Publicidade

10 de Julho de 2014 - 08:31

Apreensão do carregamento na BR-040 confirma que JF se mantém como importante rota do tráfico; motorista do Ford graneleiro foi preso

Por Sandra Zanella- Repórter

Compartilhar
 
Droga abasteceria Juiz de Fora e região
Droga abasteceria Juiz de Fora e região
Veículo foi interceptado próximo à BR-040
Veículo foi interceptado próximo à BR-040
Material foi encontrado em parede falsa do caminhão
Material foi encontrado em parede falsa do caminhão
Carga está avaliada em R$ 2 milhões
Carga está avaliada em R$ 2 milhões

Atualizada dia 11/07, às 09h20

A apreensão de uma tonelada de maconha em um caminhão interceptado pela Polícia Civil, na noite de quarta-feira, no km 786 da BR-040, Zona Norte, mostrou que Juiz de Fora continua recebendo grandes carregamentos de entorpecentes mesmo depois da operação "Athos" da Polícia Federal. A manobra deflagrada no mês passado resultou na prisão de 13 pessoas no município ao desarticular um esquema milionário de tráfico de drogas internacional que apontava a cidade como importante ponto de recebimento e distribuição de tóxicos, inclusive para favelas cariocas. A Polícia Civil não confirmou qualquer ligação entre os inúmeros tabletes de maconha apreendidos e o grupo preso pela PF, mas afirmou que Juiz de Fora continua sendo importante rota do crime. 

"São grandes traficantes que vêm abastecendo a cidade. A Polícia Civil está trabalhando, junto com a Polícia Federal, para identificar esses líderes e acabar com essas quadrilhas", disse a delegada regional, Sheila Oliveira. "Juiz de Fora tem sido rota de drogas, e esse material seria distribuído não só aqui, mas em toda a Zona da Mata. A Polícia Civil está atenta para já cortar o tráfico em sua base. Essa apreensão faz parte de uma série de operações, e haverá outros desdobramentos", anunciou o chefe do 4º Departamento de Polícia Civil, José Walter da Mota Matos. 

 

Troca de tiros

Durante a abordagem na noite de quarta na BR-040, próximo ao Bairro Nova Era, três veículos surgiram em cobertura ao caminhão, e os ocupantes dispararam em direção aos investigadores, mas ninguém ficou ferido. A droga, avaliada em R$ 2 milhões, foi achada por policiais da Delegacia Especializada de Grandes Roubos, Latrocínio e Antidrogas nos compartimentos de um Ford graneleiro (usado para o transporte de grãos), com placa de Bela Vista, cidade do Estado de Mato Grosso do Sul. Apenas o motorista, 45 anos, foi preso, já que os homens que investiram contra a polícia conseguiram escapar pela rodovia. O condutor, natural de Divinésia (MG) e morador de São Paulo, disse à polícia que havia recebido R$ 2 mil pelo transporte da carga. Ele teve o flagrante confirmado e foi encaminhado ao Ceresp. A delegada Sheila Oliveira ponderou que, apesar de ainda não ter sido capturado, o receptador do entorpecente foi identificado. Ela acrescentou que outras pessoas envolvidas também estão sendo investigadas.

Depois de fazer a rota terrestre, saindo do Mato Grosso do Sul e passando por São Paulo, o veículo recheado com uma tonelada da substância teria chegado à cidade na terça-feira, mas foi descoberto pela polícia na quarta, quando estava estacionado em um posto de combustíveis às margens da BR-040, próximo ao Salvaterra. Segundo Sheila, investigações apontaram que o carregamento chegaria ao município, e, há cerca de uma semana, investigadores já faziam campana para encontrar o veículo. Quando o motorista embarcou no Ford, a equipe de Roubos, coordenada interinamente pelo delegado José Márcio de Almeida Lopes, seguiu o veículo pela 040 em direção à Zona Norte. O caminhão foi abordado, por volta das 20h, ao entrar em uma estrada de terra, que dá acesso a um condomínio. 

Paredes falsas

Quando os policiais vistoriaram o veículo, acharam restos de grãos de milho e acabaram descobrindo que os compartimentos do Ford tinham paredes falsas, as quais encobriam os tabletes de maconha. "Era tudo muito bem feito e de difícil acesso. Os compartimentos feitos com chapas de aço eram fechados com parafusos sem cabeça, lacrados com silicone e pintados com tinta preta", contou Sheila. Investigadores usaram pé de cabra para arrombar as laterais dos compartimentos. Já na delegacia, em Santa Terezinha, eles fizeram uma espécie de mutirão para descarregar tantos tabletes da droga (confira vídeo no final da matéria). 

Devido à grande quantidade de entorpecentes, a delegada optou por agilizar a incineração do material ontem mesmo, em uma siderúrgica na Zona Norte. Já em relação ao caminhão, ela afirmou que o mesmo passaria por uma perícia mais detalhada. 

 

Carregamentos  de entorpecentes apreendidos em JF

 

Além de a Polícia Civil ter feito uma das maiores apreensões de entorpecentes na cidade, com a descoberta de uma tonelada de maconha em caminhão abordado na noite de quarta-feira na BR-040, a interceptação de outros grandes carregamentos pela equipe nos últimos meses e as operações da Polícia Federal reforçam a colocação de Juiz de Fora como um dos principais pontos de chegada de rotas usadas pelo tráfico. No caso mais recente, no dia 3, a Polícia Civil apreendeu cerca de 50kg de maconha em uma residência no Bairro Ipiranga, Zona Sul, que estaria sendo usada para estoque de entorpecentes. 

Um mês antes, a Polícia Rodoviária Federal (PRF) encontrou 364kg da substância no porta-malas e bancos traseiros de um Toyota Corolla acidentado e abandonado às margens da BR-040, próximo ao km 804, em Matias Barbosa. Em março, a Delegacia Especializada de Repressão a Roubos apreendeu 250kg de maconha dentro de um Citroën C4, que estava no estacionamento de um supermercado no Acesso Norte. Já em janeiro, 422kg da droga, uma escopeta calibre 12 com 40 munições, 1kg de pasta base de cocaína foram localizados pela mesma equipe no interior de um Corsa em estacionamento no Linhares, Zona Leste.

"Nosso trabalho é para identificar os grandes chefes e receptadores de tráfico em Juiz de Fora", resumiu Sheila.

 

 

Publicidade

Publicidade

Mais comentários

Ainda não é assinante?

Compartilhe

Publicidade

Encontre um tema na

Pesquisa

Edição impressa

Enquete

Você acha que a Justiça agiu corretamente ao permitir, por habeas-corpus, a soltura dos ativistas presos durante a Copa?