JF. quinta-feira 19 jan 2017
OUÇA AGORA
Publicidade


Painel 19-01-17

Saúde

O vereador Adriano Miranda (PHS), presidente da Comissão de Saúde Pública e Bem-Estar Social da Câmara, fez uma visita ao HPS, onde se reuniu com a direção da unidade e servidores da Secretaria de Saúde. No encontro, foi levantada a proposta de se criar um grupo com representantes do Legislativo e do Município para estudar formas de melhoria de atendimento ao usuário do SUS. Entre as ideias surgidas durante a conversa, foi destacada a criação de parcerias com faculdades e universidades, para aumentar o corpo clínico da saúde. Também foi defendida maior capacitação de servidores da área de atendimento, melhorando a triagem dos que procuram o sistema.

Lista tríplice

O Conselho dos Amigos do Museu Mariano Procópio, formado por 30 membros, tendo hoje apenas 29, define hoje a lista tríplice, a ser encaminhada ao prefeito Bruno Siqueira, para que este escolha o novo diretor-superintendente da fundação. O conselho tem plena autonomia e deve completar o grupo com o ex-vice-prefeito de Juiz de Fora Sérgio Rodrigues, que foi apresentado como candidato único a esta última vaga. A lista a ser entregue ao chefe do Executivo não estabelece a ordem de votação, o que, de certa forma, facilita a escolha, pois não obriga, necessariamente, a indicação do mais votado.

Militares

O Estado de Minas Gerais sancionou a Lei 22.415, que fixa o efetivo da Polícia Militar e do Corpo de Bombeiros para o período de 2017 a 2019. A lei estabelece mudanças no quadro de distribuição dos militares de acordo com as necessidades das duas corporações, mas, seguindo a política de contenção de gastos do Governo, o quantitativo de pessoal permanece inalterado. Hoje, a Polícia Militar conta com 51.669 homens, e os Bombeiros, com 7.999. Na lei, o quadro de oficiais e praças é distribuído por postos ou graduação.

Painel 18-01-17

Mais policiamento

A vereadora Sheila de Mello Oliveira (PTC), a Delegada Sheila, encaminhou representação ao comando do 2º Batalhão de Polícia Militar (PM) solicitando maior policiamento na região central, próximo à Rua José Calil Ahouagi, onde há uma unidade de call center. Segundo Sheila, mais de 80% dos funcionários da empresa são mulheres, e muitas delas têm sido vítimas de assaltos, principalmente entre 5h30 e 8h.

 

Sem condição

O deputado Noraldino Júnior confirmou ser dele a indicação para colocar o ex-diretor da Emcasa Daniel Ortiz no lugar de Renê Mattos na direção do Hospital João Penido, mas negou que a moeda de troca tenha sido votar a favor do governador Fernando Pimentel num eventual processo em que o Superior Tribunal de Justiça pede respaldo da Assembleia para processá-lo. “Tenho defendido o Governo em várias demandas, mas essa questão sequer foi discutida”, enfatizou.

 

Poder de agenda

Noraldino aproveitou para reafirmar postagem em sua página do Facebook em que pede a liderança do prefeito Bruno Siqueira na discussão dos temas de interesse da cidade. Segundo ele, o chefe do Executivo é quem conhece as demandas do município e é a ele quem cabe convocar todos os deputados para discussão desses temas. Enquanto não fizer isso, cada um vai agindo ao seu modo, como tem ocorrido nestes últimos dois anos.

 

De pai para filho

Acima dos 80 anos, os deputados Mauro Lopes (PMDB) e Bonifácio Andrada (PSDB) dificilmente vão disputar mais um mandato na Câmara Federal. Mas a substituição seria à moda da casa. Lopes deve ser substituído no palanque pelo seu filho Adaclever Lopes, o poderoso presidente da Assembleia Legislativa. Andradinha tem dois filhos na linha sucessória: o deputado Lafayette Andrada, que não esconde a pretensão de deixar Belo Horizonte e ir para Brasília, e seu irmão, Toninho Andrada, que desistiu de disputar a reeleição na Prefeitura de Barbacena para se dedicar ao projeto federal.

Painel 15-01-17

Eleição direta

Uma representação assinada pelo petista Roberto Cupolillo (Betão) e endossada por outros 16 vereadores pede ao Governo de Minas que promova eleição direta para a escolha da direção do Instituto de Laticínios “Cândido Tostes”. O vereador argumentou que se trata de uma instituição de ensino da rede estadual de educação, assim como o Instituto Estadual de Educação, mas com especialidades distintas. Nesses casos, segundo ele, a escolha da direção é realizada de forma direta junto à comunidade escolar. A ocupação de postos públicos é uma antiga discussão. Recentemente, os bastidores da área de saúde ficaram congestionados pela discussão em torno da troca do diretor Renê Mattos pelo ex-diretor da Emcasa Daniel Ortiz no Hospital João Penido.

No Supremo

A despeito de a troca na Fhemig ter sido considerada como uma ação política do Governo, para manter apoio ao governador Fernando Pimentel, a Assembleia não tem data para votar o pedido do Superior Tribunal de Justiça para processá-lo. É que há entendimentos de que não há necessidade dessa autorização. Mas o impasse só será resolvido pelo Supremo Tribunal Federal, para onde seguiu um pedido de pacificação. Há deputados que torcem para que o STF diga que o STJ não precisa de respaldo para prosseguir a ação, porque conhecem o desgaste que terão pela frente.

Câmara digital

Ficará a cargo do diretor administrativo da Câmara Municipal, Cloves Santos, o processo de digitalização dos procedimentos da Casa. Uma reunião com técnicos da área, nesta segunda-feira, vai definir o cronograma. A proposta do presidente da Câmara, Rodrigo Mattos (PSDB), é de que, até o término do biênio 2017/2018, o uso do papel seja reduzido somente ao indispensável no Palácio Barbosa Lima. O presidente Rodrigo Mattos também iniciou um processo de contenção de gastos na Casa.

Eterno retorno

Quem visitar a exposição de Bello, que registrou pelas páginas da Tribuna o cotidiano de Juiz de Fora por meio de suas charges durante 25 anos, se surpreenderá com a atualidade dos temas. Morto em 2011, ele já denunciava a superlotação no transporte coletivo, as mazelas do mensalão e os riscos da proliferação da dengue. Também mostra os “pregadores da esperança”, que tentam tirar proveitos das crises e as incertezas do consumidor. A exposição está no saguão da Reitoria da Universidade Federal de Juiz de Fora, no campus.

Painel 14-01-2017

Alta temperatura

O presidente da Câmara, Rodrigo Mattos, terá trabalho nas reuniões da nova Câmara. Ontem, em mais um capítulo de um enfrentamento que começou muito antes da posse – já havia debatido fortemente durante debate na Rádio CBN -, os vereadores Roberto Cupolillo (PT) e Charlles Evangelista (PP) voltaram a se enfrentar. Desta feita, por conta dos massacres nos presídios do Norte do país. Presidente da Comissão de Direitos Humanos da Câmara, Betão fez duras críticas ao sistema ora adotado, no que foi contestado por Charlles. No primeiro mandato, ele considera que os presos, ao praticarem crimes, conhecem o que os espera no cárcere. Ambos só chegaram ao consenso num ponto: vão se enfrentar outras vezes.

Volta a Minas

O senador Aécio Neves, como já destacaram os jornais “O Globo” e “Folha”, estaria de malas prontas para voltar a Minas, não apenas por causa da eleição que terá que enfrentar em 2018, para renovar o seu mandato, mas para retomar a hegemonia da legenda, especialmente em Belo Horizonte, onde enfrentou dois revezes importantes: em 2014, quando disputava a Presidência, e no ano passado, quando seu candidato perdeu a Prefeitura.

Mais votos

O deputado Marcus Pestana, um dos políticos mais próximos do senador, confirmou a mudança, mas acredita que ela só vá ocorrer no segundo semestre. Ainda destacou que os tucanos, a despeito dos números ruins da capital, saíram vitoriosos no último pleito com vitórias expressivas nas cidades-polo de Minas e citou o caso de Juiz de Fora, em que o PSDB emplacou o vice, Antônio Almas, na chapa vitoriosa encabeçada pelo prefeito Bruno Siqueira.

Sete demandas

Pestana está preocupado com a Agenda Brasil e adverte que o país precisa cumprir pelo menos sete pontos que considera vitais: reforma da Previdência, que torne o sistema justo, equilibrado e sustentável; reforma do mercado de trabalho; superando a rigidez da CLT dos anos 1940 e flexibilizando regras para uma economia dinâmica e flexível; reforma tributária – menos distributiva e mais simplificadora e racionalizações, visando aumentar a eficiência da economia; reforma política, que precisa ser efetivada até setembro; aceleração das parcerias público-privadas; implementação de reforma do ensino médio e lapidação do Plano Nacional de Segurança.

Publicidade

Top