Publicidade

05 de Maio de 2014 - 20:54

Por Tribuna

Compartilhar
 

Onze pessoas morreram nas estradas da região durante o feriado prolongado do Dia do Trabalho. O aumento foi significativo na comparação com o recesso da Semana Santa/Tiradentes, que teve um dia a mais de folga e cinco mortes. Conforme os balanços da Polícia Rodoviária Federal (PRF) e da 4ª Companhia Independente de Meio Ambiente e Trânsito Rodoviário (4ª CiaIndMAT), houve queda de 73 para 58 no número de ocorrências. Já o fluxo de veículos apresentou aumento de 25% a 30%.

Durante a operação "Dia do Trabalho", entre a noite de terça-feira e meia-noite de domingo (4), a PRF contabilizou 21 acidentes nos trechos da BR-267 e da BR-040 que integram a Delegacia de Juiz de Fora. Foram dez ocorrências com vítimas, sete sem vítimas e quatro com mortes. Ao todo, foram 19 feridos e nove óbitos. O inspetor Armstrong de Carvalho avalia que a violência nas estradas esteja relacionada à imprudência dos motoristas. "Boa parte dos acidentes com morte foi decorrente de colisão frontal em pontos da estrada onde a ultrapassagem não é permitida." Foram realizados 344 testes de etilômetro, e duas pessoas foram presas por dirigir sob efeito de álcool.

Já nas rodovias estaduais, a 4ª CiaIndMAT registrou 37 acidentes e 34 vítimas, sendo que duas morreram em virtude de colisões frontais. A primeira morte aconteceu na tarde de quarta-feira, na MG-353, entre Piraúba e Guarani, e a segunda, na manhã de sábado, na MG-447, entre Leopoldina e Cataguases. Segundo o assessor de comunicação da 4ª Cia Ind.Mat, sargento Marcelo Mirandela, boa parte dos acidentes foi causada por falta de atenção ao volante e desrespeito às normas de trânsito. Ao todo, 2.530 veículos foram vistoriados e 16 deles, apreendidos. Quatorze testes de etilômetro foram realizados e cinco pessoas foram presas por embriaguez.

Publicidade

Publicidade

Mais comentários

Ainda não é assinante?

Compartilhe

Publicidade

Encontre um tema na

Pesquisa

Edição impressa

Enquete

Você acha que os resultados do programa "Olho vivo" vão inibir crimes nos locais onde estão as câmeras?