Publicidade

15 de Janeiro de 2014 - 07:00

Caxambu atrai turistas ávidos pelas fontes de águas minerais

Por MARISA LOURES* Repórter

Compartilhar
 
Principal atração de Caxambu, Parque das Águas abriga 12 fontes de águas de efeitos curativos
Principal atração de Caxambu, Parque das Águas abriga 12 fontes de águas de efeitos curativos

Uma das mais importantes cidades do Circuito das Águas de Minas Gerais, Caxambu está há pouco mais de duas horas de carro de Juiz de Fora. Localizada na Serra da Mantiqueira, a pequena cidade de cerca de 21 mil habitantes impressiona pela quantidade de hotéis. O lugar vive do turismo em torno do Parque das Águas e suas fontes de "poderes extraordinários". Em toda esquina, há alojamento. Bem no Centro, ocupando mais de um quarteirão, por exemplo, está o Hotel Glória com sua arquitetura inspirada em traços espanhóis. O estabelecimento que, em tempos remotos, abrigava um cassino, chega a receber cerca de duas mil pessoas por vez, 10% da população local. Na frente do edifício, charreteiros convidam para uma volta pela cidade, em 50 minutos. O trajeto custa R$ 30.

Para curtir os 210 mil metros quadrados do Parque das Águas, é preciso, pelo menos, de um dia inteiro. A área fica aos pés do Morro de Caxambu. Segundo uma das versões criadas para a origem do nome do município, é lá que escravos africanos se reuniam, à noite, para tocar o caxambu, palavra que, na etimologia, indica tambor e música.

O espaço é composto por lago, pista de caminhada e bosques além, é claro, das 12 fontes de águas minerais. Elas são as principais responsáveis por atrair nove em cada dez turistas. Em alta temporada, passam por lá cerca de 8 a 10 mil pessoas por dia. Para garantir o galão das águas "milagrosas", há quem chegue às 4h da manhã. Elas são distribuídas em quatro horários, gratuitamente. A pessoa escolhe o que quer beber, de acordo com a enfermidade a ser tratada. Quem conhece afirma que existem opções para a cura do fígado, dos rins, de infecções cutâneas, entre outras doenças. Pau-ferro, plátanos, margaridas, rosas e eucaliptos estão entre as espécimes do jardim, que divide espaço com obras de arte de Chico Cascateiro. Confeccionados em argamassa, os trabalhos dão a impressão de serem de madeira.

 

 

A cura da princesa Isabel

 

Dá para curtir, sozinho, as belezas naturais de Caxambu, mas, contar com a ajuda de um guia permite conhecer histórias curiosas. Diz a lenda que, nos idos de 1868, a fama das águas da região chamou atenção até mesmo da família imperial. Impossibilitada de ter filhos, a própria Princesa Isabel, acompanhada do Conde d'Eu, bateu ponto por lá. As propriedades ferruginosas deram fim a sua anemia e infertilidade. Verdade ou não, o feito deu origem à fonte intitulada Conde D'eu e Princesa Isabel. Pouco mais à frente, tem a fonte D. Pedro, que estimula a digestão, e a da beleza - uma das mais procuradas.

Construído em 1912 e reinaugurado em 2010, o balneário não só se destaca pela fachada com inspiração greco-romana e seus vitrais e ladrilhos originais, mas também por ser uma boa pedida para o fim do estresse. Por R$ 35, o visitante tem direito a 50 minutos de banho de efeitos terapêuticos e relaxantes. A água é aquecida com caldeira a lenha. O prédio histórico ainda oferece vários tipos de ducha, banheira de hidromassagem, sauna, entre outros. "Terminando a obra do oceanário, vamos ter pessoal para dar informações das fontes e recepcionar o veranista. Por enquanto, estamos nos preocupando em manter o parque limpo", comenta Fábio de Souza Fernandes, administrador do local, que ainda serve de sede para a fábrica de Água Mineral Caxambu. O turista pode conhecer as instalações da empresa.

Caso o visitante não tenha medo de altura, Caxambu também oferece um teleférico. O percurso corta o lago e a mata do parque até o Morro Caxambu e dura 15 minutos. No alto, há lanchonete, loja de artesanato e um monumento de 15 metros, erguido em homenagem ao Redentor. A vista é privilegiada. É possível ver a cidade de Baependi e outras serras próximas. Mas vale o aviso: a aventura requer coragem para enfrentar 1090 metros de altitude e 186 metros de altura.

 

Publicidade

Publicidade

Mais comentários

Ainda não é assinante?

Compartilhe

Publicidade

Encontre um tema na

Pesquisa

Edição impressa

Enquete

Você já presenciou manifestações de intolerância religiosa?