Publicidade

11 de Fevereiro de 2014 - 20:03

Por Tribuna

Compartilhar
 

Atualizada às 20h46

O CarnaBenfica, tradicional festa de carnaval que acontece, desde a década de 1960, em Benfica, Zona Norte, pode não ser realizada neste ano. A presidente da Associação de Moradores do Bairro, Aline Junqueira, afirma que medida é estudada devido às brigas entre gangues rivais, que já resultaram em diversas mortes e pessoas feridas. A comemoração está marcada para o período de 1º a 4 de março, na Praça Jeremias Garcia. Apesar de ter sido solicitado policiamento, a principal preocupação é que os grupos marquem confrontos na festa.  "Como é um evento com muita concentração de público, todos acabam correndo risco. Infelizmente, brigas de gangues se tornaram comuns por aqui," lamenta. 

Na manhã desta terça-feira (11), cerca de 15 adolescente se enfrentaram duas vezes com pedras no cruzamento  da Rua Coronel José Domingos dos Reis com as ruas Ana Salles e Custódio de Mattos. Apesar de não ter sido feito registro de ocorrência, moradores do entorno relataram que no primeiro embate, por volta de 10h, pedras teriam atingido dois coletivos que passavam no local.

Uma mulher, que pediu para não ser identificada, contou que houve pânico entre os passageiros do ônibus da linha 715. Ao meio-dia, os mesmos jovens voltaram a brigar. Desta vez, estudantes saiam de três escolas que ficam na região. "A impressão que tenho é de estar em meio a uma guerra, onde a qualquer hora uma bomba explode", disse um comerciante da região, que também presenciou os fatos.  

 

Ato pela paz

No próximo sábado, acontece uma caminhada entre os bairros São Judas Tadeu e Benfica, com o objetivo de pedir paz. "Neste dia, completa uma semana que dois homens foram baleados em São Judas. Casos graves como este têm se tornado comuns, e isto não pode ser tratado como normal", afirmou Aline Junqueira. O ato ainda não tem horário definido.

Publicidade

Publicidade

Mais comentários

Ainda não é assinante?

Compartilhe

Publicidade

Encontre um tema na

Pesquisa

Edição impressa

Enquete

Você acha que os resultados do programa "Olho vivo" vão inibir crimes nos locais onde estão as câmeras?