Publicidade

29 de Janeiro de 2014 - 12:38

Por Tribuna

Compartilhar
 
Vítima foi arrastada por cerca de 50 metros até uma ponte, de onde foi jogada para o córrego
Vítima foi arrastada por cerca de 50 metros até uma ponte, de onde foi jogada para o córrego

Atualizada às 20h25

Um homem de 36 anos foi brutalmente assassinado com golpes de caco de vidro e pedradas na estrada vicinal do Caracol, entre os bairros São Damião e Nova Benfica, Zona Norte. De acordo com a Polícia Militar, a suspeita é de que o crime aconteceu entre a noite de terça-feira e a madrugada desta quarta-feira (29), mas o corpo de Wenderson Campos Barbosa só foi encontrado pela manhã dentro de um córrego que corta a via, embaixo de um viaduto da BR-040. Rastros de sangue revelaram, segundo a polícia, que a vítima teria sido atacada às margens da linha férrea, onde foi encontrada uma blusa dela e um caco de vidro pontiagudo sujo de sangue. Já ferido, o homem ainda foi arrastado por mais de 50 metros pelos trilhos até a ponte de onde teria sido jogado dentro do curso d'água. 

O corpo foi visto por populares no trecho do córrego onde a profundidade é de cerca de meio metro. "Viemos fazer o resgate e constatamos que a vítima, caída em decúbito ventral no leito, tinha perfurações na jugular e face", contou o sargento do Corpo de Bombeiros Felipe Barros. Os militares da corporação removeram o cadáver até a margem para a realização da perícia pela Polícia Civil. Além de um corte profundo no pescoço, Wenderson apresentava ferimentos e cacos de vidro no rosto e lesões na cabeça supostamente provocadas pelas pedradas. Investigadores da Delegacia Especializada de Homicídios e Antidrogas também estiveram no local, enquanto várias viaturas da Polícia Militar foram mobilizadas no registro da ocorrência e rastreamento em busca de suspeitos. 

À tarde, as polícias Civil e Militar receberam informação de que um adolescente, 17, e outros três suspeitos estariam carregando um corpo pela linha férrea por volta das 4h. O jovem foi localizado e apreendido e, até o fechamento da edição, prestava depoimento na Delegacia de Homicídios. Os outros três envolvidos foram identificados, mas não haviam sido encontrados até a noite desta quarta.

 Emboscada

De acordo com o assessor de comunicação do 27º Batalhão da PM, capitão Jean Michel Amaral, a suspeita é de que a vítima tenha sido alvo de uma emboscada. "Percebemos que ela foi trazida para cá para ser morta. Pode ter sido, por exemplo, convidada para fazer uso de drogas no local", disse o oficial. "Tivemos informações de que essa pessoa já sofria ameaças. Há mais ou menos dois anos, tentaram matá-la a tiros, mas não sabemos se essa desavença tem relação", completou. No trajeto pelo qual Wenderson foi arrastado havia marcas de sangue em cacos de vidros, pedras, trilhos e até na mureta da ponte. Na linha férrea também foi encontrado um chinelo que pertenceria a ele. "Provavelmente, o crime foi cometido por mais de uma pessoa, porque conseguiram arrastá-lo por muitos metros", observou o capitão. 

Um dos irmãos de Wenderson, o pintor Wodson Campos Barbosa, 31, contou que foi informado no trabalho sobre a morte. Aparentemente abalado, ele não soube informar o que teria motivado o assassinato e disse ter ficado chocado com a violência. Segundo ele, o irmão morava na Vila Esperança I, também na Zona Norte, não era casado, mas deixou seis filhos, com idades entre 2 e 15 anos. "Ele era caminhoneiro, mas, atualmente, estava fazendo serviço de carro e moto. O corpo foi removido e encaminhado para necropsia no Instituto Médico Legal (IML). 

 13º homicídio

A morte brutal de Wenderson foi a 13ª em decorrência de crimes na cidade apenas nos primeiros 29 dias de 2014. O número já ultrapassa a média de 11 casos por mês de 2013, ano em que 139 pessoas perderam a vida de forma violenta, 14 só em janeiro. Oito das ocorrências deste mês foram registradas em um curto espaço de tempo, entre os dias 20 e 29, período em que houve, praticamente, um homicídio por dia. Um desses assassinatos causou comoção na cidade por vitimar o presidente da Câmara de Dirigentes Lojistas de Juiz de Fora (CDL/JF), Vandir Domingos da Silva, 63 anos. 

Agredido primeiramente com uma ama artesanal conhecida como chuço, ele foi morto com quatro tiros, na manhã de segunda-feira, em um estacionamento rotativo na parte baixa da Rua Marechal Deodoro, Centro. Menos de nove horas depois do crime, o suspeito do assassinato, Alex Sandro Furiati, 34, se entregou à polícia no 27º Batalhão da PM, na Zona Norte.

Publicidade

Publicidade

Mais comentários

Ainda não é assinante?

Compartilhe

Publicidade

Encontre um tema na

Pesquisa

Edição impressa

Enquete

Você já presenciou manifestações de intolerância religiosa?