objetivo de melhorar a mobilidade das pessoas com deficiência e dos outros cidadãos", afirma Antônio. "Trabalhamos também no desenvolvimento de tecnologias de assistência para garantir que pessoas com deficiência tenham acesso a equipamentos e serviços que possam melhorar suas vidas. No projeto 'Minha casa, minha vida', há 1,5 milhão de moradias contratadas com acessibilidade."

Sobre a possibilidade de Juiz de Fora fazer parte do projeto, o secretário se colocou à disposição para firmar as parcerias. "Não temos feito muitas ações com a cidade, porque precisamos de uma aproximação maior do governo Federal com o município, de modo que os recursos sejam captados e devidamente investidos."

Publicidade

Publicidade

Mais comentários

Ainda não é assinante?

Compartilhe

Publicidade

Encontre um tema na

Pesquisa

Edição impressa

Enquete

Você leva em consideração a escolaridade do candidato na hora de votar?