Publicidade

17 de Julho de 2014 - 14:17

Por Tribuna

Compartilhar
 
Incêndio no São Bernardo ocorreu em mata ao lado de condomínio
Incêndio no São Bernardo ocorreu em mata ao lado de condomínio
Bombeiros trabalharam cerca de 3 horas para controlar fogo no São Bernardo
Bombeiros trabalharam cerca de 3 horas para controlar fogo no São Bernardo

Atualizada às 20h58

Um incêndio em vegetação, no início da tarde desta quinta-feira (17), assustou os moradores de um condomínio de 12 prédios conhecido como "Minhocão", no Bairro São Bernardo, região Leste. O fogo, que se alastrou em uma mata abaixo das edificações, consumiu uma área extensa e só foi controlado com a chegada do Corpo de Bombeiros. Oito homens e dois caminhões de combate a incêndio, com capacidade para armazenar 15 mil litros de água, foram utilizados nos trabalhos, que durou aproximadamente três horas. Dentro dos apartamentos, famílias viveram momentos de pânico, principalmente porque a fumaça, intensa, ocupou os imóveis e atrapalhou a visibilidade dos moradores. Quem estava dentro não tinha noção de onde o fogo estava e nem a sua proporção, e a impressão era de que os prédios seriam consumidos pelas chamas.

Conforme os Bombeiros, entre quarta e sexta-feira, quatro ocorrências de incêndio em vegetação foram registradas. Além do São Bernardo, foram atendidas solicitações nos bairros Aeroporto, na Cidade Alta, e Parque Guarani e Grama, na região Nordeste. Na tarde desta quinta, a Tribuna também flagrou incêndios no Granbery, região central, e no Dom Bosco, na Cidade Alta.

Moradora do bloco L do "Minhocão", a fotógrafa Andrea Machado, 35 anos, disse que precisou sair do apartamento com uma toalha molhada na boca para evitar ser intoxicada. "Peguei o que estava na minha frente, como notebook, contratos de clientes, documentos e equipamentos de trabalho. Quando estava segura, comecei a registrar imagens do incêndio. Também vi muitos idosos e crianças indo em direção à rua. Antes de os bombeiros chegarem, os moradores auxiliaram no combate ao fogo, usando extintores existentes em cada bloco", informou, dizendo que seus familiares vivem no local há mais de 20 anos, e ela não se recorda de situações semelhantes na área. "É uma pena, porque a mata era muito bem cuidada pelo nosso jardineiro. Também tinham muitos macaquinhos e pássaros no local."

Conforme o assessor de comunicação do 4º Batalhão de Bombeiros Militar (4º BBM), capitão Marcos Moreira Santiago, ainda não se sabe as causas do incêndio. No entanto, ele garantiu que, apesar do susto, nenhum dano material foi registrado nos imóveis. 

Segundo ele, ocorrências de queimadas são frequentes nesta época do ano, sendo causadas, principalmente, pela associação de ventos, baixa umidade do ar e longos períodos de estiagem. "Em alguns dias, atendemos até dez chamados desta natureza. Às vezes, precisamos até fazer uma triagem, priorizando as ocorrências nas quais a propagação do fogo ameaça residências." De acordo com o Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet), nesta quinta a umidade chegou aos 45% no período da tarde, com rajadas de ventos superiores a 25 quilômetros por hora. Em Juiz de Fora, não chove desde a última sexta-feira. 

 

Outros incêndios

No momento em que a Tribuna registrava o incêndio no São Bernardo, outras duas cortinas de fumaça chamaram a atenção da equipe. Uma delas vinha do Bairro Granbery, na Rua Professora Carolina Coelho. No local, que é via de acesso ao IML, parte de um lote já havia sido tomado pelo fogo, enquanto outro era consumido por altas labaredas. Situação semelhante foi observada na altura do Dom Bosco, em uma área entre o Morro do Imperador e a UFJF. Por volta das 16h, a intensidade das chamas já era baixa, mas estava perto do local onde houve plantio de mudas, nas proximidades do novo prédio do Instituto de Ciências Humanas (ICH).

Publicidade

Publicidade

Mais comentários

Ainda não é assinante?

Compartilhe

Publicidade

Encontre um tema na

Pesquisa

Edição impressa

Enquete

Você acha que alertas em cardápios e panfletos de festas sobre os riscos de dirigir sob efeito de álcool contribuem para reduzir o consumo de bebidas por motoristas?