Publicidade

22 de Fevereiro de 2014 - 06:00

Com ingressos esgotados para assistir aos desfiles do Grupo A, hoje à noite, festa antecipada na avenida pode ser boa alternativa

Por BÁRBARA RIOLINO

Compartilhar
 

Este ano, com a antecipação da folia em uma semana, os bilhetes estão esgotados desde a última quinta para os desfiles do Grupo A, que acontece hoje. Para amanhã, quando se apresentam as escolas do Grupo B, ainda há bilhetes disponíveis. A Funalfa espera cerca de quatro mil pessoas na Passarela do Samba no primeiro dia.

"O público tem dado uma resposta bacana ao desfile. Em poucos dias de venda, mesas e camarotes ofertados esgotaram rapidamente. Sem dúvida, quem comparecer à avenida verá um grande espetáculo", aposta o superintendente da Funalfa, Toninho Dutra, ressaltando que a interdição de boa parte das quadras não deverá comprometer a qualidade. "Os presidentes das escolas foram verdadeiros guerreiros por manter os desfiles mesmo nestas condições", completa.

Para a Liga Independente das Escolas de Samba de Juiz de Fora (Liesjuf), o carnaval atípico da cidade - com a antecipação dos desfiles e a interdição das quadras - será uma espécie de laboratório para o futuro. Segundo o diretor de comunicação da entidade, Fernando Luiz Baldioti, tudo está sendo avaliado, ponderando o que deu certo e o que não deu. Para garantir a qualidade dos desfiles, Baldioti conta que os presidentes conseguiram traçar outros planos.

"Todas as escolas buscaram meios para complementar a verba da Prefeitura. As mais influentes na cidade, por exemplo, conseguiram doações. A Liga também fez sua parte com relação à busca de materiais e alternativas de substituição dos mesmos. O público pode esperar um espetáculo de muita beleza, luxo, criatividade e originalidade", afirma.

 

Em busca de mais um título

Depois da abertura da passarela com o desfile do Afoxé Filhos de Oyá, a primeira escola a entrar na avenida na noite de hoje será a Vale do Paraibuna, única representante do Grupo C da cidade. Com o enredo "Paz e amor, bicho!", a escola passeia pela década de 1970, com referências psicodélicas como a era disco, os Beatles, o mundo livre dos hippies e o começo do estilo punk. A agremiação, composta por 300 componentes, colocará uma alegoria, 12 destaques, seis alas e um casal de Porta-bandeira e Mestre-sala.

Abrindo os desfiles do Grupo A, a campeã do Grupo B em 2013, Juventude Imperial, festeja seus 50 anos trazendo, mais uma vez, a cultura africana como enredo para tentar se manter na elite do carnaval juiz-forano. "Não medimos esforços para marcar nosso retorno ao grupo A. Para isso, montamos uma comissão de carnaval com figurinistas e alegoristas para intensificar as pinturas e os acabamentos das alegorias, quesito em que perdemos pontos em outros anos", destaca o carnavalesco da escola, Fernando Valério. O enredo da Juventude contará a história da negra "Aqualtune, princesa guerreira na África", avó de Zumbi dos Palmares, que se tornou símbolo da resistência no Brasil. Serão 600 componentes na avenida, desfilando em 15 alas e três alegorias, além de nove destaques e 20 composições.

A segunda a entrar na passarela será a Mocidade Alegre, com o enredo "Rio, cidade de encantos mil, berço do samba e futebol do meu Brasil", convidando o público a conhecer a origem da cidade maravilhosa até entrar no ritmo dos eventos agendados para este ano e 2016. Os 900 componentes serão divididos em 14 alas, cinco alegorias, quatro destaques e 25 composições.

A campeã de 2013, Unidos do Ladeira, entra na avenida para garantir o tricampeonato e o 12º título de sua história com o enredo "Revolução Farroupilha: a saga de coragem do povo rio-grandense". O presidente da escola, Marcus Valério Mendes, explica que dois dos cinco carros alegóricos serão interligados, chegando a 34 metros de cumprimento. "As alegorias simbolizam os navios dos revolucionários, puxados em terra por bois. Também teremos duas alas coreografadas, que darão um toque especial ao desfile." São mais de 800 componentes divididos em 18 alas e 48 destaques, sendo oito no chão.

A Turunas do Riachuelo, a quarta escola de samba mais antiga do país, celebra seus 80 anos com o enredo "Krambeck, a mata que virou jardim". Sendo a penúltima a se apresentar na avenida na noite de sábado, a terceira colocada em 2013 vai exaltar as belezas da maior mata urbana regenerada do país, trabalhadas em 13 alas, cinco alegorias e 63 destaques. Ao todo, desfilam 800 componentes.

A Real Grandeza encerra os desfiles da noite de hoje, com o enredo "Sete de Setembro: Um grito de liberdade… Uma avenida que ganha vida no carnaval." Vice-campeã de 2013, contará a trajetória da via, importante para o desenvolvimento da cidade e reduto do samba. A Feliz Lembrança, segunda escola mais antiga de Juiz de Fora, foi ali fundada. A localidade também foi berço dos blocos Bola Preta e Margarida, que deram origem, mais tarde, à Real Grandeza. Os 600 componentes serão divididos em 16 alas, seis alegorias, e 36 destaques e composições.

 

Regras a seguir

Além de samba no pé, adereços, alegorias, fantasias, bateria, evolução, conjunto e harmonia, o cumprimento do tempo é um dos quesitos avaliados pelos jurados. A escola representante do Grupo C não deve desfilar em menos de 30 minutos e nem ultrapassar 40 minutos. Já para as escolas do Grupo A, o tempo mínimo é de 50 minutos e o máximo, de 65 minutos. O intervalo entre um desfile e outro será de dez minutos. Segundo o superintendente da Funalfa, Toninho Dutra, o departamento trabalhou junto às diretorias para não haver atrasos. "A intenção é propor um desfile mais conciso e ágil."

De acordo com o regulamento geral dos desfiles, as notas em cada um dos 11 quesitos avaliados pelo júri poderão ser fracionadas, variando da menor nota, sete, até a maior, dez. A escola que obter nota inferior a sete, está automaticamente rebaixada. Neste ano, uma escola pertencente ao Grupo A, a Mocidade do Progresso, optou por não desfilar. Logo, em 2015, ela fará parte do Grupo B. Segundo o diretor de comunicação da Liga das Escolas de Samba de Juiz de Fora (Liesjuf), Fernando Luiz Baldioti, apenas uma escola do Grupo A será rebaixada neste ano, e a campeã e a vice-campeã do Grupo B sobem para o A. Para o Grupo C, cairá a sexta colocada do Grupo B.

A apuração das notas acontece na próxima segunda, a partir das 15h30, na Praça Antônio Carlos. Serão premiadas com o troféu Fernanda Müller a campeã, a vice-campeã e a terceira colocada do Grupo A, a campeã, a vice-campeã e a terceira colocada do Grupo B e a campeã do Grupo C.

Para garantir o conforto dos foliões, serão disponibilizados, na área de 400 metros de extensão que compreende a Passarela do Samba, na Avenida Brasil, cem banheiros químicos, sendo dois adaptados, destinados aos portadores de necessidades especiais. Dez serão colocados no setor de camarotes, 53, ao longo das arquibancadas, quatro no setor de mesas, 15, na área de concentração, 15, na área de dispersão e um na área do júri.

Cerca de 50 ambulantes e dez barracas credenciados pela Liga das Escolas ficarão responsáveis pela venda de alimentos, bebidas e produtos de carnaval, exceto serpentinas metálicas e spray de espuma. Refrigerantes, cerveja, água, bebidas destiladas, pipoca, cachorro-quente, churrasquinho e milho-verde estão entre as opções para o público.

Segundo o superintendente da Funalfa, Toninho Dutra, foi articulado, junto a Polícia Militar, Corpo de Bombeiros e Guarda Municipal, um esquema especial para garantir a segurança durante os desfiles. Sem divulgar números, Toninho informou que o efetivo precisou ser reforçado. A Secretaria de Saúde irá disponibilizar viaturas do Samu para os atendimentos de saúde.

A Settra irá interditar, entre as 9h de hoje e as 7h de segunda-feira, ruas nos bairros Mariano Procópio e Santa Terezinha. Agentes de trânsito e sinalização ajudarão a orientar os motoristas. A ação irá alterar o itinerário dos coletivos das empresas Norte, São Francisco e Santa Luzia.

Publicidade

Publicidade

Mais comentários

Ainda não é assinante?

Compartilhe

Publicidade

Encontre um tema na

Pesquisa

Edição impressa

Enquete

Você está evitando contrair dívidas maiores em função da situação econômica do país?