Publicidade

09 de Dezembro de 2013 - 21:04

Por Tribuna

Compartilhar
 
Cartazes com protestos foram pregados na parede
Cartazes com protestos foram pregados na parede

Ainda sob um clima de insegurança, as aulas foram retomadas, na manhã desta segunda-feira (9), na Escola Municipal Doutor Antonino Lessa, no Bairro Santa Efigênia, na Zona Sul. As atividades estavam suspensas desde a última quinta-feira em consequência de agressões cometidas contra a diretora e uma professora. De acordo com a direção, cerca de 40% dos estudantes da manhã faltaram. No último dia 5, as vítimas foram agredidas a pauladas, chutes e socos pela tia de um dos alunos. A mulher ainda teria jogado pedras no colégio e quebrado o vidro da porta de entrada com um pedaço de madeira. Nesta segunda, era possível ver cartazes pregados na parede com os seguintes dizeres: "Luto", "Chega de violência", "Santa Efigênia nos ajude a salvar nossa escola" e "Autoridades não abandonem nossa escola".

"Estamos retomando as atividades de forma apreensiva", afirmou a vice-diretora, Adriana Teixeira de Carvalho, ressaltando que, durante a manhã, a escola recebeu ligações de pais querendo saber sobre o retorno das aulas e acerca da questão da segurança. A coordenadora pedagógica do período da manhã, Silvia Maria Vieira, informou que cerca de cem alunos, num universo de 250 matriculados no período, faltaram nesta segunda.

Segundo a vice-diretora, uma secretária e uma professora entraram de licença médica em função do ocorrido. Além disso, a diretora e a professora agredidas ainda não retomaram suas atividades. "A escola também já sofreu com casos de depredação a patrimônio", declarou Adriana.

Na última sexta-feira, um e-mail escrito por ela, em nome dos professores, foi entregue à Secretaria de Educação. De acordo com o titular da pasta, Weverton Vilas Boas, o documento informa que os professores se recusariam a dar aulas caso os alunos envolvidos voltassem a frequentar a escola. "Estamos ciente que a situação é grave. Mas não podemos de forma nenhuma privar uma criança do direito a educação. Não vamos agir na ilegalidade. Por isso, agendamos uma reunião na Vara da Infância para saber como proceder diante de tal ocasião. Além disso, uma audiência foi marcada para o dia 23 de janeiro, no Juizado Especial Criminal, para os agressores do caso."

A instituição oferece o ensino fundamental nos períodos da manhã, tarde e noite a 540 estudantes. "A gente fica com um pouco de medo, mas não posso ficar faltando aula. A gente pede que as autoridades mandem mais segurança para nós", disse uma aluna de 11 anos. As aulas perdidas serão respostas.

 

Guarda Municipal

A secretária de Administração e Recursos Humanos, Andréia Goreske, afirmou que a Guarda Municipal já começou a atuar no entorno do colégio. "Serão feitas rondas diárias de manhã e de tarde, nos horários de entrada e saída, por guardas municipais. Além disso, a Polícia Militar também estará presente. Outra medida que vamos fazer é introduzir a escola na programação do Gape - 'Guardas no apoio e prevenção nas escolas', projeto organizado e coordenado pelo Setor de Capacitação da Guarda Municipal -, reforçando os trabalhos de prevenção na escola."

Publicidade

Publicidade

Mais comentários

Ainda não é assinante?

Compartilhe

Publicidade

Encontre um tema na

Pesquisa

Edição impressa

Enquete

Você acha que o Rio vai conseguir controlar a violência até a Copa do Mundo?