Publicidade

02 de Dezembro de 2013 - 18:03

Por Tribuna

Compartilhar
 

Um homem de 45 anos foi esfaqueado três vezes depois de ter a casa invadida por um assaltante, no Bairro Parque Guarani, na Zona Nordeste de Juiz de Fora. O próprio autor do crime chamou a polícia para prendê-lo. O crime foi registrado pela Polícia Militar, na madrugada de domingo (1), por volta das 4h. De acordo com o boletim de ocorrência da PM, a vítima relatou que se encontrava com a esposa dormindo, quando ouviu um barulho na cozinha. A filha do casal também estava na casa dormindo. Ao verificar o que seria, o morador se deparou com um homem desconhecido no interior da residência, portando uma faca. O ladrão teria arrombado a janela da cozinha para acessar o imóvel.

Quando o proprietário indagou ao invasor o que ele estava fazendo ali, o assaltante respondeu: "Não interessa, passa todo o dinheiro que você tem em casa." Nesse momento, a vítima empurrou o suspeito na tentativa de escapar dele e chamar socorro. Entretanto, o homem desferiu dois golpes de faca no abdômen do morador, sendo que um dos golpes perfurou o pulmão da vítima. O terceiro golpe feriu o punho do proprietário. Após as facadas, o bandido fugiu. O Samu foi acionado e encaminhou o esfaqueado para o Hospital de Pronto Socorro (HPS), onde ele permaneceu internado. Segundo informações da Secretaria de Saúde, o paciente permanece internado lúcido, orientado e estável na tarde desta segunda (2).

A PM também foi acionada e deu início a um rastreamento em busca do autor do crime, que foi localizado após ele mesmo ligar para a PM e confessar o crime, informando o local onde iria esperar os policiais. O homem, 45, foi preso e reconhecido pela esposa da vítima, sendo encaminhado à delegacia de Santa Terezinha. Ele teve a prisão confirmada e recolhido ao Ceresp. A PM constatou que nada foi subtraído da residência.

Publicidade

Publicidade

Mais comentários

Ainda não é assinante?

Compartilhe

Publicidade

Encontre um tema na

Pesquisa

Edição impressa

Enquete

Você concorda com o TJ, que definiu que táxi não pode ser repassado como herança?