Publicidade

03 de Junho de 2014 - 18:28

Em parceria, Tribuna e Rádio Solar começam cobertura do mundial

Por Tribuna

Compartilhar
 
Juiz-foranos acompanharam a partida dessa terça
Juiz-foranos acompanharam a partida dessa terça

Atualizada às 21h23

A equipe da Tribuna, em parceria com a Rádio Solar, vai analisar as partidas do Brasil durante a Copa do Mundo 2014. Como aquecimento, o repórter da Rádio Solar Márcio Santos, o repórter da Tribuna Wallace Mattos e os editores da Tribuna Juliana Duarte e Wendell Guiducci entraram em estúdio para fazerem uma rápida avaliação da atuação do Brasil no amistoso contra o Panamá, realizado nesta terça-feira (3). Com gols de Neymar, Daniel Alves, Hulk e Willian, a seleção comandada pelo técnico Luiz Felipe Scolari goleou os panamenhos por 4 a 0. O jogo aconteceu no Estádio Serra Dourada, em Goiânia.

A mesa quadrada faz parte da cobertura "Tribuna e Solar +Brasil", que vai levar aos leitores e ouvintes as informações locais e análises mais completas da Copa do Mundo 2014.

 

Nem tanto ao céu, nem tanto ao mar

Para os juiz-foranos militam no meio esportivo ou quem já acompanhou de perto a Seleção Brasileira em outras copas do mundo, conhecendo a tradição do time nacional, o amistoso desta terça não deve ser encarado como motivo de empolgação, mas também não dever desprezado, e um dos atletas que entrou em campo mostrou que pode ser uma boa opção para comandante brasileiro, Luiz Felipe Scolari.
 
Segundo o técnico do Tupi, Léo Conde, o teste foi proveitoso e deve ser diferente contra a Sérvia, na próxima sexta-feira. "O Brasil não começou tão bem, pois vinha de treinos físicos e ainda em uma fase de readaptação. Mas quando apertou, foi bem melhor. O Felipão usou o jogo para colocar o maior número possível de jogadores em campo. Para mim, o Willian se mostrou uma alternativa bem interessante para o meio ali. Agora, no último amistoso, acho que o treinador vai aproveitar para dar ritmo aos titulares da estreia e não fará tantos testes", prevê.    
 
A tradição de mudanças da Seleção durante os mundiais foi lembrada pelo narrador de rádio Maurício Menezes, que participou das coberturas das copas de 1982, 1986, 1994 e 1998. Segundo ele, Willian também foi o destaque e tem grandes chances de terminar a competição como titular do Brasil. "Gostei muito da entrada dele. Acredito que com o passar dos jogos vai ser o titular, seja no lugar de Oscar, seja ao lado dele, com a saída do Hulk. A Seleção tem um histórico de mudanças, ou seja, o time que começa uma Copa nunca é o que termina. Acho que em algum momento o Willian ganhará uma chance. Para mim o resultado desse amistoso não é para animar e nem desanimar. Foi um primeiro teste dentro do esperado, e os brasileiros não jogaram nada de excepcional para golear um adversário limitado", avalia o radialista.
 
Para o técnico de futebol de base e comentarista convidado da Rádio Solar AM, Sérgio Moraes, a validade de amistosos como o desta terça é questionável, mas o meia do Chelsea aproveitou a oportunidade que teve. "Sou contra esses amistosos pois o parâmetro de avaliação não é bom e pode-se até questionar o empenho de um atleta às vésperas de um Copa do Mundo, que ninguém quer perder. Por isso, o Brasil começou a dez por hora e o Panamá a cem. Mesmo assim, até o gol de falta do Neymar, o oponente não havia criado chances claras. Depois do terceiro gol logo no início do segundo tempo, a partida já estava decidida. Mesmo assim, gostei da entrada do Willian. Mudou a movimentação e dá uma alternativa ao Oscar, que não esteve bem ao lado do Ramires na minha opinião. Acredito que, contra a Sérvia, o Felipão escale os mesmos titulares de hoje, mas com Thiago Silva de volta no lugar do Dante na zaga, e o Paulinho no meio na vaga do Ramires. A única alteração mesmo que acredito ser possível é a entrada do Willian no ligar do Oscar", projeta.
 
 

Juiz-foranos confiantes na Seleção

Muitos juiz-foranos interromperam suas atividades ou aproveitaram uma folga no trabalho, na tarde desta terça, para assistir ao primeiro amistoso da Seleção Brasileira, antes da estreia na Copa do Mundo, contra o Panamá. Em alguns pontos centrais da cidade que possuem, habitualmente, maior concentração de torcedores o movimento não foi o mesmo de dias normais. vários torcedores e curiosos pararam para assistir a todo ou a uma parte do teste do time de Felipão.
 
O operador de logística Jader de Azevedo Guilhermino Júnior, 43 anos, acompanhou a partida em um bar na Rua Batista de Oliveira. Para ele, o Brasil perdeu muitas chances de gol e os atletas poderiam ter jogado com mais disposição, mesmo sendo um jogo sem validade.
  
Os titulares Thiago Silva e Paulinho fizeram falta, segundo o militar Robson Cardozo, 40. "Acho que faltaram situações mais ofensivas. Fred e Ramires também ficaram bem apagados".
 
O aposentado Gamaliel Vieira aproveitou  uma das televisões que estava exposta em uma loja de eletrodomésticos, no Centro, para assistir ao amistoso da Seleção Brasileira. "Isso é um teste. Por isso, o Felipão deve aproveitar para corrigir os erros. Se ele deixar para resolver os problemas de interação do grupo, durante a Copa do Mundo, nós vamos nos dar mal. Apesar disso, acho que o jogo não foi tão ruim. Pelo menos ganhamos de 4 a 0."
 
Neymar foi eleito pelos entrevistados da Tribuna, o melhor jogador do amistoso. "O Brasil jogou com uma seleção fraca e mostrou pouco desempenho. Mas tenho certeza que na Copa será diferente. Neymar apareceu durante todo o jogo e além de ter feito um gol ele contribuiu com bons passes", disse o estudante Alex Xavier, 19.
As mudanças feitas no elenco, pelo técnico Felipão, na segunda etapa, foram aprovadas pela torcida. "Eles voltaram com mais garra. O grupo estava perdendo muitas chances de gols."
 
Mesmo não sendo o jogo que esperava assistir, o professor Marco Aurélio Júnior, 36, está confiante que a Seleção Brasileira levará o título. "Somos os favoritos e nunca deixaremos de ser. O Neymar mostrou que está com disposição e estou apostando minhas fichas nesse menino", finalizou.
Publicidade

Publicidade

Mais comentários

Ainda não é assinante?

Compartilhe

Publicidade

Encontre um tema na

Pesquisa

Edição impressa

Enquete

Você acha que campanha corpo-a-corpo ainda dá voto?