Publicidade

02 de Dezembro de 2013 - 10:47

De domingo até 8h30 desta segunda (2), a Defesa Civil registrou 55 ocorrências; bairro mais afetado foi São Pedro

Por Tribuna

Compartilhar
 

19:40 

Foram registradas 86 ocorrências pela Defesa Civil, de meia-noite às 18h50 desta segunda-feira (2), sendo 20 na Cidade Alta, 17 na Zona Norte, 16 na Sul, 14 na Leste, oito na Nordeste, seis na Sudeste e cinco na região Central. Os registros que tiveram mais reincidências foram ameaças de escorregamento de talude (28), escorregamento de talude (13) e orientações técnicas preventivas (7), além de infiltrações e trincas em laje e reavaliações.

Três dos 28 pluviômetros automáticos instalados recentemente pela Defesa Civil na cidade registraram, nas ultimas 24 horas, 121,8 milímetros de chuva no Bairro São Pedro, 110 no Aeroporto e 75,1 em Ponte Preta.  

17:56 
Após deslizamento de terra, família será desalojada de imóvel no Grajaú

A Defesa Civil atendeu uma ocorrência relacionada ao deslizamento de talude na Rua Izabel Pierre Feital, 560, no Bairro Grajaú, nesta tarde. Foi doada uma lona para a cobertura do talude, para que seja evitado novo deslizamento. O trabalho de colocação da lona está sendo realizado pelo Corpo de Bombeiros. A família que reside na área atingida será desalojada.  

17:45 
Entre meia-noite e 15h40 desta segunda-feira (2), a Defesa Civil de Juiz de Fora registrou 79 ocorrências em decorrência das chuvas que atingem a cidade desde o final de semana, de acordo com o mais recente boletim enviado pela Prefeitura de Juiz de Fora. A região Oeste teve maior número de vistorias, com 20 boletins de ocorrência (BO). Na Zona Norte foram registradas 16 ocorrências. Leste e Sul tiveram 13 casos registrados em cada uma. Já as regiões Nordeste, Centro e Sudeste contabilizaram oito, cinco e quatro vistorias, respectivamente. Os registros que tiveram mais reincidências foram ameaça de escorregamento de talude (24), escorregamento de talude (13) e orientações técnicas preventivas (e), além de infiltrações e trincas em laje e reavaliações. 

14:32
Situação da Rua Professor Mozart Teixeira, no Novo Triunfo

Segundo novo boletim enviado pela Prefeitura de Juiz de Fora, até às 11h desta segunda-feira (2), a Defesa Civil havia registrado 92 ocorrências. A região Norte foi a mais afetada, com 25 registros, seguida pelas zonas Oeste (20), Leste (18), Sul (13), Nordeste (seis), Sudeste e Centro (cinco cada). Houve 40 casos de escorregamento de talude, dez alagamentos e 11 orientações técnicas. O Rio Paraibuna chegou a três metros, às 22h de domingo, sendo que a média normal é de até 1,20m. As informações da Prefeitura são ainda de que choveu cerca de 170 milímetros na cidade nas últimas 72 horas, sendo 139 só nas últimas 24 horas. Segundo a secretaria de comunicação, este seria um volume atípico, pois o esperado para todo o mês de dezembro é de até 350 milímetros. A assessoria lembra ainda que todas as ocorrências devem ser efetuadas na Defesa Civil através do telefone 199.

Os trabalhos da força tarefa montada pela PJF para dar conta dos desastres causados pela chuva também continuam. A Secretaria de Obras permanece trabalhando na Avenida Itamar Franco, próximo à Ascomcer, onde a pista cedeu depois que uma manilha da rede de drenagem estourou. De acordo com subsecretário de Operação Urbana da pasta, José Walter Ávila, será feito um estudo no local. Além disso, equipes da secretaria estão ainda retirando barreiras nos bairros Milho Branco e Monte Castelo, na Zona Norte, e no Grama, na região Nordeste. Alguns trabalhos, como movimentação de terras e asfaltamento, devem esperar a chuva estiar para serem concluídos. 

Nesta manhã, o prefeito Bruno Siqueira; o secretário de Obras, Amaury Couri; o subsecretário de Defesa Civil, Márcio Deotti; e o subsecretário de Operação Urbana da SO, José Walter Ávila, estiveram em alguns pontos que sofreram consequências das fortes chuvas do final de semana.

12:59

Diversos estragos foram causados pela chuva durante este fim de semana em Juiz de Fora. Na Avenida Itamar Franco, próximo à Ascomcer, a manilha da rede de drenagem estourou, fazendo com que a pista de descida afundasse. Por causa disso, o trânsito está sendo feito em apenas uma faixa, com orientação de agentes da Settra. O problema está sendo consertado na manhã desta segunda-feira (2) por funcionários da Secretaria de obras.

De acordo com a Secretaria de Comunicação da Prefeitura, somente nesse domingo, a Defesa Civil recebeu 47 chamados. Dezessete foram de ameaças de escorregamento de taludes, oito de pedidos de orientação técnica e seis sobre queixas de alagamento. Ainda de acordo com o órgão, a Zona Norte foi a que totalizou o maior número de chamados, com 18 ocorrências, seguida por oito da Zona Leste e depois as regiões Sul e Oeste, com sete solicitações cada. Segundo o subsecretário de Defesa Civil, Márcio Deotti, oito famílias ficaram desalojadas por causa da inundação de córregos e do deslizamento de um barranco. Só nesta segunda, até às 8h30, mais oito ocorrências já foram recebidas pelo órgão.

O Bairro Industrial voltou a sofrer com alagamentos, apesar das intervenções realizadas anteriormente para evitar o transbordamento do Córrego Humaitá, que corta a Avenida Lúcio Bittencourt. Parte da via, próximo ao entroncamento com a Avenida Brasil, está alagada desde o  início da noite de domingo, deixando moradores ilhados. A dona de casa Márcia Alves, 40, disse que a água não chegou a invadir o interior das casas, mas já ocupou a varanda da residência dela. "Se chover forte de novo, com certeza vai entrar." Ela contou que uma sobrinha de 19 anos precisou sair para trabalhar e andou com água até a altura da coxa. Já Márcia, optou por perder a consulta médica marcada, assim como a outra sobrinha dela, 9, que não foi à escola. "Evitamos de sair porque esta água é suja. Estou até sem ter como comprar as coisas."

Parte da Avenida Lúcio Bittencourt, no Bairro Industrial, está alagada desde a noite desse domingo

No mesmo bairro, as ruas Tomaz Cameron e Henrique Simões também sofrem com as enchentes, e outras dezenas de moradores estão "presos" dentro de suas residências. Dono de uma loja de autopeças, José Eduardo de Abreu contou que um caminhão acabou ficando agarrado em meio ao alagamento porque se arriscou hoje pela manhã e não conseguiu passar. "Todo ano acontece isso, porque a água do rio volta, não dá vazão", disse o comerciante, se referindo ao nível do Paraibuna, que já está praticamente na altura do asfalto no trecho que corta o Industrial. 

O córrego de São Pedro transbordou e alagou vários pontos da via de mesmo nome

Segundo dados do Centro Nacional de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais (Cemaden), enviados pela Secretaria de Comunicação da Prefeitura, até a noite desse domingo, a região mais afetada pela precipitação havia sido São Pedro. Nas últimas 24 horas, o bairro acumulou 139 milímetros de chuva, quase a média registrada no mês passado inteiro na Região Sudeste (170mm). Logo em seguida, o Aeroporto, com 123 milímetros, e Ponte Preta, com 118.

Campo de futebol na Rua Álvaro José Rodrigues, no Santos Dumont, próximo a UBS, também alagado

Por causa da situação alarmante, a Prefeitura montou uma força-tarefa que tem atuado desde o sábado em esquema de plantão de 24 horas. As ações envolvem equipes da Secretaria de Obras, da Subsecretaria de Defesa Civil, da Empav e do Demlurb. Nos bairros Santa Luzia, na Zona Sul, e São Pedro, na Cidade Alta, os córregos transbordaram. Entretanto, segundo a Prefeitura, quando a equipe da Secretaria de Obras esteve no local, a água já havia baixado.

A mesma pasta precisou ainda realizar a demolição de um imóvel localizado na Avenida Governador Valadares, no Manoel Honório, e na Rua São Pancrácio, no Nossa Senhora Aparecida, ambos na Zona Leste, nesse domingo. Para esta segunda, está marcado ainda a demolição de uma laje na Rua Irmã Emerenciana, no Retiro, região Sudeste. Por conta das fortes chuvas, a Empav vai realizar tapa buraco em locais onde a situação seja emergencial, como nos corredores de tráfego. Outra equipe fará rondas de moto para identificar demais problemas.

Rotatória em frente ao Parque da Lajinha também ficou inundada

A rotatória que liga as avenidas Deusdedit Salgado e Prefeito Melo Reis, em frente ao Parque da lajinha, na Zona Sul, também ficou alagada na tarde desse domingo. As primeiras informações eram de que a situação teria sido causada por causa da cheia do lago do parque. O chefe do departamento responsável pela Educação Ambiental e Proteção de Recursos Naturais da Secretaria de Meio Ambiente, Wesley Cardoso, explicou que o lago tem um vertedeouro, equipamento com função de manter nível da água para evitar o transbordamento. Ele fica aberto diariamente, mas, devido ao grande volume de água das chuvas, pode ter contribuindo para a inundação da pista.

Mais chuva

A chuva deve continuar nesta segunda-feira (2) em Juiz de Fora. Segundo o Centro de Previsão de Tempo e Estudos Climáticos (Cptec), o dia vai permanecer nublado, com pancadas de chuvas e trovoadas. O sol pode aparecer, mas por curtos períodos de tempo. Apesar disso, a temperatura deve se manter alta. Às 9h, já fazia 19,3 graus, segundo o Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet). Os termômetros podem alcançar até 27 graus nesta segunda, de acordo com o Cptec. Ainda conforme o Cptec, a precipitação deve dar trégua somente nessa terça-feira, pois a probabilidade de chuva é baixa, de apenas 20%. Entretanto, a previsão é de que os temporais voltem a ocorrer na quarta.

 

Galeria de Imagens

Publicidade

Publicidade

Mais comentários

Ainda não é assinante?

Compartilhe

Publicidade

Encontre um tema na

Pesquisa

Edição impressa

Enquete

Você pretende substituir o ovo de Páscoa por outros produtos em função do preço?