Publicidade

21 de Junho de 2014 - 06:00

Acidente fatal ocorreu na BR-040 na noite de quarta-feira. Operações especiais das polícias só terminam na segunda-feira

Por Tribuna

Compartilhar
 

O juiz-forano não se animou a pegar estrada nesse feriado prolongado de Corpus Christi. Segundo as polícias rodoviária estadual e federal, o movimento está 20% acima da média, enquanto em outros feriados do ano, como o da Semana Santa, comemorada em abril, o trânsito ficou cerca de 40% maior em relação aos dias normais, o dobro do que aconteceu até agora. E apesar de o fluxo não estar tão intenso, o feriadão começou violento na BR-040, onde, no final da noite de quarta-feira, dia 18, uma mulher de 39 anos morreu na hora depois que o veículo onde ela estava foi atingido de frente por um carro que invadiu a contramão. A batida, ocorrida na altura do Km 771, também deixou em estado grave o filho da vítima, um adolescente de 17 anos, que está internado em Juiz de Fora. Um terceiro passageiro do veículo, um homem de 47 anos, também precisou de atendimento, mas está estável. Na hora do desastre, registrado às 23h15, os três seguiam em um Renault em direção a Belo Horizonte, quando o Toyota que trafegava de Santos Dumont para Juiz de Fora atingiu a pista contrária. Apesar da gravidade da batida, o condutor do Toyota, 34 anos, não sofreu ferimentos. O estado de saúde das vítimas não pôde ser atualizado, já que o nome dos envolvidos não foi divulgado pelos agentes.

De acordo com o inspetor da Polícia Rodoviária Federal, Armstrong de Carvalho, até o momento, esse foi o único caso de acidente com óbito nas estradas federais que cortam a região. "No mais, não percebemos nenhuma alteração significativa no trânsito", disse, nesta sexta-feira (20), durante o esquema especial de fiscalização, montado desde quinta-feira. A operação se estende até o domingo e tem o objetivo de tentar reduzir os riscos na rodovia. No trecho que liga Juiz de Fora ao Rio de Janeiro, a Concer, concessionária responsável pela administração do trecho, também montou esquema especial para evitar retenções nos pedágios, com a manutenção de equipes papa-filas. Mesmo com o fluxo menor, a expectativa era que 350 mil carros trafegassem pelo trecho, em direção à capital fluminense, até o domingo.

Já na malha estadual, fiscalizada pela 4ª Companhia Independente de Meio Ambiente e Trânsito Rodoviário (4ª Cia.Ind.Mat.), responsável pelas estradas que cortam Juiz de Fora e outros 86 municípios do entorno, a operação especial só termina na manhã de segunda-feira. De acordo com a polícia, os pontos mais críticos estão na MG-353, principalmente entre Juiz de Fora e Coronel Pacheco, devido ao traçado estreito e sinuoso, e também na MG-133, entre Coronel Pacheco e Rio Pomba.

Publicidade

Publicidade

Mais comentários

Ainda não é assinante?

Compartilhe

Publicidade

Encontre um tema na

Pesquisa

Edição impressa

Enquete

Você aprova o retorno de Dunga para o comando da Seleção Brasileira?