Publicidade

18 de Março de 2014 - 13:45

Por Tribuna

Compartilhar
 
Audiência pública foi requerida pelo vereador Jucelio Maria (PSB)
Audiência pública foi requerida pelo vereador Jucelio Maria (PSB)
População levou cartazes para protestar
População levou cartazes para protestar

Atualizada às 21h39

Moradores, comerciantes e empreendedores do Dom Bosco, na Cidade Alta, se reuniram nesta terça-feira (18) na Câmara Municipal para discutir o futuro do terreno da antiga Curva do Lacet. A audiência pública foi requerida pelo vereador Jucelio Maria (PSB) e serviu também para debater a instalação de uma unidade de atenção primária à saúde (Uaps) no bairro. Por lei, o terreno da Curva do Lacet deveria ser destinado a uma área de lazer. No entanto, a construção de uma praça é questionada pelos próprios moradores.

Segundo o secretário de Governo, José Sóter de Figueirôa, o projeto arquitetônico da praça na Curva de Lacet já está pronto, porém, depende de captação de recursos. Ele relatou que há quem diga que hoje o projeto não atende mais à comunidade do Dom Bosco, devido à distância. "O fluxo para as crianças atravessarem para ir ao local agora está difícil, eu mesma evito ir a pé, pois acho perigoso demais", comenta a moradora Maria Inês Raposo. 

Conforme Figueirôa, está em análise uma proposta alternativa: a criação de uma área de lazer próxima à creche que está sendo erguida no bairro. "A praça ao lado da creche está prevista em um projeto chamado Plano Multissetorial Integrado (PMI), um recurso que ajuda várias áreas da cidade. Mas infelizmente, a empresa vencedora da licitação (responsável pela construção da creche) teve problemas. Isso significa para nós um retrocesso, mas já estamos retomando. O Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) está aprovando novas licitações. A retomada começará em abril", esclareceu a secretária de planejamento e gestão, Beth Jucá.     

Segundo ela, por este ser um ano eleitoral, é necessário iniciar os trabalhos até junho, de modo que não fiquem pendentes. "O dinheiro para as obras está previsto, mas ainda não está garantido, nós temos um trabalho burocrático muito grande."

 

Uaps 

A construção da Uaps do Dom Bosco está pendente há quase dez anos e é atualmente uma das principais demandas da comunidade. Na audiência pública, Figueirôa noticiou que o Grupo Monte Sinai será responsável pela execução da obra, incluindo projeto e custos. Já a Prefeitura ficará responsável pela demolição do imóvel que ocupa o terreno onde será instalada a nova unidade e a terraplanagem. As obras devem começar em abril e terminar em um ano. O termo de compromisso com o Monte Sinai será assinado na próxima semana. 

Durante o encontro também foram apontados problemas nas áreas de transporte. 

Publicidade

Publicidade

Mais comentários

Ainda não é assinante?

Compartilhe

Publicidade

Encontre um tema na

Pesquisa

Edição impressa

Enquete

Você é a favor de fechamento de pista em trecho da Avenida Rio Branco para ciclovia nos fins de semana?