Publicidade

07 de Março de 2014 - 18:26

Por Tribuna

Compartilhar
 
Madeireira e correspondente bancário foram os alvos
Madeireira e correspondente bancário foram os alvos

A Delegacia Especializada de Repressão a Roubos, apresentou, na tarde desta sexta-feira (7), três suspeitos de terem roubado R$ 118.964 de um correspondente bancário, localizado na Galeria Rosa Falci Maia, entre o Calçadão da Rua Halfeld e a Avenida Getúlio Vargas, no Centro, no dia 11 de fevereiro. Segundo a Polícia Civil, as investigações apontam que o mesmo grupo é suspeito de outros dois crimes: o assalto a uma madeireira na Zona Norte, de onde foram levados R$ 50 mil em joias, e a tentativa de roubo a uma boate da Cidade Alta. No caso do assalto ao correspondente bancário, de acordo com a delegada Patrícia Ribeiro, uma funcionária, 39 anos, teria sido a responsável por repassar informações a outros três homens, que executaram a ação. "O estabelecimento era recém-inaugurado, não tinha sistema de monitoramento ou vigilância armada. Ela também sabia que, no dia do assalto, haveria alta quantia em dinheiro no caixa e repassou as informações ao grupo, que conseguiu praticar o crime com mais facilidade. Eles sabiam exatamente o que fazer", comentou.

De acordo com a Polícia Civil, no dia da ação criminosa, dois homens armados e encapuzados entraram no local, renderam duas funcionárias, uma delas suspeita de passar informações privilegiadas, e roubaram o cofre com os R$ 118.964. Um comparsa aguardava a dupla em um Fiat Uno, que estava parado na Rua São João. Nesta sexta, foram detidos a funcionária e um rapaz de 26 anos. Eles foram presos no Bairro Caiçaras, Cidade Alta. "No decorrer da apuração, a equipe localizou o carro usado na fuga nas proximidades das casas dos suspeitos e descobriu que eles tinham adquirido bens de valor, possivelmente, com o dinheiro do roubo", disse Patrícia Ribeiro. Outro suspeito, 29, havia sido preso em flagrante pela PM no dia 26 de fevereiro, dando fuga a um homem que teria roubado uma lanchonete no São Pedro, Cidade Alta. Um quarto participante ainda está foragido.

 

Ações semelhantes

Seis dias depois de o correspondente bancário ter sido assaltado, uma madeireira no Bairro Francisco Bernardino, Zona Norte, foi alvo de bandidos armados, que levaram cerca de R$ 50 mil em joias. Dois assaltantes, um deles armado com revólver, roubaram todos os cordões e pulseiras de ouro do proprietário e de seu filho. Um dos ladrões estava com capacete, e o outro encapuzado. Sob a mira da arma, as vítimas foram rendidas no refeitório da empresa e obrigadas a entregar suas joias. Segundo a Polícia Militar, um Golf preto teria dado cobertura ao crime. "As investigações apontam que os dois homens que estão presos teria participado também deste caso, que teve o modo de ação muito semelhante", comentou a titular da especializada.

Segundo ela, outro caso em que o grupo teria participação é uma tentativa de assalto a uma casa noturna, na Estrada Engenheiro Gentil Forn, na Cidade Alta. O local foi invadido por dois assaltantes, e o vigia do estabelecimento surpreendido por dois criminosos encapuzados, um deles armado. Após ser rendida, a vítima foi levada até um dos cômodos do estabelecimento e encoberta por uma cortina. Um dos ladrões seguiu até o local do cofre e tentou arrombá-lo, mas não conseguiu. A dupla desistiu da ação e fugiu levando o celular do vigia. O trio foi ouvido e encaminhado ao Ceresp. O inquérito ainda está em andamento.

Publicidade

Publicidade

Mais comentários

Ainda não é assinante?

Compartilhe

Publicidade

Encontre um tema na

Pesquisa

Edição impressa

Enquete

Você concorda com a retirada das pinturas de Lucio Rodrigues dos pontos de ônibus?