Publicidade

06 de Maio de 2014 - 07:00

Por Tribuna

Compartilhar
 
Carros cometem infrações para estacionar na via
Carros cometem infrações para estacionar na via

A utilização inadequada de parte da Avenida Getúlio Vargas para estacionamento de veículos continua sendo flagrante. A Tribuna havia discutido a situação no último dia 15 de abril, mostrando que o trecho na interseção com a Avenida Rio Branco, antes utilizada como ponto de ônibus, estava sendo ocupada por carros que só conseguem chegar ao local realizando duas manobras irregulares, previstas no Código de Trânsito Brasileiro (CTB). Apesar de já ter passado 20 dias desde a denúncia, a prática inadequada continua sendo rotina na área. Na manhã desta segunda-feira (5), cerca de dez veículos ocupavam a área, sendo que alguns condutores optaram por deixar o automóvel em um ângulo de aproximadamente 45 graus com relação à calçada, justamente pela falta de espaço suficiente.

No mês passado, a subsecretária operacional de Transporte e Trânsito da Settra, Iza Machado, informou que estavam sendo estudadas propostas para o local e, nesta segunda, a assessoria de comunicação da pasta esclareceu que este trabalho continua. A ideia é que o espaço seja utilizado como estacionamento rotativo pago (Área Azul), ponto de ônibus ou de táxi. Enquanto isso, a secretaria garantiu que a fiscalização de trânsito continua atuando naquela área. No entanto, para emitir auto de infração, se faz necessário ter o flagrante da ação, o que nem sempre é possível. Caso o condutor esteja alcançando aquele espaço por meio da Avenida Rio Branco, ele pode ser autuado pela conversão à direita em local proibido pela sinalização. Mas se ele estiver seguindo da Rua São Sebastião até aquele ponto, a multa é por fazer retorno em faixa contínua. Nos dois casos, a infração é considerada grave, com multa prevista em R$ 127,69.

Publicidade

Publicidade

Mais comentários

Ainda não é assinante?

Compartilhe

Publicidade

Encontre um tema na

Pesquisa

Edição impressa

Enquete

Você leva em consideração a escolaridade do candidato na hora de votar?