Publicidade

25 de Abril de 2014 - 17:08

Por Tribuna

Compartilhar
 

A Polícia Militar prendeu, na tarde desta sexta-feira (25), mais um jovem apontado como integrante de grupo de matadores de aluguel. A suspeita é de que eles tenham participação em, pelo menos, seis homicídios, três deles ocorridos neste ano. O jovem, 20, preso nesta sexta havia conseguido fugir na quinta, quando outros três rapazes que integrariam o grupo foram pegos durante a operação "Impacto".

Ele foi preso na Avenida JK, próximo ao Bairro Nova Era, região Norte. Segundo a PM, militares suspeitaram de uma moto que trafegava pela via, e abordaram o condutor. Nada de ilícito foi encontrado, porém, foi constatado que havia um mandado de prisão em aberto contra o motorista. Ele foi preso e levado para a delegacia, e, em seguida, encaminhado ao Ceresp.

Casos

Conforme levantamento do serviço de inteligência da PM, o jovem detido teria participação em três mortes ocorridas neste ano, todas na Zona Norte. A polícia acredita que uns eram responsáveis pelos disparos e os outros davam cobertura. O último crime foi registrado no dia 2 deste mês, na Vila Esperança II. Samuel Marques da Silva, 24 anos, foi assassinado com um tiro na nuca, na porta de um bar e mercearia. De acordo com a Polícia Militar, o carona desceu e disparou três vezes em direção à vítima, três deles a atingiram.

O outro homicídio é o de Paulo Victor Nascimento Silva, 19 anos, assassinado no dia 23 de março, no Bairro Jardim Natal. Ele foi executado com 12 tiros de pistola 9mm. Ele conduzia uma moto quando foi surpreendido por tiros lançados pelo carona de outra moto de grande porte, que foi emparelhada à dele. Já no dia 22 de fevereiro, os matadores de aluguel teriam agido em Nova Benfica. Giovani Paiva Ramos, 37 anos, foi morto a tiros na Avenida Pedro Timponi. Ele foi morto dentro de um bar.

 

Publicidade

Publicidade

Mais comentários

Ainda não é assinante?

Compartilhe

Publicidade

Encontre um tema na

Pesquisa

Edição impressa

Enquete

Você acha que a Justiça agiu corretamente ao permitir, por habeas-corpus, a soltura dos ativistas presos durante a Copa?