Publicidade

17 de Janeiro de 2014 - 07:00

Rapaz foi baleado no abdômen. Soldado da PM, lotado em Betim, vai responder na Justiça comum

Por Sandra Zanella (colaborou Marcos Araújo)

Compartilhar
 

Um jovem de 19 anos foi baleado no abdômen, na madrugada desta quinta-feira (16), na saída de uma casa noturna no Bairro São Pedro, Cidade Alta. O suspeito de atirar, 26, acabou preso pela Polícia Militar pela manhã, na casa dele, na mesma região. De acordo com o assessor de comunicação do 27º Batalhão da PM, capitão Jean Michel Amaral, ele é soldado da PM e seria lotado no 33º Batalhão de Betim, na região Metropolitana de Belo Horizonte. Conforme o assessor, o militar confirmou ter se envolvido em uma discussão na boate, que teria sido motivada pela disputa por uma garrafa de vodca, mas não confessou ter efetuado os disparos que feriram a vítima.

Segundo o relato da vítima à PM, após a briga, o suspeito disse que um "acerto de contas" seria feito do lado de fora. Ao sair da casa de show, o jovem foi atingido por um tiro abaixo da costela, que transfixou e saiu pela região lombar. A vítima foi encaminhada para o Hospital de Pronto Socorro (HPS). Conforme a assessoria da Secretaria de Saúde, o paciente passou por cirurgia na região abdominal durante a madrugada desta quinta e permaneceu internado na enfermaria, mas estava lúcido, orientado, e seu estado de saúde era considerado estável.

Após os disparos, o suspeito deixou o local em um Golf. O carro foi identificado pela PM, e o suspeito localizado na residência dele. Ele recebeu voz de prisão em flagrante, entregou uma pistola calibre 380 com munições e foi encaminhado para o plantão da 1ª Delegacia Regional de Polícia Civil, em Santa Terezinha, onde teve sua prisão confirmada pelo crime de tentativa de homicídio.

De acordo com informações do boletim de ocorrência, um segurança do bar contou que a confusão começou depois que um amigo da vítima teria quebrado uma garrafa de vodca, a qual teria sido comprada por um colega do suspeito de atirar. Ainda conforme o relato, a vítima e o rapaz que teria danificado a bebida foram colocados para fora do estabelecimento. Logo depois, o soldado da PM e mais cinco pessoas teriam saído da boate. A vítima teria pego outra garrafa e, junto com o amigo, partido para cima do militar, que teria sacado uma arma de fogo e dito para se afastarem. A dupla não teria recuado, e o policial teria efetuado um disparo para o alto. Segundo o registro, o PM ainda atirou contra o chão, na tentativa de afastar a vítima dos amigos dele e, logo depois de o soldado embarcar no carro, com uma mulher e três homens, o segurança ouviu um terceiro tiro. No local do crime, a PM encontrou dois cartuchos deflagrados calibre 380.

Segundo o capitão Jean, a pistola apresentada pelo suspeito tem registro de porte para uso particular e não pertence à PM. Ele observou que a arma tem o mesmo calibre dos cartuchos achados no local dos disparos. O capitão da Polícia Militar, Ricardo Schafer, que acompanhava a ocorrência na delegacia, informou que o soldado irá responder pela tentativa de homicídio na Justiça comum, uma vez que não se trata de crime militar. Afirmou ainda que o policial foi recolhido ao 2º Batalhão da PM, em Santa Terezinha, onde vai aguardar o posicionamento da Justiça e do batalhão onde ele é lotado, em Betim. Ainda como apontou o assessor de comunicação do 27º Batalhão da PM, capitão Jean Michel Amaral, paralelamente ao inquérito da Polícia Civil, a PM deverá instaurar um procedimento investigatório para apurar a conduta do policial. "Também poderá ser aberto um processo administrativo demissionário na Justiça Militar", informou o oficial. O capitão destacou que a PM reprova a atitude que teria sido tomada pelo soldado. "Todo o trabalho da PM feito em prol da segurança é colocado em xeque quando um policial militar usa da prerrogativa de ser PM para cometer um ato desse."

Publicidade

Publicidade

Mais comentários

Ainda não é assinante?

Compartilhe

Publicidade

Encontre um tema na

Pesquisa

Edição impressa

Enquete

Você é a favor da proibição de rodeios em JF, conforme prevê projeto em tramitação na Câmara?