Publicidade

26 de Fevereiro de 2014 - 11:58

Por Tribuna

Compartilhar
 
Settra informou que está monitorado todos os pontos em que há interdição
Settra informou que está monitorado todos os pontos em que há interdição

Atualizada às 22h31

A obra de despoluição do Rio Paraibuna, realizada pela Cesama, tumultuou o trânsito nesta uarta-feira (26) na Avenida Brasil, na região central. Na margem Centro/Manoel Honório, o tráfego de veículos foi parcialmente interrompido da Ponte da Rua Halfeld até a Avenida Sete de Setembro. A interdição pegou muita gente de surpresa, já que não havia placas de sinalização ao longo da via para orientar os motoristas sobre os desvios. "O trânsito está difícil, a obra deveria ser feita em outro horário", reclamou o entregador Robson Wagner, 24 anos. O jornalista Guilherme Pannain, 26, completou: "Se soubesse da obra tinha pegado outro caminho, o trecho está mal sinalizado". 

Outro problema apontado pelos motoristas foi o montante de terra armazenada em um canteiro localizado no entroncamento da Avenida Brasil com a Praça Chefe Darcy Malta, abaixo do Viaduto Augusto Franco. "Este obstáculo dificulta a visão, o motorista não consegue ver quem está vindo", afirmou o motorista Ângelo Antônio de Freitas, 25.

O trânsito na Brasil complicou ainda mais no final da tarde depois que um Gol e um ônibus de turismo bateram na entrada da Ponte Wilson Jabour Coury Júnior.

 

Sinalização

A assessoria da Settra informou que está monitorando todos os pontos em que há interdição e, se houver necessidade, agentes serão direcionados para o local. Sobre a falta de sinalização, a Cesama informou que funcionários da empreiteira responsável pela obra vão percorrer o trajeto e verificar a necessidade de placas indicativas. 

Para o diretor da Cesama, André Borges de Souza, os transtornos causados no trânsito já eram esperados em virtude do tamanho da intervenção. "Estamos tentando aprovar com a Caixa uma opção de fazer a obra por um método não destrutivo, por meio de túneis subterrâneos, para minimizar os transtornos. É um investimento mais caro, que não foi previsto no orçamento do projeto. Nossa intenção é usar esse procedimento em áreas mais movimentadas.

Publicidade

Publicidade

Mais comentários

Ainda não é assinante?

Compartilhe

Publicidade

Encontre um tema na

Pesquisa

Edição impressa

Enquete

Você é a favor da adoção de medidas, como tarifas diferenciadas e descontos, para estimular a redução do consumo de água?