Publicidade

25 de Março de 2014 - 17:35

Servidor público da UFJF foi assassinado a golpes de marreta dentro de casa pela companheira; que arrastou corpo até o quintal

Por Michele Meireles

Compartilhar
 
Mulher de servidor foi levada para a delegacia; PMs também recolheram marreta utilizada no crime
Mulher de servidor foi levada para a delegacia; PMs também recolheram marreta utilizada no crime
Bombeiros retiraram corpo enterrado em uma pequena horta no quintal da residência
Bombeiros retiraram corpo enterrado em uma pequena horta no quintal da residência
Marcus Augusto era servidor público federal e trabalhava como era técnico em eletrônica na UFJF
Marcus Augusto era servidor público federal e trabalhava como era técnico em eletrônica na UFJF
Vítima foi encaminhada para o IML
Vítima foi encaminhada para o IML

Atualizada às 20h35

Um servidor público federal de 50 anos foi morto a golpes de marreta pela mulher de 27 anos e depois enterrado no quintal de casa, no Bairro Cruzeiro do Sul, Zona Sul de Juiz de Fora. De acordo com informações da Polícia Militar, a suspeita esperou o marido Marcus Augusto Marcato Teodoro, que era técnico em eletrônica da UFJF, dormir e desferiu diversas marretadas na cabeça dele. O homicídio ocorreu por volta das 2h desta terça-feira (25). Após o crime, a mulher arrastou o corpo até um canteiro e o jogou em uma cova rasa. Na tentativa de disfarçar a remoção da terra, ela ainda plantou mudas no local onde o companheiro foi enterrado. Um dos filhos do casal, de 2 anos, teria presenciado o assassinato. 

Segundo o comandante da 32ª Companhia, responsável pelo policiamento na região, capitão Ricardo França, o homicídio foi descoberto na tarde desta terça, após vizinhos suspeitarem de uma fumaça que vinha da residência do casal, localizada na Rua Aurora Torres. "Para se livrar das provas do crime, a mulher queimou as roupas de cama e as roupas que o marido usava em um forno. A combustão chamou atenção. Vizinhos foram até a casa, notaram que ela estava aflita e acionaram a PM." Quando os militares chegaram, encontraram o imóvel revirado e diversos objetos quebrados. Mesmo após a mulher lavar o chão, ainda foi possível encontrar rastros de sangue no piso, no colchão e no estrado da cama. 

De acordo com a PM, o funcionário público foi morto no segundo andar da residência e arrastado pela escada até o térreo, onde era cultivada uma horta no quintal. "Suspeitamos de um monte de terra remexida no canteiro e encontramos o corpo, que estava bem próximo à superfície." Segundo informações da PM, o homem foi enterrado seminu, e parte de um dos braços estava para fora da cova. O Corpo de Bombeiros e a perícia da Polícia Civil foram acionados.  

Segundo capitão França, a princípio, a mulher disse aos policiais que não sabia onde o companheiro estava e negou participação no crime. "Durante a conversa, ela caiu em contradição diversas vezes e acabou confessando o assassinato. Ela também afirmou que é usuária de drogas e alegou motivos passionais, mas não soube explicar ao certo o que a motivou a matar o homem."

No momento do homicídio, dois filhos do casal, uma menina de 9 anos e um menino de 2 anos, estavam na casa. O mais novo teria presenciado a ação criminosa e estava em estado de choque. Ele apresentava queimaduras de cigarro perto dos olhos e seria submetido a exame de corpo de delito. A polícia informou que não há registro de ocorrência de violência doméstica atribuída ao casal, que estava junto há 11 anos. A marreta usada no crime foi encontrada em um dos cômodos da casa e apreendida. 

A mulher foi presa em flagrante por homicídio e ocultação de cadáver e foi encaminhada à 1ª Delegacia Regional de Polícia Civil, em Santa Terezinha. Até a noite desta terça, ela ainda prestava depoimento. O corpo de Marcus Augusto Marcato Teodoro foi levado para o Instituto Médico Legal (IML), por volta das 17h. De acordo com a assessoria de comunicação da UFJF, Marcus trabalhava na instituição desde 1982 como técnico em eletrônica e atualmente estava lotado na Pró-reitoria de infraestrutura. 

Galeria de Imagens

Publicidade

Publicidade

Mais comentários

Ainda não é assinante?

Compartilhe

Publicidade

Encontre um tema na

Pesquisa

Edição impressa

Enquete

Você está evitando contrair dívidas maiores em função da situação econômica do país?