Publicidade

01 de Abril de 2014 - 07:00

Por Renata Brum

Compartilhar
 
Prefeito Bruno Siqueira esteve no Complexo Regulador do Samu, no São Dimas
Prefeito Bruno Siqueira esteve no Complexo Regulador do Samu, no São Dimas

O Complexo Regulador do Samu, localizado no Bairro São Dimas, Zona Norte, além da equipe de atendentes, enfermeiros e médicos, conta com homens do Corpo de Bombeiros Militar. A intenção é agilizar a assistência da rede de urgência e emergência. Todas as ligações ao 192 e agora também ao 193, que antes eram recebidas no Centro de Operações dos Bombeiros (Cobom), já são direcionadas para a sede do complexo regulador. Com isso, a triagem é realizada imediatamente e encaminhada à viatura adequada para o atendimento do paciente. Na manhã desta segnda-feira (31), o prefeito Bruno Siqueira (PMDB) esteve no centro para verificar o funcionamento do serviço de regulação da urgência e emergência.

Diretor executivo de Consórcio Intermunicipal de Saúde para Gerenciamento da Rede de Urgência e Emergência da Região Sudeste (Cisdeste), João Paulo Damasceno, garantiu agilidade no encaminhamento. "Tudo será regulado daqui de dentro. Além dos operadores, há seis médicos, sete dias da semana, 24 horas por dia para resolver os problemas. Se necessário, poderão empenhar duas viaturas, uma básica e uma avançada, ou uma viatura do Resgate e outra do Samu. Isso vai otimizar os atendimentos. Além disso, os médicos, em alguns casos, vão auxiliar as equipes por telefone, ajudando a salvar vidas. Todas as ambulâncias estão equipadas com tablets que possibilitam a troca de mensagens instantâneas entre operadores, médicos e as equipes do Samu, com informações do local da ocorrência e quadro clínico do paciente. Se o socorrista envia, por exemplo, um vídeo para o médico de plantão do ferimento de um paciente, ele recebe o assessoramento dele, e o encaminhamento é feito para o hospital correto. Isso também será fundamental nos quadros respiratórios, em que a avaliação visual pelo médico do padrão do paciente é muito importante."

Assessor organizacional do Corpo de Bombeiros, capitão Marcos Moreira Santiago confirmou que todas as ligações já estão sendo direcionadas ao complexo regulador desde a última semana. "O Centro de Operações dos Bombeiros foi para o Samu regional. De lá mesmo, os militares conseguem acionar as viaturas do Resgate, que ficam nos pontos base. Dessa forma, há mais agilidade. Muitas vezes, o Resgate precisa do Samu, que tem o médico. Com a atuação conjunta, também haverá racionamento, porque serão evitados os esforços duplos, já que é comum irem duas viaturas para a mesma ocorrência sem necessidade."

Damasceno informou sobre a parceria com a Polícia Militar. "A parceria é para uso da aeronave da corporação até a chegada da nossa, prevista para o início do ano que vem. Estamos somando esforços já que lidamos com vidas. E a tolerância será zero. Ao chegar a um dos hospitais da rede, uma viatura deve ter atendimento imediato", enfatizou.

O Samu Regional atende a 94 municípios, com 27 bases de distribuição das ambulâncias, sendo 31 unidades de suporte básica (USBs), compostas por um condutor socorrista e um técnico de enfermagem, e oito unidades de socorro avançada (USA), compostas também por um médico. Em Juiz de Fora são oito unidades móveis de atendimento: seis básicas - duas unidades na Zona Norte, duas no Corpo de Bombeiros da Avenida Brasil e outras duas na UFJF - e duas de suporte avançado. As duas ambulâncias avançadas realizam ponto base na sede do Cisdeste, mas serão deslocadas uma para Zona Norte e outra para o Corpo de Bombeiros, na Avenida Brasil, como adiantou Damasceno.

 

Monitoramento em tempo real

Das quatro regiões do estado onde há o Samu regional, o complexo de Juiz de Fora é o único que conta com painel de videomonitoramento, em tempo real, do qual é possível visualizar e acompanhar o deslocamento das unidades móveis. Damasceno informou ainda que, além do monitoramento por satélite, há câmeras que auxiliam o acompanhamento do paciente. "Em caráter experimental, estamos com uma ambulância com câmeras, duas internas e duas externas. Todo o deslocamento é filmado, desde a saída da ambulância, o atendimento dentro da unidade e a chegada até o hospital. Em Juiz de Fora, o Hospital João Felício também tem câmeras para acompanhar o recebimento do paciente, já que a função do consórcio não é somente gerir o Samu, mas todo o sistema de urgência e emergência da região."

 

 

Objetivo é reduzir demanda no HPS

Após a visita à sala de operações do Samu regional, o prefeito Bruno Siqueira se reuniu com o diretor executivo de Consórcio Intermunicipal de Saúde para Gerenciamento da Rede de Urgência e Emergência da Região Sudeste (Cisdeste), João Paulo Damasceno, o secretário de Saúde, José Laerte Barbosa, e a secretária de Administração e Recursos Humanos, Andreia Goreske. O objetivo da reunião é viabilizar a mudança do Samu municipal para a sede do Cisdeste, no Bairro São Dimas.

"Queremos verificar a possibilidade de implantar um 'siga-me', para que as ligações que ainda estão caindo no Samu municipal sejam direcionadas para cá. Em razão de um problema com os telefones da Oi Móvel, algumas chamadas ainda são recebidas no Samu da Benjamin Constant. Até por isso lá ainda está em funcionamento, para que a população não fique desassistida. A operadora já foi acionada na Justiça, mas ainda não houve resposta para o problema", explicou Damasceno.

O prefeito destacou que a intenção da visita foi verificar o funcionamento da regulação da rede de urgência e emergência. "Com o serviço, estamos melhorando o atendimento de urgência e emergência, já que, além do complexo regulador, temos hoje três hospitais operando na rede, desafogando a demanda o Hospital de Pronto Socorro."

O diferencial da rede está em não conduzir o paciente em situação grave para o hospital mais próximo, mas sim em transferi-lo, no menor tempo possível, para o local correto, ou seja, aquele especializado no atendimento de que a pessoa necessita. As instituições são classificadas de acordo com a capacidade de atendimento de cada uma, em quatro níveis. Os de nível I terão por especialidade traumas, infarto agudo do miocárdio e acidente vascular cerebral. Os de níveis II, III e IV serão especializados em outros tipos de emergência, menos complexas. Dos 20 hospitais conveniados à rede, três são de Juiz de Fora: Therezinha de Jesus, João Felício e Santa Casa de Misericórdia. O Hospital Regional, vizinho à sede do Samu, também integrará a rede, encarregado de receber pacientes de outras unidades, após o atendimento emergencial. Ele deve ficar pronto em 2015.

Durante a visita, Bruno Siqueira ainda destacou a perspectiva de aumento dos salários dos médicos da urgência e emergência e enfatizou a contratação dos 11 médicos cubanos e mais 24 brasileiros e a realização de um novo concurso para 42 profissionais para melhorar a Atenção Primária do município.

Publicidade

Publicidade

Mais comentários

Ainda não é assinante?

Compartilhe

Publicidade

Encontre um tema na

Pesquisa

Edição impressa

Enquete

Você é a favor da adoção de medidas, como tarifas diferenciadas e descontos, para estimular a redução do consumo de água?