Publicidade

05 de Junho de 2014 - 21:39

Por Tribuna

Compartilhar
 

Uma quadrilha especializada em roubos que atuava em Juiz de Fora, Raul Soares e Belo Horizonte foi desmantelada pela Polícia Civil. O grupo é suspeito de usar uma pistola ponto 40, roubada na casa de um policial civil em BH, em assaltos na Cidade Alta, em Juiz de Fora. A prisão dos sete homens suspeitos e a apreensão de um adolescente foram divulgadas nesta quinta-feira (5) e ocorreram em função de trabalho conjunto entre a equipe da 2ª Delegacia de Polícia Civil do município e da 1ª Delegacia de Venda Nova. Aqui, os trabalhos foram coordenados pela delegada Ângela Fellet. Conforme a assessoria da polícia, o grupo começou a ser investigado pela delegada Roberta Sodré, titular em Venda Nova, após ser instaurado inquérito para apurar a autoria de um assalto ocorrido no dia 11 de abril deste ano, no Bairro Piratininga, na capital.

O roubo teve a participação de cinco homens armados de revólveres, sendo marcado pela forma violenta de agir do grupo. A casa pertencia a um policial civil. Do local, os assaltantes levaram, entre outros objetos, uma pistola ponto 40 pertencente à instituição. Eles fugiram em um Fox prata. Dois participantes da quadrilha foram presos na capital 15 dias após o assalto, portando uma arma utilizada no dia em que invadiram a casa do agente.

Em Juiz de Fora, foi realizada a prisão do homem que seria o mentor intelectual do assalto à casa do policial e de um outro comparsa, no último dia 20. Eles foram presos em flagrante pela Polícia Militar, em uma casa no Bairro Borboleta. Com a dupla, foi apreendida um revólver calibre 38 com numeração raspada e um celular roubado num depósito de gás, no Bairro Jardim Casablanca. Na ocasião, a delegada Ângela Fellet, que atuava no plantão da delegacia, autuou os conduzidos por posse de arma com numeração raspada, sendo a dupla levada para o Ceresp. Quando os suspeitos foram ouvidos pela delegada Ângela, eles revelaram que parte da quadrilha teria se deslocado para Juiz de Fora, o que motivou a vinda dos policiais de Venda Nova ao município, para ouvi-los. Os presos então assumiram a autoria de cinco assaltos praticados em Juiz de Fora e informaram ainda que mais um comparsa estaria foragido na cidade de Raul Soares, portando a arma roubada do policial.

Atendendo solicitação da Polícia Civil, a Justiça expediu mandados de prisão temporária e de busca e apreensão contra os suspeitos, o que possibilitou aos policiais efetuar a prisão do suspeito que estava em Raul Soares. Com ele, foi apreendida a arma roubada da casa do policial civil e capturado mais um suspeito. A última prisão aconteceu na última segunda-feira, em Ribeirão das Neves. A delegada Roberta Sodré conta que a equipe percorreu mais de mil quilômetros para realizar as diligências que resultaram nas prisões.


Grupo agia na Cidade Alta

De acordo com a delegada Ângela Fellet, quatro integrantes da quadrilha, três deles armados e um adolescente que ficou em um automóvel dando cobertura ao bando, assaltaram um depósito de gás, no Jardim Casablanca, em 14 de maio deste ano. Eles invadiram o estabelecimento, renderam funcionários e proprietário. Os criminosos roubaram três celulares, um CPU de computador, um modem e R$ 30. Eles também são apontados como participantes de um assalto, nesse mesmo dia, em um supermercado da Avenida Presidente Costa e Silva, no Bairro São Pedro. De acordo com o dono do supermercado, quatro indivíduos entraram no local, renderam os clientes e anunciaram o roubo. Segundo o boletim de ocorrência, os assaltantes saíram correndo, e um Fiat Palio, com placa de Belo Horizonte, foi visto deixando o local em alta velocidade.

Nesse dia, conforme a delegada, o adolescente, que dava apoio ao grupo com o veículo, foi apreendido e acautelado no Centro Socioeducativo. Ela informou que o inquérito do roubo contra o depósito de gás está em fase de conclusão e já solicitou à Justiça a conversão da prisão dos suspeitos para preventiva. "Eles vieram para Juiz de Fora fugido de BH, onde já estavam sendo procurados e ameaçados de morte e ficaram praticando roubos por aqui por cerca de dois meses", destacou Ângela, acrescentando que o grupo é suspeito de mais cinco assaltos na Cidade Alta. "Vou continuar ouvindo vítimas, para instaurar inquéritos de apuração dos outros casos", adiantou a delegada, ressaltando: "Depois da prisão desse grupo, já percebemos uma queda nas ocorrências de roubo na Cidade Alta."

Publicidade

Publicidade

Mais comentários

Ainda não é assinante?

Compartilhe

Publicidade

Encontre um tema na

Pesquisa

Edição impressa

Enquete

Você acha que campanha corpo-a-corpo ainda dá voto?