Publicidade

23 de Maio de 2014 - 06:00

Por MAURO MORAIS

Compartilhar
 
MC Xuxú lança novo clipe,
MC Xuxú lança novo clipe, 'Desabafo', apontando para a realidade e bradando por respeito aos homossexuais

"Tenho orgulho de ser quem eu sou, e tu tem que aceitar, somos todos irmãos", canta MC Xuxú no novo clipe que acaba de lançar pelo YouTube. Diferentemente do último vídeo, "Um beijo", que já atingiu mais de 920 mil acessos na internet, a nova produção conta uma história e é enfática ao discursar. Defendendo a igualdade e colocando o dedo na ferida do preconceito, "Desabafo" já possui mais de oito mil visualizações em menos de duas semanas. Dando vida a diferentes personas, a funkeira e travesti de Juiz de Fora gravou as imagens no Centro Cultural Bernardo Mascarenhas, no Terreirão de Samba - ponto de prostituição na cidade - e em estúdio. Logo no início do mais recente trabalho, ela encarna uma travesti que é abusada e agredida com um tapa na cara em plena rua. "Queria passar três imagens do nosso meio artístico LGBTT. Primeiro eu quis mostrar a prostituição e o preconceito que acontece na rua com as travestis, pensei em fazer a diva e a cena gay, com as coreografias. Nessas três pautas eu fiz meu desabafo interpretando os três personagens que criei e estão no meu meio", afirma.

Com inspiração nos trabalhos de cantoras do porte de Beyoncé, Jennifer Lopez e Shakira, o vídeo de pouco menos de quatro minutos é bastante semelhante à estética do clipe anterior. "Quando publiquei 'Um beijo', muita gente me cobrou letra. Recebi muitas críticas de que minha música não tinha letra. Eu já havia composto e gravado 'Desabafo', refiz a letra, tirei algumas coisas e inseri outras", conta ela que suprimiu, justamente os versos mais críticos e ácidos. Na nova produção, MC Xuxú substituiu "tem muita igreja que é mais barulhenta do que o meu próprio pagode", por "testando a minha fé, subestimando o quanto eu sou forte", o que acabou por não configurar em perda da força do desabafo e não criou problemas à cantora. "Com todo o espaço que eu ganhei no Brasil, acho que sou muito nova para poder meter a cara e falar mal das igrejas. Tentei evitar isso usando uma linguagem mais tranquila. Não considero agora um momento ideal para pegar pesado. Quero demonstrar meu lado militante, e isso precisa estar na minha música. Muitos que estão no meio gay e trabalham com música não usam esses temas. A militância é o meu foco, sempre", explica.

De acordo com ela, que cresceu na periferia de Juiz de Fora, no Bairro Santa Cândida, Zona Leste, o preconceito sempre fez parte de seu cotidiano, mas ela soube se defender. Hoje, sua arma está no discurso cantado. "A pessoa quando é preconceituosa vai ser assim em todo lugar. É difícil acabar com isso, porque é um defeito natural do ser humano. Muita gente não percebe que machuca, que atinge. Viajando e fazendo minha turnê, percebo uma pessoa ou outra na plateia jogando uma piadinha, rindo, mas quero fazer minha parte para que isso acabe ou, pelo menos, se amenize. Para mim nada mudou, vou sempre ir à luta", diz, contando já ter feito shows em Brasília, São Paulo, Rio de Janeiro, e, na semana passada, esteve em Salvador, na Bahia.

Cada vez mais profissional, MC Xuxú tem uma agenda constante e hoje consegue viver de sua música. O desabafo, como mostra o novo single, não é amador. "Eu sabia que uma hora ou outra isto aconteceria na minha vida: não preciso mais fazer outra coisa que não seja música para me manter. Desde que lancei 'Um beijo', consegui guardar um dinheiro e alcançar muita coisa."

Publicidade

Publicidade

Mais comentários

Ainda não é assinante?

Compartilhe

Publicidade

Encontre um tema na

Pesquisa

Edição impressa

Enquete

Você acha que campanha corpo-a-corpo ainda dá voto?