Publicidade

04 de Julho de 2014 - 06:00

Por WALLACE MATTOS

Compartilhar
 
Zagueiro Wendel, que deixou JF para treinar no Fluminense, treinou com a Seleção e tietou Felipão, Fred, Neymar, David Luiz e Luiz Gustavo
Zagueiro Wendel, que deixou JF para treinar no Fluminense, treinou com a Seleção e tietou Felipão, Fred, Neymar, David Luiz e Luiz Gustavo

Participar do ambiente da Seleção Brasileira é sonho de cem em cada cem jogadores profissionais, amadores ou peladeiros do país. Ainda mais em uma Copa do Mundo realizada no Brasil. O jovem Wendel da Cruz, 18 anos, nascido em Ouro Branco, mas juiz-forano de coração - mudou-se para a cidade com apenas 2 anos - teve essa oportunidade nos últimos dias e treinou não apenas uma, mas três vezes na Granja Comary com a turma que enverga a Amarelinha no Mundial. Em duas dessas oportunidades, o zagueiro atuou ao lado de seus companheiros do sub-20 do Fluminense, clube no qual está desde os 13 anos, quando deixou o mirim do Sport Club Juiz de Fora e do Centro de Futebol Zico (CFZ) local para se integrar à base do Tricolor das Laranjeiras.

Mas no dia 26 de julho, no último coletivo de preparação na Granja Comary antes do confronto com o Chile nas oitavas de final da Copa, Wendel se sentiu como um dos chamados pelo técnico Luiz Felipe Scolari para o Mundial. "Na primeira vez, o supervisor do Fluminense me ligou na sexta-feira (dia 13 de junho) e eu já estava no ônibus, indo de folga para Juiz de Fora. Voltei e disputamos o jogo-treino no dia seguinte. Mas, naquela quinta-feira (dia 26), me apresentei normal para o treino da manhã em Xerém e fiquei sabendo que iria (junto com o meia Daniel) para a Granja. Me senti convocado. Cheguei, coloquei a roupa, convivi com todos nos vestiários, a comissão técnica nos tratou como integrantes do grupo, foi tudo muito especial. Na terceira vez que fui lá (para o jogo-treino da última quarta-feira) tinha companheiro brincando que eu já ia ficar de vez, dormindo e morando lá em Teresópolis. Foi um sonho", lembra o zagueiro.

Querendo um dia estar entre as feras que defenderão o Brasil em uma Copa, o juiz-forano de coração não deixou de tietar os ídolos, experimentou a dificuldade de marcar um dos melhores jogadores do mundo e levará para sempre na memória a maneira como foi tratado, principalmente por um quase conterrâneo. "Pedi para tirar fotos, conversamos e todos me receberam muito bem. Falei com o Neymar que espero um dia ser aquele que vai dar uma moral para a garotada do sub-20, recebendo-os na Seleção. Marquei ele de perto, é impressionante e muito difícil, mas foi um prazer. Quem vê na televisão não tem noção do que ele pode fazer com a bola nos pés. Falei com o David Luiz que era de Juiz de Fora, ele é um de meus ídolos. Me deu bastante atenção, brincou com minha mãe (Márcia), meu tio (Márcio), e minhas irmãs (Joyce e Briena) que foram me ver lá e até trocamos contatos para nos encontrarmos no futuro em nossa cidade", conta Wendel, que já olha para a frente e, por conta da presença do técnico das categorias de base da Seleção, Alexandre Gallo, na Granja, acha que pode ter dado um passo rumo a uma futura convocação. "Nunca estive em uma Seleção de base. Mas certamente o Gallo me viu e pude mostrar meu trabalho. Acredito que isso me ajude a chegar lá em um futuro próximo."

Publicidade

Publicidade

Mais comentários

Ainda não é assinante?

Compartilhe

Publicidade

Encontre um tema na

Pesquisa

Edição impressa

Enquete

Você acha que o Governo federal deve refinanciar as dívidas dos clubes de futebol?