Publicidade

03 de Julho de 2014 - 14:55

Por Tribuna

Compartilhar
 
Termina hoje treinamento de 29 profissionais
Termina hoje treinamento de 29 profissionais

Atualizada às 20h47

Já estão sendo treinados os 29 operadores das câmeras do sistema de monitoramento do programa "Olho vivo". Na grade curricular, eles estão tendo aulas de identidade organizacional, direitos humanos, técnicas de videomonitoramento de câmeras e noções básicas de direito. Os trabalhos acontecem por meio de parceria entre a Polícia Militar e a Prefeitura de Juiz de Fora. De acordo com a assessoria de comunicação da PM, a capacitação técnica, que ocorre na sede do 2º Batalhão de Polícia Militar (BPM), no Bairro Santa Terezinha, começou na última terça-feira e termina hoje. A primeira turma é composta por 16 funcionários contratados pela Administração Municipal, que estão sendo preparados por policiais. 

Conforme o secretário de Governo, José Sóter de Figueirôa Neto, as 27 câmeras da primeira fase do projeto já estão sendo instaladas. Os primeiros equipamentos serão distribuídos em pontos do Centro e do Bairro Manoel Honório. Segundo Figueirôa, o monitoramento será feito em uma sala no 2º BPM, onde também está sediado o Centro de Operações da PM (Copom), responsável por receber as ligações do 190. "Os operadores  ficarão distribuídos em nove terminais de monitoramento. O trabalho será afinado com os policiais do Copom: caso seja detectada alguma situação, eles repassam para os policiais, que farão o contato com as equipes de rua."

De acordo com o secretário, a coordenação do "Olho Vivo" está sob responsabilidade da PM, enquanto a parte de recursos humanos está a cargo da Prefeitura. "O Executivo Municipal terá um custo anual de cerca de R$ 1 milhão. Com os recursos humanos, serão gastos, em média, R$ 600 mil. Já a manutenção das câmeras custará aos cofres públicos cerca de R$ 400 mil, sendo uma média de R$ 8 mil por equipamento", finalizou. 

Ao todo, a cidade vai receber 54 câmeras, que serão implantadas no Centro, Alto dos Passos, Bom Pastor, São Mateus, Santa Luzia, Manoel  Honório, São Pedro e Benfica. O objetivo do "Olho vivo" é aumentar a sensação de segurança nas regiões onde as câmeras estejam em funcionamento. Outra vantagem, segundo a Polícia Militar, é poder fazer o deslocamento de efetivo, imediatamente após o registro do crime, dando uma resposta mais rápida à população. 

Publicidade

Publicidade

Mais comentários

Ainda não é assinante?

Compartilhe

Publicidade

Encontre um tema na

Pesquisa

Edição impressa

Enquete

Você concorda com a retirada das pinturas de Lucio Rodrigues dos pontos de ônibus?