Publicidade

15 de Janeiro de 2014 - 07:00

Por Tribuna

Compartilhar
 
Buracos, desníveis e grades quebradas são visíveis na estrutura
Buracos, desníveis e grades quebradas são visíveis na estrutura

O Viaduto Ramirez Mozzato Gonzalez, no Bairro Cerâmica, Zona Norte, pode se tornar um trajeto de risco para pedestres. A estrutura, usada no sentido Centro/bairro e na direção oposta, apresenta falhas e desníveis. Em visita nesta terça-feira (14) ao local, a Tribuna encontrou diversas situações de perigo, principalmente para idosos e pessoas com dificuldade de locomoção. Nos dois lados da via, foram identificadas 15 tampas de concreto quebradas, que formam buracos. Há ainda acúmulo de lixo, grades de proteção quebradas e piso danificado.

Um representante comercial, morador do Bairro Milho Branco, se disse surpreso com a situação do viaduto. "Achei um absurdo a forma como está o passeio. Uma pessoa com mais idade não consegue circular por ali tranquilamente. Está muito perigoso, a Prefeitura não pode deixar que as pessoas corram esse risco", observou o homem, que preferiu não se identificar.

O problema também é sentido pelo autônomo Cleudir de Lima, que mora no Francisco Bernardino e utiliza o local para caminhadas. "Desde o início do viaduto, até a Avenida Brasil, na altura do Manoel Honório, as calçadas estão em péssimas condições. Utilizo os espaços diariamente para caminhar, e estão muito descuidados." Segundo a moradora do Cerâmica, Márcia do Vale, a situação já é percebida há mais de seis meses. "Tem muito tempo que o viaduto está assim."

A Secretaria de Obras informou, por meio da assessoria, que iniciou, esta semana, a confecção de placas de concreto para substituir as que apresentam defeito no local. Já a Settra se comprometeu a enviar um técnico para avaliar o dano das grades. A informação é de serão implantados gradis provisórios no local até que o material definitivo fique pronto.

Publicidade

Publicidade

Mais comentários

Ainda não é assinante?

Compartilhe

Publicidade

Encontre um tema na

Pesquisa

Edição impressa

Enquete

Você acha que campanha corpo-a-corpo ainda dá voto?