Publicidade

22 de Março de 2014 - 07:00

Por Tribuna

Compartilhar
 
Grupo em viaturas militares fez parada ontem em JF, onde participou de missa na Catedral
Grupo em viaturas militares fez parada ontem em JF, onde participou de missa na Catedral

Para relembrar o sacrifício de milhares de brasileiros que foram para a guerra e o final das celebrações do centenário de nascimento do Frei Orlando, o Exército Brasileiro celebrou nesta sexta-feira (21) o aniversário de 70 anos da Força Expedicionária Brasileira (FEB) enviada a Itália durante a Segunda Guerra Mundial. Para homenagear os combatentes, a Associação Brasileira de Preservadores de Viaturas Militares e o Grupo Histórico da FEB realizaram a 1ª edição da Coluna da Vitória, que tem por objetivo refazer o caminho feito pelos pracinhas, lembrando a participação dos três regimentos expedicionários : 1ºRI- Regimento Sampaio, 6ºRI- Regimento Ipiranga e 11ºRI -Regimento Tiradentes. O destino final será o Rio de Janeiro, onde uma missa será rezada em homenagem à memória dos homens. O culto acontece no Monumento aos Mortos da Segunda Guerra. Um comboio composto por 13 viaturas militares da época vindo de São João del-Rei chegou a Juiz de Fora nesta sexta. Os veículos vão se reunir em Petrópolis (RJ) neste sábado, onde encontram-se caravanas vindas de outras partes do país antes de seguir para o Rio. A intenção é reunir cerca de 80 veículos.

A ideia de fazer a homenagem partiu de um clube de apaixonados por veículos militares. "Nossa entidade tem um cunho preservacionista, é completamente apolítica. Queremos homenagear as pessoas que lutaram por nós. Se hoje nós vivemos um regime democrático, é porque alguém se sacrificou, doou sua vida, seu sangue, para estarmos aqui", explica o presidente da associação Marcos Renault. Para o baterista do Paralamas do Sucesso e vice-presidente da associação João Barone, a iniciativa é uma forma de valorizar a história. "Todas as pessoas que passam a entender esta história se sentem tocadas quando veem aquele nonagenário, que teve que viver sobre o fogo em campos de batalhas. Eles estavam lutando pela democracia, pela liberdade, então isso é um aprendizado, uma coisa muito valiosa, que muitos países valorizam, e o Brasil, por alguma razão, acabou deixando passar." Os integrantes da Coluna participaram de uma missa às 19h na Catedral Metropolitana. A celebração foi presidida pelo arcebispo dom Gil Antônio Moreira.

Publicidade

Publicidade

Mais comentários

Ainda não é assinante?

Compartilhe

Publicidade

Encontre um tema na

Pesquisa

Edição impressa

Enquete

Você acha que o Governo federal deve refinanciar as dívidas dos clubes de futebol?