Publicidade

12 de Janeiro de 2014 - 07:00

Tribuna flagra momentos de lazer do juiz-forano em diversos pontos da cidade durante as férias

Por BÁRBARA RIOLINO

Compartilhar
 
Monaliza registra o último mês de gestação de Olívia no Parque da Lajinha
Monaliza registra o último mês de gestação de Olívia no Parque da Lajinha

Há quem diga ser a estação da perdição, onde tudo é permitido e acontece de forma mais intensa. O sol, além de elevar as temperaturas, transforma o ambiente em convites para aproveitar o melhor do verão. Tudo fica mais colorido, e a preguiça passa batida. Em férias ou folga do trabalho, opções não faltam para aproveitar o mês de janeiro e preenchê-lo com atividades recreativas. Para se refrescar, as piscinas dos clubes são pontos estratégicos para uma boa conversa e se bronzear. Já para as crianças - em recesso escolar - é paraíso! Outros espaços encontrados na cidade são os parques do Museu Mariano Procópio e da Lajinha, além do campus da UFJF. Os três oferecem espaço para brincadeiras, atividades lúdicas e exercícios físicos, uma forma de incrementar a rotina de cada família.

Na última semana, a Tribuna percorreu estes locais e encontrou diversas histórias envolvendo amigos e famílias, que servem como fonte de inspiração para quem está em dúvida sobre o que fazer nos próximos dias. Como uma andorinha só não faz verão, um grupo de amigos juiz-foranos, por exemplo, espera ansioso esta época para se reunir e se divertir no Clube Bom Pastor. "Sempre chegamos cedo e ficamos até anoitecer, mas quando o clube disponibiliza programação noturna, a gente emenda", conta a artesã Ana Maria Cipriani, 50 anos. "Aqui não tem tempo ruim. Seja no verão ou no inverno, estamos todos juntos batendo papo e curtindo o sol", comenta a dona de casa Maria José dos Reis Gomes, 58, conhecida no clube como Glô.

Junto dos dois filhos, de 2 e 6 anos, a administradora Renata Santos Pereira, 34, se programa para tirar férias em janeiro, para poder levá-los ao clube e aproveitar a piscina. "Venho sempre que posso, e eles adoram. Aqui encontram muito espaço, parquinho e crianças para brincarem e gastarem energia. Para meus filhos, isso é ótimo, pois moramos em apartamento e nem sempre eles têm esta oportunidade."

Já no Cascatinha Country Club, a professora Kátia Creston, 35, estava empenhada em ajudar a filha de 3 anos a dar os primeiros pulos na água. Devidamente equipada com boias cor-de-rosa nos braços, a menina não se cansava de entrar e sair da piscina, assistida sempre pela mãe. "A água para ela é a melhor brincadeira, seja sozinha ou com outras crianças." Sócia há pouco tempo do clube, Kátia pretende, a partir deste ano, tornar as idas ao local uma rotina para a família. "Venho com ela todos os dias pela manhã. Nos fins de semana, é a vez do meu esposo e outros familiares aproveitarem o sol com a gente." 

 

Do azul ao verde

Deixando de lado o azul das piscinas, outras famílias preferem aproveitar as áreas verdes da cidade, que oferecem espaço para prática de esportes e registros fotográficos. A enfermeira Monaliza Macário, 29, aproveita o sol e a paisagem do Parque da Lajinha para registrar os últimos meses da gestação de Olívia. "Aqui é muito bonito, e, desde que engravidei, quis fazer o ensaio no parque. As fotos ficam mais espontâneas", disse.

Outras mães, no entanto, preferem estender a toalha na grama com frutas, biscoitos, sucos e água para hidratar os pequenos, em um legítimo piquenique. "Esta é a primeira vez que fazemos este tipo de atividade e com certeza iremos repetir mais vezes, principalmente durante as férias e fins de semana. É uma oportunidade de respirar natureza, brincar e gastar energia", destaca a pedagoga Rejane Guedes Possas Monteiro, 40, que acompanha o filho de 1 ano e 5 meses.

Próximo ao local escolhido para o lanche, um grupo de crianças e adolescentes aproveitava o fim da tarde para a prática do slackline. Com a fita amarrada em duas árvores às margens do lago, o estudante Patrick de Oliveira Campos, 13, tentava se equilibrar e dar os primeiros pulos. "Já pratico o esporte há alguns meses, mas nas férias consigo brincar mais", comenta Patrick. "Como moramos perto, ele aproveita todo o tempo livre para ir ao parque, inclusive, em época de aula. É uma dificuldade mantê-lo em casa", diz a ajudante de bufê, Cláudia de Oliveira.

A escolha pelos esportes radicais parece ser a pedida destas férias. Na pista de skate da UFJF, por exemplo, adolescentes e adultos treinam manobras e saltos. "Para os adeptos, esta é a melhor pista da cidade", ressalta o fotógrafo e atendente de livraria, André Marques, 22. Ele contou que, durante todos os dias de férias, que chegou ao fim na última segunda-feira, marcou presença no campus.

No parquinho, crianças de todas as idades aproveitavam para escalar os brinquedos, cheio de cores e formas, que estimulam ainda mais a diversão. "É muita energia para ficar em casa. Precisamos programar estas atividades, se não ficam só na TV e computador", comenta a atendente de telemarketing Jussiara Tostes, 42, mãe de dois meninos de 9 e 11 anos, que aproveitavam a tarde na companhia dos primos.

Em férias na cidade, o casal de engenheiros químicos Marcelo Barbosa de Almeida, 44, e Angélica Sapia de Almeida, 39, de Catanduva - SP, levou os filhos de 4 e 9 anos para conhecer o parque do Museu Mariano Procópio. Durante a manhã, a família aproveitou para caminhar e admirar as aves no espaço, como os cisnes negros. "Senti falta do pedalinho e de ver o museu aberto. Seria uma boa oportunidade para meus filhos conhecerem o acervo", comenta Angélica. Mesmo sem estas opções, eles não deixaram de usufruir do parquinho. "O espaço é muito limpo e conservado. Certamente voltarei mais vezes", disse Marcelo.

 

Galeria de Imagens

Publicidade

Publicidade

Mais comentários

Ainda não é assinante?

Compartilhe

Publicidade

Encontre um tema na

Pesquisa

Edição impressa

Enquete

Você acha que alertas em cardápios e panfletos de festas sobre os riscos de dirigir sob efeito de álcool contribuem para reduzir o consumo de bebidas por motoristas?