Publicidade

21 de Maio de 2014 - 10:24

Por Tribuna

Compartilhar
 
Ação ocorreu na Vila Olavo Costa, Zona Sudeste
Ação ocorreu na Vila Olavo Costa, Zona Sudeste
Resultados da operação foram apresentados na manhã desta quarta-feira
Resultados da operação foram apresentados na manhã desta quarta-feira

Atualizada às 18h50

Sete pessoas foram presas e um adolescente apreendido durante mais uma edição da operação "Impacto" realizada pelas polícias Militar e Civil entre a madrugada e a manhã desta quarta-feira (21). Eles são suspeitos de cometer assaltos recentes na região central de Juiz de Fora, que resultaram em roubos a joalheria, imobiliária, padaria e contra taxistas ocorridos na região central. Durante a ação, que ocorreu na Vila Olavo Costa, Zona Sudeste, foram apreendidas três armas de fogo, um simulacro de arma, R$ 2.400, uma porção e um pé de maconha, além de cocaína, cujo total não foi divulgado. Desta vez, a iniciativa policial teve como objetivo coibir crimes de roubo. Seis homens e uma mulher, com idades entre 18 e 33 anos, foram detidos em função de cumprimento de mandados de prisão. Já contra o adolescente, 17, havia um mandado de apreensão. Eles foram apresentados na manhã desta quarta na sede da Delegacia de Polícia Civil, em Santa Terezinha. A operação contou com 110 policiais, sendo 86 militares e 24 civis.

De acordo com informações dos policiais, um dos crimes que teria sido praticado por um dos suspeitos foi cometido contra uma imobiliária, na Rua Espírito Santo, no Centro, na qual funcionários foram rendidos e presos em um cômodo durante o assalto, no último dia 9. O crime foi cometido por dois homens armados que utilizavam roupas de cor laranja, semelhante à utilizada no uniforme dos servidores do Demlurb. Eles fugiram levando cerca de R$ 30 mil em cheques. Conforme a delegada Regional, Sheila Oliveira, alguns suspeitos ainda estão sendo procurados e alguns irão responder pelo crime de associação em quadrilha. Ela ainda ressaltou que as investigações apontam que criminosos da região Sudeste estão focados na prática de crime na região central. "A maioria dos crimes de roubos em Juiz de Fora tem sido cometida para pagar dívida de tráfico de drogas ou para manter o consumo de usuários. Ela ainda adiantou que o dinheiro apreendido na operação será encaminhado ao Conselho Municipal de Políticas sobre Drogas (Compid), para ações de combate ao tráfico. A delegada afirmou que as ações devem continuar ao longo do mês. 

O comandante do 2º Batalhão de Polícia Militar (2º BPM), tenente-coronel Renato Sampaio Preste, ressaltou que a manobra já tinha alvos precisos na região da Vila Olavo Costa e que, por esta razão, foi exitosa. "A interação entre a PM e a Polícia Civil é muito importante para o cumprimento de mandados e para a redução de crimes na cidade", destacou o militar, acrescentando que, além do Centro, que conta com um policiamento maior em função da operação "Polígono vermelho", a PM passa dar atenção especial a outras áreas do município. Ele adiantou que os bairros Vila Olavo Costa, Furtado de Menezes e Vila Ideal já estão contando com reforço de efetivo e que demais bairros também serão contemplados. Na última terça-feira, dois homens de 18 e 20 anos, suspeitos de cometerem assaltos a estabelecimentos comerciais na Cidade Alta, foram presos, pela PM, no Bairro Borboleta. A dupla, de origem de Belo Horizonte, estava em Juiz de Fora há algum tempo e vinha praticando roubos à mão armada. Os assaltantes foram descobertos depois de um levantamento realizado pela PM, que também contou com a colaboração de informações do Disque Denúncia Unificado 181. A prisão, como afirmou a PM, foi um prenúncio da operação "Impacto".

 

Homicídios

No último sábado, um homem de 25 anos, que seria portador de distúrbios mentais, sofreu afundamento de crânio depois de ser espancado com pedaços de pau e barras de ferro por mais de 30 agressores, na Vila Olavo Costa, onde foi desencadeada a operação "Impacto". A ocorrência foi registrada pela Polícia Militar, na Rua Filonila Carlota de Jesus. O espancado foi encontrado usando apenas calça jeans e não apresentava documentos. Segundo o boletim de ocorrência, os agressores teriam acusado a vítima de estuprador. Nenhum dos agressores foi preso. Nesta quarta-feira, a vítima, segundo a assessoria de comunicação do Hospital e Maternidade Therezinha de Jesus (HMTJ), o espancado permanecia em estado grave no CTI e sem alteração. 

Como apontou a delegada Regional, Sheila Oliveira, novas operações devem ser realizadas, focando o combate aos crimes de homicídio. "Estamos fazendo um revezamento. Ora objetivamos os roubos, ora os assassinatos. Mas isso não quer dizer que a investigação dos homicídios esteja parada. Temos duas especializadas, uma em homicídio, e outra em grandes roubos e latrocínio. E as investigações estão em andamento e brevemente teremos condições de apresentar novos autores." Até esta quarta, a cidade já tinha registradas este ano 70 mortes violentas.

Publicidade

Publicidade

Mais comentários

Ainda não é assinante?

Compartilhe

Publicidade

Encontre um tema na

Pesquisa

Edição impressa

Enquete

Você já presenciou manifestações de intolerância religiosa?