Publicidade

20 de Fevereiro de 2014 - 16:27

Por Tribuna

Compartilhar
 

Atualizada às 21h21

Um ônibus que levava 46 comerciantes de Juiz de Fora para fazer compras em São Paulo foi alvo de bandidos armados, no início da madrugada desta quinta-feira (20), próximo ao trevo do Salvaterra. De acordo com informações da Polícia Rodoviária Federal (PRF), pouco depois da meia-noite, um veículo Palio parou em um túnel que dá acesso à BR-040, bloqueando a passagem. Quando o ônibus se aproximou, dois bandidos desceram do carro, e ordenaram que o coletivo fosse aberto.

Segundo a PRF, eles estavam encapuzados e armados e ameaçaram atirar, caso o motorista se negasse a abrir a porta. Em uma ação ousada, os bandidos permaneceram com o Palio atravessado na pista, enquanto assaltavam o coletivo, que ficou parado no viaduto durante o assalto. Enquanto a dupla roubava os passageiros, um comparsa aguardava no veículo. Os suspeitos teriam ordenado que os passageiros entregassem dinheiro e celulares.

De acordo com a PRF, foram levados cerca de R$ 3.500 e diversos celulares, mas, conforme uma das vítimas, o valor é bem maior. "A polícia demorou mais de uma hora para chegar. Só chegou depois que bloqueamos a estrada e um militar ligou, pedindo a presença dos policiais. Enquanto isso, muitos passageiros foram embora e não registraram a ocorrência. Só uma pessoa perdeu R$ 2.500. Eu consegui guardar parte do valor que estava levando, e perdi R$ 800", relata o comerciante Leandro Oliveira Guelli, 34 anos.

Após a chegada das polícias Militar e Rodoviária Federal, o ônibus seguiu para o posto da PRF, na BR-040. Diferente do que foi informado pela PRF, o coletivo não seguiu o trajeto até São Paulo. "Ninguém tinha condições de viagem, nem mesmo o motorista. Os bandidos meteram o pé na porta, deram tapa na cabeça do rapaz que guarda as malas. Ficaram gritando muito, fazendo terrorismo, dizendo que iriam atirar", detalha Leandro.

Publicidade

Publicidade

Mais comentários

Ainda não é assinante?

Compartilhe

Publicidade

Encontre um tema na

Pesquisa

Edição impressa

Enquete

Você acha que campanha corpo-a-corpo ainda dá voto?