Publicidade

20 de Março de 2014 - 15:01

Este é o 5º episódio do tipo em menos de 1 mês; dois adolescentes de 14 e 16 aos foram apreendidos

Por Tribuna

Compartilhar
 
Vidro traseiro foi destruído por pedra jogada por adolescentes
Vidro traseiro foi destruído por pedra jogada por adolescentes

Mais uma vez, policiais militares foram recebidos com hostilidade em bairro de Juiz de Fora. Na manhã desta quinta-feira (20), uma viatura foi apedrejada e teve o vidro traseiro quebrado, na Vila Olavo Costa, Zona Sudeste. Em menos de um mês, este é o quinto episódio de investidas contra a PM na cidade. No caso de hoje, os suspeitos do ataque são dois adolescentes, de 14 e 16 anos.

De acordo com o comandante de policiamento do 2º Batalhão, subtenente Romero Haramato, dois policiais da 135ª Companhia procuravam suspeitos de terem furtado uma bicicleta no bairro. Durante patrulhamento, a PM se deparou com a dupla suspeita do crime, um deles estaria armado com revólver. Ao perceberem a aproximação da viatura, os suspeitos fugiram. Os militares continuaram as buscas e localizaram os adolescentes na Rua Jacinto Marcelino.

Conforme o subtenente, eles teriam resistido à abordagem, desacatando e ainda fazendo ameaça aos policiais. "Formou-se um aglomerado de pessoas no entorno dos policiais, e os suspeitos arremessaram pedras na viatura. Para evitar um confusão maior, os policiais resolveram sair do local e pedir reforço".

O helicóptero Pégasus e diversas viaturas foram deslocadas, e a dupla foi encontrada em uma residência na Rua Filonilia Carlota de Jesus. Os adolescentes foram apreendidos e levados para a delegacia. A viatura foi periciada e nenhum policial foi ferido.

No último final de semana, a afronta contra a PM aconteceu no Bairro Milho Branco, na Zona Norte, onde um homem atirou contra um militar, que revidou. No dia 6 deste mês, dois jovens, de 19 e 20 anos, furaram um bloqueio montado pela Polícia Militar e ainda dispararam contra os policiais na Avenida Presidente Costa e Silva, no Bairro São Pedro, Cidade Alta. No dia 24 de fevereiro, militares foram recebidos com hostilidade na Vila Esperança II. Três dias antes, a corporação já havia sofrido uma investida, quando cerca de 40 moradores da Vila Bejani, Zona Norte, usaram paus, pedras e atiraram contra o militares, que precisaram usar bomba de efeito moral, munições de borracha e bastões para conter a agressividade.

Publicidade

Publicidade

Mais comentários

Ainda não é assinante?

Compartilhe

Publicidade

Encontre um tema na

Pesquisa

Edição impressa

Enquete

Você acha que o Governo federal deve refinanciar as dívidas dos clubes de futebol?