Publicidade

23 de Maio de 2014 - 07:00

Por Marcos Araújo

Compartilhar
 

O homem acusado de ter estuprado, agredido e roubado uma técnica em enfermagem de 25 anos, quando ela seguia para o trabalho, foi condenado a 11 anos e quatro meses de prisão. A sentença foi divulgada na última quarta-feira (21), em audiência presidida pela juiz Paulo Tristão Machado, titular da 3ª Vara Criminal de Juiz de Fora, depois de quatro meses da ocorrência do crime. O réu Carlos Victor de Jesus foi denunciado pelo Ministério Público por causar constrangimento à vítima mediante violência e grave ameaça exercida com o uso de canivete, permitindo que ele, sem consentimento, praticasse com ela conjunção carnal e outros atos libidinosos. Além do estupro, Carlos Victor foi denunciado por ter roubado o celular e a bolsa da enfermeira.

O crime foi registrado no dia 5 de janeiro de 2014, por volta das 6h30, na Rua da Bahia, no Bairro Poço Rico, na região Sudeste. De acordo com a denúncia, a vítima, que tem 25 anos, se dirigia a pé para o hospital onde trabalha, quando foi abordada pelo acusado. Ele colocou o canivete no pescoço dela e mandou que ficasse quieta. Em seguida, o abusador a segurou pelas costas e a obrigou a caminhar até um campo, próximo a um matagal. Ele abriu o zíper da própria calça, exibiu o pênis e obrigou a vítima a praticar sexo oral. Posteriormente, obrigou a técnica em enfermagem a se deitar no chão e, à força, manteve sexo com ela.

Conforme o inquérito, neste momento, o canivete quebrou, e o denunciado desferiu dois chutes no rosto da mulher. Ele deixou o local, levando a bolsa com objetos pessoais e o celular da vítima. O juiz Paulo Tristão Machado destacou que a Justiça vem fazendo a sua parte, dando agilidade aos processos, a fim de que a condenação seja rápida, objetivando a punição e, consequentemente, a redução dos crimes em Juiz de Fora.

Publicidade

Publicidade

Mais comentários

Ainda não é assinante?

Compartilhe

Publicidade

Encontre um tema na

Pesquisa

Edição impressa

Enquete

Você está evitando contrair dívidas maiores em função da situação econômica do país?